Gengiva inflamada indica alteração na saúde bucal

Share on facebook
Compartilhe
Share on twitter
Tweet Isso
Share on linkedin
Compartilhe

Já parou para pensar na importância da gengiva? Ela auxilia na fonética, serve como marcador e harmonizador do sorriso e ainda protege e sustenta os dentes. É importante ficar atento a qualquer alteração. Por exemplo, se você notar bolhas gengivais, ou gengiva inflamada, é sinal de que algo no seu organismo não está bem.

Uma gengiva saudável é rosada, resistente e firme. O tecido é consistente, cheio de vasos sanguíneos e fibroso. A profundidade da gengiva chega a ser de 1 a 3 mm. Bem diferente de uma gengiva inflamada.

A gengiva inflamada apresenta cor avermelhada, crescimento do tecido que chega a cobrir os dentes e uma sensação de que o tecido está liso. Ela indica que o tecido epitelial está dolorido, avermelhado e inchado.

O que causa gengiva inflamada?

As causas gengivas inflamadas normalmente estão ligadas ao desenvolvimento da placa bacteriana, o biofilme dental que se adere ao dentes devido a falta de higiene adequada.

Assim, quando se pensa em inflamação gengival, a primeira causa que vem à mente a famosa gengivite. Contudo, a inflamação pode ser multifatorial, isto é, proveniente de várias causas.

Portanto, outros fatores podem contribuir para o aparecimento desse problema, ou aumentar a probabilidade de que a inflamação se desenvolva.

Veja, a seguir, quais são as principais causas por trás da inflação da gengiva:

  • Higiene deficiente;
  • Doença periodontal, como a gengivite e a periodontite;
  • Restaurações deficientes;
  • Alterações hormonais;
  • Má nutrição;
  • Estresse;
  • Gengiva inflamada por causa do aparelho ortodôntico;
  • Obesidade;
  • Condições sistêmicas, como diabetes e leucemia;
  • Bruxismo;
  • Dentes que ainda não erupcionaram completamente, como o dente do siso;
  • Infecções virais ou fúngicas;
  • Genética;
  • Ferimento causado por alimentos entre os dentes;
  • Uso de certos medicamento;
  • Temperatura elevada na região da gengiva ou queimaduras;
  • Atrito com as próteses;
  • Tabagismo;
  • Diminuição do fluxo de saliva; e
  • Força exagerada na mordida.

Doenças periodontais

Todavia, apesar de não ser a única, a gengivite é a causa mais grave da gengiva inflamada e doendo.

Além disso, essa patologia pode ser extremamente recorrente, contudo, seus sintomas são comumente ignorados, o que pode dar a abertura à sua consequente evolução e agravamento.

Isso porque a gengivite é uma doença periodontal que consiste na fase inicial da inflamação da gengiva. Como já mencionado anteriormente, ela é ocasionada pelo acúmulo de bactérias nos dentes, a placa bacteriana.

A placa bacteriana, por sua vez, surge a partir da má higienização dos dentes, como a falta do uso de fio dental.

Os restos alimentares que não foram eliminados devidamente durante a escovação e o uso do fio dental, alimentam os microrganismos existentes na cavidade oral.

Esses microrganismos, então, formam o que conhecemos como a placa bacteriana, a película transparente e pegajosa que adere aos dentes.

Essa mesma placa bacteriana, composta de bactérias, é responsável por irritar a gengiva, causando sua inflamação, ou a gengivite, um dos estágios da doença periodontal.

A placa pode ainda evoluir ainda para o desenvolvimento do cálculo dental, ou tártaro, patologia que também agrava a inflamação gengival.

Em geral, seus sintomas são inchaço, vermelhidão e sangramento na gengiva. Quando percebidos, devem ser relatados o mais rápido possível, pois caso não tratada, pode avançar para outros estágios de gengiva inflamada.

Por ser apenas a fase inicial de uma doença periodontal, a gengivite possui tratamento mais simples.

Desse modo, a limpeza e a remoção da placa bacteriana, feitas no consultório do dentista, devem solucionar o problema.

Além disso, outras formas da gengivite podem ser a causa da inflamação da gengiva, como é o caso da gengivite ulcerativa necrosante. Patologia que não se desenvolve necessariamente pela ação da placa bacteriana, mas tem surgimento repentino, associada, geralmente, à fatores emocionais.

Periodontite

Quando os sintomas da gengivite são ignorados e a prática da má higienização é mantida, é provável que a doença avance para um novo estágio, a periodontite.

A periodontite é um estágio significativamente mais grave que a gengivite, pois a inflamação se intensifica e atinge todos os tecidos ao redor do periodonto e o ligamento periodontal, provocando a reabsorção óssea e a retração gengival.

Os sintomas que podem ser vistos nessa fase da doença é o aparecimento de bolsas periodontais, amolecimento dos dentes e até mesmo a perda de dentes.

A percepção dos sinais dessa patologia devem ser comunicadas imediatamente ao dentista, pois as consequências da gengiva inflamada nesse estágio podem ser graves.

Além disso, a manifestação da periodontite pode se dá por meio de várias formas, o que não exclui a inflamação gengival do acometido. Confira:

  • Periodontite agressiva: caracterizada ação de bactérias virulentas, não necessariamente ligadas à placa bacteriana;
  • Periodontite ulcerativa necrosante: aumento anormal de bactérias sem causa aparente que pode estar ligada a causas emocionais, como estresse e falta de sono;
  • Endocardite: complicação grave da periodontite. Ocorre quando uma bactéria cai na corrente sanguínea, causando infecção nas válvulas do coração.

Assim, já que são as principais causas da inflamação gengival, é preciso estar atento aos sintomas das doenças periodontais, além de preveni-las com uma higienização adequada.

E os sintomas da gengiva inflamada?

É possível que a inflamação gengival em si, independente da causa, não seja tão aparente e de fácil observação, principalmente em seu início.

Dessa forma, é importante conhecer os sintomas que se apresentam durante uma inflamação. Assim, a depender da causa, será possível prevenir que ela avance para quadros mais graves.

Confira quais são os possíveis sinais de inflamação na gengiva:

  • Flacidez;
  • Gengiva inchada;
  • Dor ao comer;
  • Mau hálito persistente;
  • Dor no contato com as bochechas;
  • Gengiva infamada com pus;
  • Gosto ruim na boca;
  • Sangramento espontâneo;
  • Gengiva avermelhada.

Diagnóstico da inflamação na gengiva

Diagnóstico da inflamação na gengiva

Para ter um diagnóstico certeiro, o profissional realizará os exames clínicos. Eles são divididos em: anamnese, físico e radiográfico.

A anamnese é caracterizada pela entrevista com o médico. Ou seja, o profissional faz um questionário para ter informações importantes sobre o paciente.

Nessa fase, o dentista conhece a história prévia do paciente, assim como de seus familiares, a fim de saber se existe algum histórico que predisponha a inflamação gengival.

O profissional perguntará quais são os sintomas, de que forma eles se manifestam e há quanto tempo eles são sentidos.

Já no exame físico, o profissional analisa toda a região anatômica bucal do paciente, a fim de identificar características físicas da causa da inflamação.

Primeiramente, o exame é visual, onde busca por alguma anormalidade. Para detectá-las, o profissional usará como base as características visuais de uma gengiva saudável, sendo elas:

  • Ausência da placa bacteriana;
  • Tecido gengival de coloração rósea ou castanha;
  • Margem gengival que acompanha a curva da arcada dentária;
  • Preservação dos pontos de contato proximal;
  • Textura áspera, em virtude das interdigitações dérmicas presentes na gengiva.

Caso suspeite de doenças gengivais, como a periodontite, é possível que o profissional peça um exame radiográfico, a fim de saber a proporção de raiz que ainda está inserida no osso, de forma a avaliar a perda óssea.

Realizada inspeção clínica, será possível obter um diagnóstico da causa da inflamação, podendo ser iniciado o tratamento para sua resolução.

Qual antibiótico para gengiva inflamada? É necessário?

Qual antibiótico para gengiva inflamada? É necessário?

Muitas das vezes o tratamento para a gengiva inflamada inclui o uso de antibióticos e anti-inflamatórios, especialmente quando a inflamação já se encontra em estado avançado.

Contudo, nem sempre o uso de antibiótico para gengiva inflamada é recomendado, principalmente nos casos mais comuns de inflamação gengival, como no caso das doenças periodontais. Isso porque a gengivite e a periodontite não são infecções, e sim inflamações.

Todavia, caso os sintomas de patologias gengivais sejam provocados por causa da incidência de uma infecção, nesse caso, poderão ser tratados com o uso de antibióticos.

É preciso lembrar, porém, que o paciente que se sente sintomas de uma gengiva irritada, como os já mencionados no artigo, não deve se automedicar. Além de ser extremamente perigoso, o paciente pode não saber qual a verdadeira causa da irritação.

Desse modo, destacamos que em todo e qualquer caso um profissional de sua confiança deve ser consultado e quaisquer medicamentos devem ser prescritos por ele.

Para os casos das doenças periodontais, causada por inflamação e não infecção, o uso de anti-inflamatórios pode ser eficiente apenas para amenizar os sintomas e incômodos causados pela patologia. Afinal, o anti-inflamatório não consegue agir sobre a raiz do problema, a placa bacteriana.

Por esse motivo, a ida ao dentista deve ser a primeira atitude a ser tomada pelo paciente, eliminando de uma vez por todas as causas do problema. Posteriormente a isso, caso o profissional ache necessário, poderá ser indicado o uso do anti-inflamatório.

A nível de conhecimento, citaremos a baixo quais os antibióticos e anti-inflamatórios são mais comumente utilizados para tratar inflamações e infecções gengivais. Confira:

Antibióticos

  1. Clindamicina;
  2. Clordox;
  3. Amoxilina;
  4. Cefalexina.

Anti-inflamatórios

  1. Diclofenaco sódico;
  2. Alivium;
  3. Nimesulida;
  4. Ibuprofeno.

O uso de anestésicos locais também podem ser uma alternativa para aliviar a dor causada pela inflamação gengival, porém esses também não eliminam a causa do problema. Podemos citar como exemplo a Benzocaína e a Xylocaína (lidocaína).

Qual o remédio caseiro para gengiva inflamada?

Qual o remédio caseiro para gengiva inflamada?

 

Caso a consulta com o odontologista tenha sido marcada, mas não seja imediata, é possível tomar algumas providenciar para aliviar os sintomas e auxiliar no controle da inflamação utilizando remédios caseiros.

O uso de remédio caseiro para gengiva inflamada poderão ser aliados no alívio da dor e do incômodo, mas destacamos, mais uma vez, que não são suficientemente eficazes na resolução da causa do problema.

Um dos métodos mais conhecidos para o tratamento de inflamações gengivais que circulam na internet é o uso da água oxigenada. Ela é conhecida por suas propriedades antissépticas, o que até poderia ser eficaz no tratamento.

Porém, a aplicação do produto nas gengivas em uma concentração desadequada pode levar ao agravamento do problema, podendo ocasionar lesões gengivais adicionais. Portanto, o uso da água oxigenada como um tratamento caseiro para a inflamação gengival não é recomendado.

Assim, confira alguns remédios caseiros que poderão realmente auxilia-lo no alívio dos sintomas da inflamação:

  1. Compressas quentes e frias
  2. Água e sal
  3. Açafrão da índia
  4. Aloe Vera
  5. Chá de camomila
  6.  Chá preto
  7. Gelo

Compressas quentes e frias

As compressas quentes ou frias podem ajudar a amenizar a inflamação e os sintomas da dor.

A compressa quente é uma ótima opção para relaxar a região e aumentar o fluxo sanguíneo, indicada para situações de infecções e inflamações. No entanto, em caso de febre, ela não deve ser usada.

Já a compressa fria tem o efeito contrário à quente, pois contrai os vasos sanguíneos e diminui o seu fluxo. Ela é indicada para o alívio da dor e também pode conferir efeito anestésico à região.

Independente da temperatura escolhida, a compressa deve ser utilizada com cuidado, a fim de não ferir a pele, pois deve ser usada pelo lado de fora da boca.

Tanto o frio como o calor podem conferir queimaduras à pele, assim é preciso prestar atenção quanto ao tempo deixado no local, sendo o ideal no máximo 15 minutos.

A aplicação pode ser refeita durante outros momentos do dia, conforme sentir necessidade. Deve também ser enrolada em um pano, a fim de amenizar a temperatura no local.

Água e sal

Outra opção de remédio caseiro para aliviar os sintomas de dor e inflamação é o bochecho com água morna e sal.

A temperatura da água morna auxilia a relaxar a região, enquanto que o sal, por sua vez, possui propriedades anti-inflamatórias e analgésicas.

Para fazer o bochecho, é necessário aquecer pelo menos 200mL de água, tomando cuidado para não esquentar demais.

Em seguida, adicione uma colher de sobremesa de sal e misture bem.

Antes de fazer o bochecho, confira a temperatura da água, uma queimadura pode piorar consideravelmente a condição da gengiva.

A seguir, faça o bochecho dando ênfase para as gengivas. Não é preciso prolongá-lo, apenas alguns segundos são necessários. Após cuspir o líquido, tomando cuidado para não ingerir, não é necessário enxaguar á boca.

Pode ser necessário repetir o bochecho ao menos 3 vezes ao dia.

O uso de uma pequena quantidade de bicarbonato de sódio durante a escovação também se assimila ao efeito do bochecho com água e sal e pode ser eficaz.

Açafrão da Índia

O chá de açafrão da Índia é outra recomendação de remédio caseiro para alívio dos sintomas relacionados à inflamação gengival.

Isso porque o açafrão da Índia é um anti-inflamatório natural, contendo um ingrediente conhecido como curcumina, que possui propriedades antioxidantes capaz de diminuir a dor e a inflamação local.

O benefício de uso é que ele também evita a proliferação das bactérias dentro da cavidade oral.

Para usá-lo misture um quarto de colher de chá de açafrão em pó a uma pequena quantidade de água, formando uma pasta.

Aplique a pasta suavemente sobre a gengiva, massageando-a. Deixe agir por cerca de 5 minutos, enxaguando em seguida.

Aloe Vera

Outro bom remédio caseiro para tratar o inchaço das gengivas e até mesmo seu sangramento é o aloe vera.

O aloe vera possui propriedades anti-inflamatórias e anti-bacterianas. Ele pode ser encontrado no mercado sob várias formulações.

Para usá-lo, ele deve ser puro e pode ser usado no formato de gel.

Aplique-o sobre as gengivas, fazendo massagens leves. Deixe agir por aluns minutos, durante pelo menos duas vezes ao dia.

Chá de Camomila

Bochechos e gargarejos com o chá de camomila também podem auxiliar no alívio da dor. Além disso, a camomila é uma erva fácil de ser encontrada, sendo uma opção bastante acessível para o tratamento caseiro.

Será preciso preparar um chá comum, fervendo um pouco da erva em água mineral. Em seguida, deixe o chá esfriar.

Com três colheres do chá já morno, quase frio, faça gargarejos ou bochechos com o líquido, durante duas vezes ao dia.

A camomila é uma erva capaz de amenizar dores, além auxiliar no processo de circulação sanguínea. A água em temperatura morna também ajudará a relaxar a região afetada.

Chá preto

Outro chá com propriedades anti-inflamatórias é o chá preto. Ele contém taninos, capazes de ajudar no combate às inflamações.

Além disso, as propriedades antioxidantes presentes no chá preto garantem a manutenção da saúde da cavidade oral.

Para utilizar o chá preto para tratar a inflamação, mergulhe um saquinho do chá em água fervente, por aproximadamente 3 minutos. Deixe o saquinho de chá esfriar até que esteja em uma temperatura tolerável ao ambiente bucal, sem deixar que esfrie totalmente.

Em seguida, aplique o saquinho sobre as gengivas por cerca de 15 minutos ou até que ele esfrie totalmente.

Para potencializar o tratamento, enxague a boca com uma solução de água morna e sal, como já ensinamos anteriormente, cuspindo o líquido em seguida.

A temperatura morna proporcionará o relaxamento da reunião dolorida, enquanto que as propriedades anti-inflamatórias do chá preto e do sal auxiliarão a desinflamar a gengiva.

Repita o processo quantas vezes achar necessário.

Gelo

Caso a dor gengival esteja muito intensa, o gelo pode ser um aliado para aliviá-la. Afinal, a aplicação do gelo pode ser um dos métodos mais tradicionais para diminuição da dor e do inchaço, mas é também um dos mais eficientes.

Isso se deve a temperatura do gelo que cria uma sensação anestésica na região afetada, diminuindo a dor.

A temperatura fria também provoca a contrição dos vasos sanguíneos da região, diminuindo a circulação de sangue.

O método de aplicação do gelo pode variar, sendo recomendado o uso do método mais confortável.

Assim, ele pode ser aplicado pelo lado de fora da boa, sobre a pele, embrulhando a pedra de gelo em um pano limpo, aplicando-o por cerca de 20 minutos na região afetadas.

Caso parecer mais adequado, outra alternativa é cortar a pedra de gelo em parte menores, colocando na boca pelo até que derreta.

Outros tratamentos para a inflamação na gengiva

Outros tratamentos para a inflamação na gengiva

Além dos tratamentos caseiros e medicamentosos, o tratamento no consultório odontológico é essencial para a cura da inflamação, especialmente quando ela causada pelas doenças periodontais.

Assim, no caso da gengivite ou da periodontite, o tratamento exige a eliminação da placa bacteriana, agente causador da infamação gengival, a fim de curar a inflamação por completo.

Para isso, o dentista realizará a profilaxia, conhecida como limpeza dental, que envolve a raspagem do biofilme e cálculo acumulado, além do alisamento e polimento da superfície dos dentes, evitando que a placa venha aderir facilmente de novo.

Além disso, a depender da causa da inflamação, o dentista também pode prescrever enxaguantes bucais e cremes dentais determinados para uma melhora no sangramento e dor.

A adição de vitaminas na alimentação também pode ser essencial no tratamento da inflamação gengival, quando esta é causada pela má nutrição. Afinal, quando o corpo possui deficiência de vitaminas, diversas regiões do corpo são afetadas, inclusive a região oral, facilitando a contração de infecções, inflamações e até doenças.

Quando o problema da inflamação está relacionado à outras causas, como atrito com a prótese e o tabagismo, as causas devem ser solucionadas para a cura da inflamação. Assim, a prótese deve ser melhor ajustada e o tabagismo deve ser abandonado, por exemplo.

Como faço para manter a gengiva saudável?

Outros tratamentos para a inflamação na gengiva

A melhor opção para contornar o problema da inflamação na gengiva é a prevenção. Ou seja, é essencial escovar os dentes adequadamente para a promoção da saúde bucal.

É necessária a atenção para o uso da escova de dentes sem movimentos muito bruscos e agressivos para não machucar a gengiva e não causar lesões mais severas.

A escovação deve acontecer todas as vezes depois das refeições, incluindo as horas depois do despertar e antes de dormir. Escovas com cerdas macias são recomendadas pelos dentistas.

É importante também o uso de fio dental pelo menos uma vez ao dia, já que ele é capaz de alcançar locais onde a escova não alcança, evitando o acúmulo de alimentos à margem gengival e o consequente desenvolvimento da placa bacteriana, sempre tendo o cuidado, no entanto, de não machucar a gengiva com o seu uso inadequado.

Creme dental e enxaguante bucal também são mecanismos para evitar que o paciente sofra com as gengivas sangrando. Eles devem ser usados de 2 a 3 vezes ao dia, e a prescrição irá variar dependendo do paciente.

A alimentação balanceada rica em vitamina K deve ser priorizada, com alimentos como espinafre, manjericão, rúcula e ameixas secas.

Além disso, alimentação deve ser com muita vitamina C (suco de laranja, kiwi, couve e brócolis). O paciente também deve consumir bastante água.

E as visitas regulares ao dentista são essenciais para que o profissional realize limpezas e faça recomendações para a higiene bucal do paciente. E qualquer mudança na boca deve ser comunicada, inclusive a gengiva inflamada.

Ramiro Murad
Ramiro Murad
Ramiro Murad Saad Neto, cirurgião-dentista com registro no Conselho Regional de Odontologia de São Paulo (CRO-SP) nº 118151, é graduado pela UNIC e residente em Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial Facial no Sindicato dos Odontologistas de São Paulo (SOESP - SP). Possui habilitação em Harmonização Orofacial e também é gestor de clínicas e franquias odontológicas. Além disso, é integrante da equipe Bucomaxilofacial da Clínica da Villa, que está na Rua Eça de Queiroz, 467 - Vila Mariana, São Paulo - SP.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sobre a Simpatio
Somos dedicados em criar conteúdo de qualidade e informativo. Nossa missão é informar pacientes, dentistas e clínicas provendo conteúdos altamente relevantes sobre odontologia e saúde bucal gratuitamente.
Agende uma consulta
Precisando de algum tipo de ajuda ou apoio relacionado a sua saúde ou estética bucal? Clique no botão abaixo!

Postagens Recentes

Receba Nossos Conteúdos

Preencha seu e-mail acima e receba conteúdos exclusivos gratuitamente!

Simpatio 2021 © - Todos os Direitos Reservados

As informações contidas neste site têm como objetivo único informar. A Simpatio tem o compromisso de estimular, e nunca substituir, as relações entre dentistas e pacientes. Sempre deixamos isso muito claro nos textos e na comunicação com nossos leitores. É fundamental que o paciente, ao notar qualquer alteração em sua saúde bucal, consulte seu dentista de confiança. Cada indivíduo requer um tratamento personalizado.

Os conteúdos da Simpatio são escritos por jornalistas e possuem a supervisão e a aprovação de dentistas e de profissionais de saúde parceiros.