Prótese dentária flexível acaba com efeito metalizado no sorriso

Share on facebook
Compartilhe
Share on twitter
Tweet Isso
Share on linkedin
Compartilhe

Ao analisar a anatomia da boca, podemos perceber vários elementos dentários. Mas quando um deles cai, seja pelo motivo que for, o paciente pode optar pelo uso de uma prótese dentária flexível para corrigir esse problema.

A prótese dentária flexível é uma das possibilidades de tratamento por meio das próteses, principalmente entre as removíveis, todavia, ela possui os seus prós e contras.

Prótese dentária flexível é o tipo de tratamento que atualmente garante um melhor efeito estético ao paciente, e isso se dá pela sua estrutura que não possui grampos metálicos.

Agora, se você deseja saber qual é o preço, quem pode colocar, quando esse tratamento é indicado, e quais são as possíveis vantagens e desvantagens, você está no local certo.

Neste artigo nós entraremos mais à fundo sobre este assunto.

Vamos lá?

O que é prótese dentária flexível?

Antes de começar a falar sobre esse tipo de tratamento, é necessário dizer que existem dois tipos dessa prótese específica, que são:

  • Prótese flexível superior;
  • Prótese flexível inferior.

E a diferença entre ambos, na verdade, se dá apenas na localização do aparelho na boca, afinal o objetivo desse tipo de tratamento odontológico continua sendo o mesmo.

Enquanto a primeira se encontra na arcada dentária localizada na parte de cima, a segunda se encontra na inferior.

Em outras palavras, é possível dizer que a primeira na lista acima serve como a reposição de dentes superiores, enquanto a segunda substitui dentes inferiores que estão faltando.

Mas quando falamos no que é esse tipo de prótese, é uma questão simples: ela nada mais é que uma forma de substituir alguns dentes que faltam na boca do paciente.

E essa falta, por sua vez, pode ser causada por queda, por traumas ou então por outros problemas que causam a queda dentária.

Normalmente ela é parcial, mas existem alguns estudos referentes à próteses totais flexíveis também. Mas até o momento, ainda não é nada conclusivo a respeito.

De toda maneira, normalmente ela é colocada como uma medida provisória e de transição em pacientes que necessitam do uso de uma prótese.

Sendo assim, o recomendado é que a pessoa visite o dentista pelo menos trimestralmente para analisar a condição atual e se já é o momento de aderir à fixa, que será definitiva.

Mas qual é o preço desse tipo de tratamento?

Agora, uma pergunta que pode ficar quando falamos sobre esse tipo de procedimento é: mas quanto custa a prótese flexível?

Para responder a essa questão, no entanto, é válido dizer que existe uma variação no preço conforme a região onde o paciente mora e também quanto ao profissional que realizará a sua confecção e aplicação.

Contudo, é válido ressaltar que o preço se encontra em uma média entre R$1.000 e R$1.500, podendo sofrer alterações para cima ou para baixo.

Mas esse valor mais salgado se dá principalmente pela dificuldade do procedimento de criação da prótese por parte do dentista.

Sendo assim, a nossa recomendação é que sejam procuradas clínicas credenciadas e especializadas para trabalhar com esse tipo de prótese, uma vez que não podem ser feitos remendos ou consertos.

E caso a confecção do produto não dê certo, a indicação é que ela seja refeita pelo profissional.

Como é feita a prótese dentária flexível?

Como é feita a prótese dentária flexível?

A função fundamental de uma prótese dentária é substituir dentes que foram perdidos, seja por traumas, infecções dentárias ou então outros eventuais problemas bucais.

Contudo, é válido ressaltar que normalmente o problema mais comum que torna necessário para o paciente realizar algum tratamento desse tipo é a perda dentária.

Mas a diferença da prótese flexível é que este produto é feito utilizando resinas termoplásticas, o que garante o caráter flexível do objeto e sua alta resistência.

Entretanto, como citamos anteriormente, esse tipo de produto requer um cuidado especial por parte do profissional que irá confeccioná-lo.

E isso se dá principalmente pelo ponto de que não é possível realizar quaisquer consertos se a dentadura quebrar.

Sendo assim, se esse for o caso do paciente, o aparelho precisará ser refeito pelo profissional que o confeccionou.

E qual é o procedimento de confecção da peça?

Uma vez dito tudo isso, confira agora como é feito esse tipo de prótese, que passa por um processo de cerca de 22 etapas, mas que iremos dividir em duas partes:

Primária

  1. Para começo, deve ser feita uma moldagem odontológica da boca do paciente no consultório odontológico;
  2. Análise da modelagem que foi feita e enviada pelo cirurgião-dentista;
  3. Confecção de uma chapa de prova em resina acrílica convencional e montagem dos dentes, feitos de acrílico também;
  4. Demarcação da linha do equador protético e áreas retentivas, com o auxílio de um delineador, este passo é de suma importância para que a peça seja bem encaixada à boca do paciente;
  5. Planejamento dos grampos vestibulares, cobrindo o mínimo da coroa dentária, sem esquecer da demarcação dos nichos oclusais e garantindo a estabilidade do aparelho e a saúde periodontal do paciente;
  6. Aliviar áreas retentivas dos dentes e mais visíveis da gengiva, por meio do uso de cera 7;
  7. Duplicação do modelo com alginato de boa qualidade, e deixar o modelo hidratando por cinco minutos enquanto prepara o alginato e passa-o sobre o modelo para evitar bolhas;
  8. Remoção do modelo original do alginato, com cuidado;
  9. Vazamento da duplicação com gesso pedra, utilizando um vibrador odontológico para evitar bolhas a formação de bolhas negativas;

Secundária

  1. Retirada do modelo duplicado e retire eventuais micro bolhas positivas com o auxílio de um instrumental;
  2. A moldagem será colocada sobre o modelo duplicado, verificando a adaptação e copiando o planejamento do modelo original;
  3. Vedamento da peça no modelo, com o auxílio de cera 7 bem fluída, um procedimento que evita a invasão de gesso por baixo da chapa de prova no momento da inclusão;
  4. Serão inseridos grampos de retenção, oposição e nichos oclusais, deixando a escultura lisa;
  5. Logo então será feita a remoção de possíveis retenções do modelo;
  6. Preparação de gesso pedra tipo 4 e coloque o molde sobre ele, retirando o excesso do material em água corrente utilizando um pincel;
  7. Após o gesso se unir ao molde, ele será isolado;
  8. O molde será fechado em uma mufla;
  9. O protesista fará uma fina barreira de silicone sobre os dentes do molde;
  10. A mufla será então fechada e parafusada, e o profissional fará ingestão de gesso pedra por todo o molde;
  11. Após o endurecimento do gesso, os parafusos devem ser retirados e a mufla deve ser colocada em água fervente;
  12. A cera deverá ser eliminada, retirando rebarbas e isolando as partes em gesso;
  13. Deixe então a peça resfriando em temperatura ambiente, e depois comece a dar o acabamento.

E é então somente após esse último procedimento que a prótese pode ser retirada da mufla e então ela estará pronta, conforme a moldagem primária feita pelo paciente.

Contudo, uma broca deve ser utilizada para retirar excessos, e logo após o produto deve ser polido.

Mas após feito o polimento, o profissional deverá analisar se a peça encaixa no molde.

E caso não ambos se adaptem bem, devem ser realizado alívios internos por meio de polimentos.

Vantagens da prótese dentária flexível

Vantagens da prótese dentária flexível

Podem ser elencadas três vantagens do uso de próteses flexíveis, que são:

  1. Possui um bom efeito estético;
  2. Auxilia implantes dentários;
  3. O material possui uma alta durabilidade.

Sendo assim, confira agora cada um dos benefícios das próteses dentárias flexíveis de maneira mais detalhada.

Efeito estético

Diferentemente da prótese dentária removível com grampos metálicos, a prótese flexível conta com grampos estéticos feitos de acordo com a cor dos dentes ou da gengiva.

Assim, é eliminado o efeito metálico que desagrada algumas pessoas na hora de sorrir devido aos grampos estéticos que esse tipo de prótese possui.

Fora isso, a ausência de metais possibilita que esse tipo de prótese dentária conte com elementos em cores mais próximas ao natural.

Então, pessoas com gengiva artificial são beneficiadas uma vez que o material é sem ligas metálicas, pois correm menos risco de acinzamento do tecido gengival.

Auxilio de implantes dentários

Durante o processo de colocação de um implante dentário, muitas vezes próteses dentárias são utilizadas como tratamento um provisório.

Nessas situações, o uso de prótese flexível vem se mostrando mais funcional e confortável para os pacientes.

Mas também pode ser colocada uma prótese dentária fixa sobre implantes, afinal ambos

Todavia, durante o processo de cicatrização de implantes dentários, é necessário que o paciente tome muito cuidado principalmente com a saúde bucal, para evitar eventuais complicações devido à colocação do implante.

Além disso, é válido ressaltar que também esse procedimento pode ajudar na perda óssea por meio de um enxerto ósseo, que nada mais é do que uma cirurgia que recria o osso perdido.

E essa perda óssea, por sua vez, pode acabar por acometer o osso alveolar, sendo este um dos sete possíveis tipos de reabsorção óssea.

Durabilidade da prótese flexível

A maior durabilidade desse tipo de prótese é uma de suas maiores vantagens.

Devido a resistência do material, quedas ou traumas dificilmente irão danificar a prótese.

Desse modo, o manuseio para higienização também é facilitado, uma vez que o paciente não sente receio de quebrar o objeto.

Contudo, é válido pontuar que normalmente uma prótese flexível dura entre um período de 3 a 5 anos.

Mas se houver eventuais quebras ou problemas durante esse intervalo de tempo, o paciente necessitará da confecção de uma nova peça.

E isso se dá uma vez em que ele não pode mais ficar sem a prótese caso não opte, ou não possa realizar, um implante dentário definitivo.

Desvantagens da prótese dentária flexível

Desvantagens da prótese dentária flexível

Mas apesar de ter benefícios, esse tipo de prótese mais flexível pode apresentar algumas desvantagens também.

E a principal delas está associada à dois fatores antes citados aqui: o preço relativamente alto, e a impossibilidade de realizar reparos.

Somados, esses fatores fazem com que o paciente precise refazer a prótese flexível periodicamente entre 3 e 5 anos, pagando pelo menos R$1.000 a cada vez que for refeito.

Mas também podemos elencar a baixa adaptação à prótese dentária flexível por parte do paciente, que também é um ponto negativo.

Contudo, isso se dá principalmente por ser comum que algumas pessoas demorem um tempo maior para se adaptar com o tipo de dispositivo.

Além disso, é comum que o paciente sinta dificuldades para realizar a função mastigatória devido à flexibilidade do material e também ao volume da estrutura.

Outros pontos negativos

E por outro lado, ainda podemos elencar:

  1. Baixo conforto, uma vez que esse tipo de prótese é difícil de inserir e retirar da boca, quando comparado à prótese com grampo metálico;
  2. Maior acúmulo de alimentos e aumento de bactérias na boca devido à maior porosidade do material, gerando problemas como o mau hálito e necessitando uma maior constância de limpezas da prótese;
  3. Perda de cor da base por puxar líquidos da boca, contendo bactéria e água junto, descolorindo a base e perdendo a flexibilidade da mesma;
  4. O dente de resina acrílica não gruda bem na base da prótese feita de resina termoplástica, não ocorrendo a osseointegração e deixando o dente estável;
  5. Menor eficácia do procedimento quando comparado à implantes dentários ou então à próteses dentárias fixas também.

E por fim, um dos riscos relacionados ao tipo de prótese é o desenvolvimento de algum trauma na gengiva ou então na região da mucosa.

Eles precisam ser muito bem observados pelo paciente e pelo dentista porque podem ter alguma ligação com o câncer de boca.

Quem pode usar a prótese dentária flexível?

Quem pode usar a prótese dentária flexível?

Mas agora, após elencadas as vantagens e desvantagens da prótese flexível, cabe dizer quando o seu uso é recomendado.

Sendo assim, é válido pontuar que a prótese flexível normalmente é indicada nos dois seguintes casos:

  • Para pessoas que perderam poucos dentes, sendo eles importantes para realizar a mastigação ou não;
  • Pessoas que não tenham colocado próteses anteriormente no mesmo local;
  • Pacientes que tenham, minimamente, quatro ou cinco dentes na boca, desde que estejam distribuídas de forma uniforme para que a prótese seja indicada de forma mais acertada.

Já nos casos de extração de um dente ou mais, o profissional deverá realizar a retirada total no local, deixando a gengiva sem quaisquer resquícios dentários.

Todavia, isso se dá para que não existam eventuais problemas com a adaptação do paciente com a prótese devido à pedaços do dente retirado.

E caso sejam sentidos eventuais problemas e complicações com relação ao encaixe da prótese, o recomendado é consultar o dentista o mais breve possível.

Agora, quando falamos em contraindicação, ela se dá para casos de pessoas que precisam repor um ou mais dentes da arcada dentária inferior, afinal o dispositivo protético limita a anatomia da região.

Contudo, a maior indicação para esse tipo de prótese é que ela seja utilizada apenas provisoriamente, enquanto o dentista realiza uma definitiva para poder ser colocada na arcada dentária do paciente.

Mas isso se dá pela possibilidade de que o uso desse tipo de aparelho cause uma retração gengival ou então a exposição da raiz dental por não oferecer suporte suficiente ao dente.

Qual profissional é capacitado para colocar as próteses?

Tanto um cirurgião-dentista quanto um dentista protesista podem realizar a colocação a também conhecida como PPR flexível no paciente que precisa.

Entretanto, é válido ressaltar que existe uma diferença entre o profissional protético e protesista.

Enquanto o primeiro confecciona é capacitado para confeccionar as próteses, o segundo é responsável apenas pela colocação no paciente.

De toda maneira, o profissional pode ser especializado em ambas as áreas sem nenhum problema.

Mas se for o caso de colocação de prótese após a extração dentária, o profissional que realizará o procedimento será ainda um desses dois citados, mas ele normalmente será indicado por um profissional da exodontia.

Contudo, será um profissional que possui conhecimento do sistema estomatognático, afinal alterações na estrutura bucal podem ocasionar outros problemas bucais, sejam eles ósseos ou não.

Qual a melhor prótese?

Qual a melhor prótese?

Antes de falarmos sobre qual é o melhor tipo de prótese para cada caso, vamos primeiro elencar quais são os possíveis tratamentos por meio da dentadura, como também é conhecida.

Acompanhe abaixo:

  • Prótese dentária fixa: é aplicada quando substituirá totalmente o dente que está faltando na boca do paciente;
  • Prótese dentária removível: também chamado de ponto removível, ou PPR, é o tipo de prótese que pode ser removida quando o paciente quiser;
  • Lentes de contato dental: um tipo de prótese classificado entre os chamados laminados cerâmicos, cobre a parte da frente dos dentes e serve para corrigir o formato e a cor do dente;
  • Prótese flexível unilateral: também conhecido como ponte móvel unilateral, ela nada mais é do que uma prótese como a citada anteriormente neste artigo, mas que apenas cobre um lado da arcada dentária;
  • Facetas de porcelana: materiais odontológicos estéticos que nada mais são do que finas próteses que são fixadas sobre a parte externa do dente, servindo como um revestimento;

No primeiro caso, é possível dizer que ela pode ser uma prótese dentária fixa em porcelana ou então uma prótese dentária de silicone.

A diferença entre os materiais gera uma influência principalmente na durabilidade do produto, uma vez que a porcelana é mais suscetível a quebras, enquanto a segunda é mais resistente.

E quanto mais resistente, melhor e maior será a durabilidade do produto, melhorando e otimizando o tempo de tratamento do paciente.

Mas além destes materiais, também é válido lembrar que existem os cerâmicos como a zircônia, por exemplo, que vem sendo cada vez mais utilizada devido à quesitos estéticos e também por causa da resistência que da substância.

Existe ainda uma diferenciação entre dois tipos de prótese, sendo eles:

  1. Unitária: quando cobre apenas um dente;
  2. Parcial: quando três ou mais dentes são cobertos.

De toda forma, normalmente quando é o caso do uso da fixa, ela é uma prótese total.

Essa, por sua vez, é uma condição na qual o paciente apresenta ausência de todos os dentes, seja da arcada superior ou inferior.

Mas afinal, qual é a melhor para o meu caso?

Contudo, é válido ressaltar que cada um dos tipos de prótese possui uma necessidade particular. De tal forma, não existe então uma prótese mais eficaz para todos os casos.

Entretanto, podemos dizer que existe então o aparelho mais eficaz para cada, quadro conforme o quadro do paciente em específico.

Mas apenas o profissional especializado nessa área poderá analisar o quadro de forma minuciosa.

E após esse diagnóstico, ele irá definir então qual o melhor tipo de tratamento que o paciente deverá ser submetido.

Outras recomendações

Todavia, nunca se esqueça: se caso você já realiza o tratamento por meio de prótese dentária e sentir algum desconforto, consulte o seu dentista.

Essa necessidade se dá para que o profissional fique ciente de todo e qualquer problema sentido pelo paciente para poder cuidar do caso.

Além é claro do acompanhamento odontológico que deve ser feito pelo dentista.

Dito isso, é válido pontuar que as consultas, no caso do uso de próteses dentárias, devem ser realizados pelo menos de três em três meses.

E também não podemos deixar de fora o ponto de que o paciente deve tomar inúmeros cuidados com a sua saúde bucal para evitar eventuais complicações.

Essas complicações, por sua vez, podem ser desde a queda dos dentes na prótese até a formação de cárie dental ou concentração de placa bacteriana.

De toda forma, independentemente de qual for o problema, ele irá atrapalhar o bom andamento do tratamento e o aumentar por tempo indeterminado.

Então todo cuidado para evitar complicações ainda é pouco, não é mesmo?

Mas isso não se encaixa apenas para casos de pacientes com próteses, mas sim para todos os pacientes.

Afinal, o sorriso é considerada a porta de entrada de uma pessoa, e tê-lo branco e bem cuidado é algo que tem sido cada vez mais buscado nos dias de hoje.

Então para garantir que isso seja alcançado, não se esqueça de escovar os dentes pelo menos três vezes ao dia, passar o fio dental diariamente e realizar o bochecho com enxaguante bucal.

Sendo assim, a nossa recomendação é que um dentista seja consultado para que ele analise a necessidade do uso de uma prótese dentária flexível, afinal é apenas após um diagnóstico que o procedimento pode ser iniciado.

Silmara Alves Rozo Ducatti
Silmara Alves Rozo Ducatti
Silmara Alves Rozo Ducatti é cirurgiã-dentista graduada pela Universidade do Oeste Paulista (UNOESTE) e especialista em Ortodontia pelo Sindicato dos Odontologistas de Mato Grosso do Sul (SIOMS). Possui registro no Conselho Regional de Odontologia de São Paulo (CRO-SP) nº 121811 e integra a equipe odontológica da RD Design Oral, que fica na Alameda Grajaú, 98 - sala 1207 - Alphaville, Barueri - SP.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sobre a Simpatio
Somos dedicados em criar conteúdo de qualidade e informativo. Nossa missão é informar pacientes, dentistas e clínicas provendo conteúdos altamente relevantes sobre odontologia e saúde bucal gratuitamente.
Agende uma consulta
Precisando de algum tipo de ajuda ou apoio relacionado a sua saúde ou estética bucal? Clique no botão abaixo!

Postagens Recentes

Receba Nossos Conteúdos

Preencha seu e-mail acima e receba conteúdos exclusivos gratuitamente!

Simpatio 2021 © - Todos os Direitos Reservados

As informações contidas neste site têm como objetivo único informar. A Simpatio tem o compromisso de estimular, e nunca substituir, as relações entre dentistas e pacientes. Sempre deixamos isso muito claro nos textos e na comunicação com nossos leitores. É fundamental que o paciente, ao notar qualquer alteração em sua saúde bucal, consulte seu dentista de confiança. Cada indivíduo requer um tratamento personalizado.

Os conteúdos da Simpatio são escritos por jornalistas e possuem a supervisão e a aprovação de dentistas e de profissionais de saúde parceiros.