Como abrir uma clínica odontológica?

Share on facebook
Compartilhe
Share on twitter
Tweet Isso
Share on linkedin
Compartilhe

Assim como no período de faculdade ter um kit acadêmico odontológico próprio era uma conquista, ter um consultório próprio é o sonho de muitos dentistas formados. Agora, imagine: ter sua própria clínica odontológica. Será que os trâmites e burocracias são complicados? Será que vale a pena investir?

Montar uma clínica odontológica requer diversos passos, que abrangem o planejamento, a escolha do local e a cotação de preços de equipamentos. Vale lembrar que o tamanho da clínica influencia muito nesses quesitos.

A clínica odontológica é uma espécie de consultório maior e mais equipado, onde atuam diversos especialistas de diferentes áreas. Pode ser que haja também um local acoplado com a finalidade de realizar exames.

Ao contrário do consultório, para abrir uma clínica odontológica é necessário ter CNPJ. Ou seja, é realmente preciso abrir uma empresa. No consultório, basta somente ser pessoa física.

Assim, se você procura saber quais são os primeiros passos para abrir e iniciar uma gestão de clínica odontológica, continue acompanhando esse artigo que preparamos especialmente para você.

Primeiros passos para abrir uma clínica de odontologia

Especialidades clínicas

Antes de dar início ao projeto, é necessário definir quais especialidades o local acomodará, será voltada à estética ou serviços básicos, por exemplo?

Não existe uma regra. O que deve ser levado em consideração no momento de montar a clínica odontológica é a diversidade. Quanto mais especializações, melhor.

Veja a seguir quais especializações sua clínica odontológica pode possuir:

  1. Odontopediatria
  2. Dentística
  3. Radiologia odontológica e imagiologia
  4. Endodontia
  5. Prótese dentária
  6. Implantodontia
  7. Ortopedia funcional dos maxilares
  8. Ortodontia
  9. Cirurgia e traumatologia buco maxilofacial
  10. Prótese buco maxilofacial
  11. Estomatologia
  12. Periodontia
  13. Saúde coletiva
  14. Patologia bucal
  15. Disfunção temporomandibular e dor orofacial
  16. Odontogeriatria
  17. Odontologia para pacientes especiais

Localização

O empreendedor também precisa saber escolher bem a localização. Portanto, é importante mapear o perfil de seu público alvo e obter as informações do local desejado.

Os aspectos demográficos do município, a renda per capita e os custos de instalação e manutenção também são primordiais para que o planejamento saia da melhor forma possível.

As atividades econômicas da maioria das cidades são regulamentadas pelo Plano Diretor Urbano (PDU). Devemos nos atentar aos seguintes pontos:

  • Se o imóvel está regularizado (Habite-se);
  • Se respeitam a Lei de Zoneamento do Município (alguns tipos de negócios podem não ser permitidos no bairro);
  • No caso que se refere à fachada e a placas de identificação, verificar o que a legislação da cidade diz sobre. Alguns letreiros, por exemplo, podem não ser permitidos;
  • Exigências da legislação local e do Corpo de Bombeiros Militar;
  • E se os pagamentos do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) referente ao imóvel estão em dia.

Outros pontos de atenção no momento da escolha de um imóvel onde é a clínica será instalada incluem;

  • Atenção à receitas e despesas estimadas, considerando custo do aluguel, prazo de contrato, reajustes e se há necessidade de reformas;
  • Verifique se o imóvel supre às necessidades operacionais da sua clínica, como capacidade de instalação, serviços de água, luz, esgoto, transporte, telefone etc;
  • Antes de escolher o bairro, verifique se a zona sofre com inundações ou está próxima a áreas de risco.

Estrutura da clínica

As clínicas odontológicas exigem maior rigorosidade quanto sua estrutura se comparada aos consultórios comuns.

Portanto, antes de alugar ou comprar um imóvel ou até mesmo construir sua clínica, é importante verificar a legislação vigente no que se refere à exigências que demandam um clínica.

Primeiramente, de acordo com a Resolução da Diretoria Colegiada (RCD) Anvisa nº 50/2002, é necessário que a clínica odontológica possua ambientes de apoio, tais quais:

  • Sala de espera com área mínima de 1,2 m² por pessoa;
  • Sanitário(s) para pacientes com área mínima de 1,6m²;
  • Central de Material Esterilizado (CME) com dois ambientes;
  • Depósito de Material de Limpeza (DML) com área mínima de 1,2 m² por pessoa;

Do mesmo modo, também deve possuir “ambientes sujos e limpos”, como:

  • Sala de lavagem e descontaminação de materiais com área mínima de 4,8 m² (contendo bancada, pia e guichê para a área limpa);
  • Sala de preparo/ esterilização/ estocagem de material com área mínima de 4,8 m² (contendo bancada para equipamentos de esterilização, armários para materiais e guichê para distribuição de materiais).

São opcionais:

  • Sanitários para funcionários com área mínima recomendada de 1,6 m²;
  • Copa com área mínima recomendada de 2,6 m²;
  • Sala administrativa com área mínima recomendada de 5,5 m² por pessoa;
  • Depósito de equipamentos e materiais.

Outras exigências estruturais

Uma clínica odontológica deve seguir os mais rigorosos padrões de higiene e organização.

Portanto, as outras exigências para manter sua clínica odontológica o mais completa, funcional e regular possível são:

  1. Ventilação com mecanismos para reduzir o nível de Unidades Formadoras de Colônias (UFC), como aparelhos esterilizadores de ar ou filtros especiais);
  2. Caso haja aparelho de ar condicionado, esse deve manter limpeza frequente, com troca de filtros a cada seis meses, além de manter o registro escrito;
  3. Qualquer abertura externa deve possuir medidas de segurança quanto a entrada de animais, como o uso de telas;
  4. O piso escolhido deve possuir textura lisa, lavável, impermeável e resistente à produtos de limpeza;
  5. Quanto às paredes, devem ser de alvenaria ou divisórias de cores claras, igualmente impermeáveis, laváveis e de material liso;
  6. O uso de cortinas de tecido é proibido. Assim, é preciso utilizar cortinas de material que permita a limpeza;
  7. Do mesmo modo, o uso de bancadas ou qualquer superfície de madeira e proibido. Os materiais dos móveis devem ser impermeáveis, de forma a permitir a desinfeção;
  8. Instalações elétricas e hidráulicas devem ser devidamente embutidas ou protegidas por calhas e caneletas, evitando o acúmulo de sujeira em sua extensão;
  9. Para evitar os focos de insalubridade, o ambiente clínico não deve conter plantas, aquários, quadros, sofás e outros similares;
  10. Os lavatórios devem possui água corrente da rede pública de uso exclusivo para higienização das mãos. O dispositivo do lavatório deve dispensar o contato com as mãos durante o fechamento. As toalhas devem ser de papel descartável não reciclado e o sabonete, líquido;
  11. A sala de espera deve contar com boa ventilação e aparato para manter os pacientes confortáveis e sentados, disponibilizando água potável, copo descartável e sanitários;
  12. A clínica também deve possuir vestiário para profissionais e auxiliares;

Quais são os documentos necessários para abrir um consultório odontológico?

Quais são os documentos necessários para abrir um consultório odontológico?

Além de outras tantas preocupações, montar seu próprio consultório odontológico também exige diversas burocracias. Isso mesmo! Para concluir esse feito com êxito são necessários inúmeros documentos, autorizações e também adequações do espaço escolhido.

Assim, para começar, o processo de abertura da clínica exige a análise e registro de órgãos públicos e também do Conselho Regional de Odontologia (CRO) da região.

Portanto, para facilitar todo esse processo é recomendado a ajuda de um profissional, como o contador, que poderá fornecer uma orientação adequada sobre obrigações comerciais, trabalhistas, tributárias, previdenciárias e fiscais.

Dessa forma, os passos a seguir são exigidos:

  1. Consulta da situação fiscal;
  2. Registro da empresa nos órgãos competentes;
  3. Verificação de compatibilidade da lei de zoneamento local com a atividade pretendida;
  4. Obtenção do alvará e licença sanitária.

Além disso, a clínica deve possuir:

  1. CRO, ou registro profissional do cirurgião-dentista;
  2. Cadastro na Vigilância Sanitária Municipal, com Alvará afixado em local visível;
  3. Cadastro na Prefeitura Municipal;
  4. ISSQN;
  5. Licença Ambiental.

Por fim, são necessários a apresentação de alguns documentos para abrir um consultório odontológico, tais quais:

  • Documentação na Junta Comercial;
  • CNPJ;
  • IPTU do imóvel;
  • Secretaria Estadual da Fazenda;
  • Cópia autenticada do RG e do CPF;
  • Outros documentos específicos de cada cidade.

Após a conclusão dos trâmites legais e burocracias, finalmente você estará preparado para seguir com os próximos passos rumo a sua clínica odontológica própria.

Quantos funcionários devo ter na clínica?

Quantos funcionários devo ter na clínica?

A quantidade de funcionários necessários em uma clínica odontológica depende muito de seu porte.

Assim, quanto mais alto, maior a necessidade de um número mais alto de profissionais capacitados.

Em uma clínica odontológica de estrutura simples é recomendado apenas a atuação do dentista especialista, recepcionista, instrumentador e funcionário para limpeza e serviços gerais.

Assim, esses quatro funcionários serão capazes de desempenhar as seguintes funções.

Especialista odontológico (que provavelmente é o próprio empreendedor):

Recepcionista:

  • Atendimento telefônico;
  • Orientações gerais do paciente;
  • Cobrança;
  • Conhecimento em software odontológico;
  • Agendamento de consultas e tratamentos;
  • Organização de arquivo e documentos;
  • Conhecimento dos procedimentos de convênio odontológico;

Instrumentador:

  • Gestão de equipamentos odontológicos e materiais de procedimentos;
  • Contatar fornecedores para pedido de materiais;
  • Auxiliar de consultório odontológico no geral;
  • Esterilização de materiais;

Serviços gerais:

  • Limpeza das áreas clínicas;

Uma estrutura mais completa pode exigir ainda profissionais como office-boys e um gerente especializado.

O cuidado com os profissionais que auxiliam no dia a dia da rotina de trabalho na clínica odontológica também deve ser prioridade do empreendedor. Dessa forma, é importante estar atento às exigências da legislação quanto à prevenção de acidentes, vacinação e outras medidas de segurança.

Como um empreendedor, é também importante garantir que os funcionários da clínica estejam em constante aprendizado, permitindo que o profissional amplie cada vez mais sua área de atuação.

Equipamentos para uma clínica odontológica

Equipamentos para uma clínica odontológica

Evidentemente, uma das preocupações ao montar consultório odontológico é a aquisição dos aparelhos necessários para a realização dos procedimentos clínicos.

Assim, confira a seguir a lista que preparamos com os principais equipamentos para clínica odontológica:

  • Cadeira odontológica;
  • Micromotor odontológico;
  • Mocho odontológico;
  • Aparelho de sucção;
  • Ultrassom odontológico;
  • Motor elétrico;
  • Fotopolimerizador;
  • Aparelho de polimerização de resinas;
  • Compressor odontológico;
  • Armário;
  • Negatoscópio;
  • Jato de bicarbonato;
  • Materiais descartáveis (toalha, luvas, etc.);
  • Pia;
  • Poltronas de espera;
  • Aparelho de raio X intra e extra oral;
  • Bebedouro e copos;
  • Mesa para a recepcionista;
  • Armário e material destinado à área de limpeza;
  • Para CME: Pia, autoclave, seladora, geladeira e armários.

Outra dica é, conforme suas pesquisas, criar sua própria lista de equipamentos odontológicos. Afinal, ter tudo anotado facilitará uma análise mais precisa e assertiva, além de avaliar aquilo que é realmente essencial para você.

Como fazer a decoração da clínica odontológica?

Como fazer a decoração da clínica odontológica?

Para além das preocupações com equipamentos para montar um consultório odontológico ou documentos necessários e funcionários, é preciso dar atenção ao visual desse ambiente.

Talvez uma das partes mais agradáveis na montagem da clínica odontológica seja a escolha dos móveis e decoração de forma geral, afinal, é são esses detalhes que darão identidade ao ambiente.

Contudo, é preciso estar atento às escolhas, já que nem todos os tipos de móveis e decorações são indicados para uma clínica.

Portanto, daremos algumas dicas que poderão te ajudar na hora de decorar a sua clínica, a fim de tornar o ambiente agradável, receptível e, sobretudo, adequado para os seus pacientes e funcionários.

Primeiramente, é preciso escolher a decoração conforme a estrutura recomendada para clínica, de acordo com o que já apresentamos no artigo.

Por exemplo, as cortinas não podem ser de tecidos e precisam ser laváveis, as superfícies não devem ser de madeira e, de igual modo, precisam ser higienizáveis e não é indicado o uso de plantas, aquários e outros objetos para evitar os focos de insalubridade, conforme já orientamos anteriormente.

Com isso em mente, o dentista terá mais claramente os critérios de escolha dos móveis e decoração do ambiente.

Em segundo lugar, é preciso olhar para os elementos que decorarão sua clínica com o objetivo de trazer conforto tanto para os pacientes e funcionários, quanto para você. Portanto, procure colocar sua personalidade em cada toque.

Cores

Na hora de escolher a cores da sua clínica, recomendamos optar pelas clores claras em maior intensidade, já que elas transmitem uma maior sensação de limpeza.

Entretanto, não é preciso se prender totalmente a isso, ao contrário, compor o ambiente com outras cores mais alegres, mesclando às claras, podem trazer maior conforto a sua clínica.

Você pode usar cores amadeiradas para trazer o conforto e modernidade. Outra boa opção é utilizar em pontos específicos (como estofados, objetos decorativos, lustres etc) as cores da sua marca, caso tenha uma.

Para sair do óbvio é possível utilizar nas paredes qualquer tipo de revestimento (estampado, texturizado, mármore, granito) desde que esse seja lavável. Aqui também é possível optar por cores mais alegres.

 Objetos decorativos

A utilização dos objetos decorativos podem trazer mais conforto à sua clínica, mas é recomendado que estes se concentrem nas áreas que não de atendimento ou procedimentos clínicos, como na recepção, por exemplo.

São boas opções o uso de esculturas, lustres, porcelanas etc. Elementos distrativos também podem compor a decoração da sua sala de espera, como televisores, revistas e aparelhos sonoros (desde que não atrapalhem a tranquilidade do ambiente).

Outra boa estratégia de decoração da clínica odontológica é o uso de espelhos para ampliar o espaço. Molduras bonitas também comporão um design moderno e agradável.

Da mesma forma, estantes de livros também podem trazer um ar de requinte, experientemente completar a estante com assuntos variados, e não apenas odontológicos/acadêmicos.

Não se esqueça de finalizar com uma iluminação adequada, que não deve ser fosca e nem criar sombras. Todavia, deve manter o ambiente suficientemente iluminado e agradável. Você pode optar pelas luzes de LED  e fluorescentes, além de poder contar com abajures bem localizados,

Finalmente, caso seja mais viável, consultar um designer de interiores pode ser uma boa solução, principalmente se você não leva muito jeito para a decoração.

Afinal, apesar de carregar sua identidade, é preciso agradar também aos pacientes e funcionários do local, pois a decoração é capaz de influenciar diretamente na opinião do público a respeito do serviço oferecido.

Como fazer marketing odontológico?

Como fazer marketing odontológico?

Certamente administrar a clínica odontológica não é uma tarefa fácil. Fazer com que esse negócio tenha sucesso, então… Nem se fala! É por isso que, para abrir um consultório odontológico é necessário se preocupar com certas estratégias para impulsionar o seu negócio.

Isso porque o mercado odontológico está cada vez mais concorrido e avançado, deixando as clínicas menos preparadas para trás, correndo sérios riscos de falência.

Com a estratégia empresarial correta a clínica poderá otimizar seus lucros e atrair mais e mais clientes. Essa estratégia é o marketing odontológico, plano que irá manter a imagem do dentista e da clínica atual e popular.

Para montar um bom plano de marketing você precisa:

  1. Definir o seu público-alvo (idade, renda, profissão, hobbies, metas);
  2. Apontar os pontos fortes e fracos da sua clínica e serviços, bem como o que é necessário para melhorá-los;
  3. Defina também quais são as oportunidades enxergadas, bem como as possíveis ameaças para o seu negócio;
  4. Esteja presente nas redes sociais. Analise qual é a melhor mídia para a prospecção de novos clientes;
  5. Faça network.
  6. Faça um orçamento para investir no seu plano odontológico, afinal ele pode significar o sucesso do seu negócio.
  7. Tenha em mente que nenhuma estratégia possui resultados imediatos.

Um bom plano de marketing exige paciência e tempo. Se bem realizado pode trazer muitos frutos ao seu negócio, por isso é tão importante para as clínicas e diversas outras empresas.

Por isso, se você se interessou e quer saber mais sobre o marketing odontológico, confira nossos outros artigos para saber como começar já!

Faça o gerenciamento de resíduos

Faça o gerenciamento de resíduos

Antes de abrir clínica odontológica, além de conhecer processos burocráticos e trâmites legais, é preciso saber não só sobre gerenciamento financeiro, administrativo ou contábil, é necessário conhecer a gestão da produção e descarte de resíduos da sua clínica.

Esse conhecimento, além de ser essencial e sustentável, também é vantajoso para a economia da clínica, já que, por meio do controle do descarte de lixo, é possível ter noção do consumo e produção de materiais. Assim, você poderá elaborar estratégias de economia para a sua clínica.

Além disso, o gerenciamento de resíduos cumpre um importante papel na biossegurança da sua clínica, de forma que os cuidados não terminam quando o lixo é recolhido.

Em síntese, aplicar o planejamento de gestão de produção e descarte de resíduos na clínica odontológica, significa ter o controle da quantidade de resíduos produzidos, coletados e descartados.

Vale ressaltar que muito desses resíduos odontológicos são considerados pelas regras da Anvisa como lixo do serviço de saúde. Portanto, esses resíduos devem ter descarte específico, conforme as regras do órgão.

Gerenciamento de resíduos na prática

Primeiramente, para facilitar esse gerenciamento, um importante passo é a organização dos materiais da clínica. A organização deve partir da classificação de cada um dos materiais, identificando-o e sinalizando qual é o descarte ideal para ele.

Você pode realizar essa organização com etiquetas ou planilhas. Apesar de parecer difícil no início, com o tempo, além de ser intuitivo, esse simples cuidado irá auxilia-lo não apenas na gestão dos resíduos mas na gestão dos próprios materiais e, consequentemente, trarão mais clareza à vários processos.

Após a classificação dos materiais, você será capaz de pensar no lixo que está produzindo, podendo até mesmo perceber que alguns dos gastos podem ser reduzidos.

Uma boa alternativa é a compra de embalagens maiores (com mais material em uma única unidade), economizando no preço (quando comprado em atacado) e na quantidade de plástico descartado, por exemplo.

É importante ter locais adequados para o descarte de materiais de risco, como resíduos biológicos. A criação de estrutura de separação desses lixos já é uma forma de gerenciá-los.

Elaborar metas e planos ajudarão em um gerenciamento de resíduos cada vez melhor, além de colaborar para um consumo mais consciente.

Custos para abrir uma clínica

Custos para abrir uma clínica

Os valores para abrir uma clínica odontológica variam. Aqui, daremos uma estimativa de quanto será gasto com aparelhos novos e com os custos operacionais para uma clínica pequena:

  1. Reforma e adaptação do imóvel e instalação de uma fachada simples: R$ 15 mil;
  2. Abertura da empresa: R$ 1,8 mil;
  3. Móveis e utensílios de escritório: R$ 5 mil;
  4. Equipamentos e materiais odontológicos: R$ 35 mil

TOTAL: R$ 56,8 mil

Por fim, a clínica odontológica precisa saber controlar muito bem seus gastos para evitar contratempos.

Existem dois tipos de despesas. São elas: as variáveis, que são as que variam de acordo com as consultas (por exemplo, materiais e insumos), e as fixas, os que permanecem constantes (salários, impostos e aluguel, por exemplo).

Portanto, é preciso estar preparo financeiramente para assumir a responsabilidade de construir sua própria clínica odontológica.

Depois de analisar cada um desses pontos com cautela, você estará pronto para planejar e abrir sua clínica odontológica. Não se esqueça de conferir nossos outros artigos que o ajudarão a estar informado e preparado para o dia a dia na clínica.

Ramiro Murad
Ramiro Murad
Ramiro Murad Saad Neto, cirurgião-dentista com registro no Conselho Regional de Odontologia de São Paulo (CRO-SP) nº 118151, é graduado pela UNIC e residente em Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial Facial no Sindicato dos Odontologistas de São Paulo (SOESP - SP). Possui habilitação em Harmonização Orofacial e também é gestor de clínicas e franquias odontológicas. Além disso, é integrante da equipe Bucomaxilofacial da Clínica da Villa, que está na Rua Eça de Queiroz, 467 - Vila Mariana, São Paulo - SP.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sobre a Simpatio
Somos dedicados em criar conteúdo de qualidade e informativo. Nossa missão é informar pacientes, dentistas e clínicas provendo conteúdos altamente relevantes sobre odontologia e saúde bucal gratuitamente.
Agende uma consulta
Precisando de algum tipo de ajuda ou apoio relacionado a sua saúde ou estética bucal? Clique no botão abaixo!

Postagens Recentes

Receba Nossos Conteúdos

Preencha seu e-mail acima e receba conteúdos exclusivos gratuitamente!

Simpatio 2021 © - Todos os Direitos Reservados

As informações contidas neste site têm como objetivo único informar. A Simpatio tem o compromisso de estimular, e nunca substituir, as relações entre dentistas e pacientes. Sempre deixamos isso muito claro nos textos e na comunicação com nossos leitores. É fundamental que o paciente, ao notar qualquer alteração em sua saúde bucal, consulte seu dentista de confiança. Cada indivíduo requer um tratamento personalizado.

Os conteúdos da Simpatio são escritos por jornalistas e possuem a supervisão e a aprovação de dentistas e de profissionais de saúde parceiros.