Como abrir uma clínica odontológica

Share on facebook
Compartilhe
Share on twitter
Tweet Isso
Share on linkedin
Compartilhe

Escolher local e qual o tamanho da sua equipe é o primeiro passo para montar uma clínica odontológica

Ter um consultório próprio é o sonho de muitos dentistas. Agora, imagine: ter sua própria clínica odontológica. Será que os trâmites e burocracias são complicados ? Será que vale a pena investir?

Montar uma clínica odontológica requer diversos passos, que abrangem o planejamento, a escolha do local e a cotação de preços de equipamentos. Vale lembrar que o tamanho da clínica influencia muito nesses quesitos.

Clínica odontológica é uma espécie de consultório maior e mais equipado, onde atuam diversos especialistas de diferentes áreas. Pode ser que haja também um local acoplado com a finalidade de realizar exames.

Ao contrário do consultório, para abrir uma clínica odontológica é necessário ter CNPJ. Ou seja, é realmente preciso abrir uma empresa. No consultório, basta somente ser pessoa física.

Primeiros passos para abrir uma clínica de odontologia

Antes de dar início ao projeto, é necessário definir quais especialidades o local acomodará. Não existe uma regra. O que deve ser levado em consideração  no momento de montar a clínica odontológica é a diversidade. Quanto mais especializações, melhor.

O empreendedor precisa saber escolher bem a localização. É importante mapear o perfil de seus clientes e obter as informações do local desejado.

Os aspectos demográficos do município, a renda per capita e os custos de instalação e manutenção também são primordiais para que o planejamento saia da melhor forma possível.

As atividades econômicas da maioria das cidades são regulamentadas pelo Plano Diretor Urbano (PDU). Devemos nos atentar aos seguintes pontos:

  • Se o imóvel está regularizado (Habite-se);
  • Se respeitam a Lei de Zoneamento do Município (alguns tipos de negócios podem não ser permitidos no bairro);
  • Se os pagamentos do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) referente ao imóvel estão em dia;
  • No caso que se refere à fachada e a placas de identificação, verificar o que a legislação da cidade diz sobre. Alguns letreiros, por exemplo, podem não ser permitidos;
  • Exigências da legislação local e do Corpo de Bombeiros Militar.

Quantos funcionários devo ter clínica?

Tirando os dentistas, em uma clínica odontológica é recomendado ter:

  • Gestão administrativa;
  • Gestão financeira;
  • Recursos humanos;
  • Contabilidade;
  • Funcionários da área de limpeza e serviços gerais;
  • Recepcionista;
  • Instrumentador.

Na legislação vigente, para que o negócio seja considerado uma clínica odontológica, ela ordena que uma estrutura mínima contenha.

É preciso ter no local: uma sala de espera, banheiro, área para estocagem de material de limpeza, central de material de esterilização (CME). Esta última deve ter dois ambientes, um para o material sujo e outro para o limpo.

Equipamentos para uma clínica odontológica

  • Cadeira odontológica;
  • Micromotor odontológico;
  • Aparelho de radiografia intra e extra-oral;
  • Aparelho de sucção;
  • Ultrassom;
  • Motor elétrico;
  • Fotopolimerizador;
  • Aparelho de polimerização de resinas;
  • Compressor;
  • Armário
  • Negatoscópio
  • Materiais descartáveis (toalha, luvas, etc.);
  • Pia;
  • Poltronas de espera;
  • Bebedouro e copos;
  • Mesa para a recepcionista;
  • Armário e material destinado à área de limpeza;
  • Para CME: Pia, autoclave, seladora, geladeira e armários.

Custos para abrir uma clínica

Os valores para abrir uma clínica odontológica variam. Aqui, daremos uma estimativa de quanto será gasto com aparelhos novos e com os custos operacionais para uma clínica pequena:

  1. Reforma e adaptação do imóvel e instalação de uma fachada simples: R$ 15 mil;
  2. Abertura da empresa: R$ 1,8 mil;
  3. Móveis e utensílios de escritório: R$ 5 mil;
  4. Equipamentos e materiais odontológicos: R$ 35 mil

TOTAL: R$ 56,8 mil

Por fim, a clínica odontológica precisa saber controlar muito bem seus gastos para evitar contratempos.

Existem dois tipos de despesas. São elas: as variáveis, que são as que variam de acordo com as consultas (por exemplo, materiais e insumos), e as fixas, os que permanecem constantes (salários, impostos e aluguel, por exemplo).

Depois de analisar cada um desses pontos, você estará pronto para abrir uma clínica odontológica.

Yara Barreto

Yara Barreto

Formada em Odontologia pela Universidade de São Paulo (2008). Aluna de iniciação científica Pibic/Unicid da Universidade de São Paulo. Em 2009, concluiu estágio clínico em Ortodontia no Instituto Vellini, e em 2010, curso de planejamento Ortodôntico na Universidade Metodista. Concluiu em 2014 sua especialização em ortodontia e atua com ortodontia digital. Dentista na Odontoclinic e responsável técnica da OdontoImage.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sobre a Simpatio

Somos dedicados em criar conteúdo de qualidade e informativo. Nossa missão é informar pacientes, dentistas e clínicas provendo conteúdos altamente relevantes sobre odontologia e saúde bucal gratuitamente.

Agende uma consulta

Precisando de algum tipo de ajuda ou apoio relacionado a sua saúde ou estética bucal? Clique no botão abaixo!

Postagens Recentes

Receba Nossos Conteúdos

Preencha seu e-mail acima e receba conteúdos exclusivos gratuitamente!

© All rights reserved

Simpatio 2018

As informações contidas neste site têm como objetivo único informar. A Simpatio tem o compromisso de estimular, e nunca substituir, as relações entre dentistas e pacientes. Sempre deixamos isso muito claro nos textos e na comunicação com nossos leitores. É fundamental que o paciente, ao notar qualquer alteração em sua saúde bucal, consulte seu dentista de confiança. Cada indivíduo requer um tratamento personalizado.