Importância do gerenciamento de resíduos na odontologia

Share on facebook
Compartilhe
Share on twitter
Tweet Isso
Share on linkedin
Compartilhe

O lixo da sua clínica não é inofensivo! O descarte correto de resíduos é dever do dentista

Quando falamos sobre a biossegurança na odontologia, destacamos a importância de manter seu consultório sempre limpo. No entanto, os cuidados não terminam quando você recolhe o lixo. É preciso fazer um gerenciamento de resíduos!

Não sabe o que é gerenciamento de resíduos? Calma! Vamos conversar sobre esse tema e explorar todos os detalhes que você precisa para aplicar com perfeição em seu consultório.

Gerenciamento de resíduos é o planejamento, implementação e gestão da produção e descarte de resíduos. Ou seja, quando o dentista aplica o gerenciamento na sua clínica, ele passa a ter controle do quanto de resíduos está sendo produzido, e como está sendo coletado e descartado.

É importante ressaltar que muito do lixo odontológico é considerado resíduo do serviço de saúde e, pelas regras da ANVISA, deve ter um descarte específico. Sendo assim, se atentar ao descarte dos seus materiais é uma regra nacional!

Quais as vantagens do gerenciamento de resíduos?

Ter o controle do seu lixo é mais vantajoso do que você imagina. A partir do momento que você passa a ter controle da produção e do descarte de resíduos, é possível controlar também seus gastos. Sim! Economia de dinheiro na certa.

Isso porque, conforme utilizamos e descartamos os materiais sem pensar sobre isso, podemos não nos dar conta do quanto lixo produzimos. E uma boa parte dele não é, de fato, necessária.

Ou seja, você pode traçar estratégias para diminuir seu consumo e produção desses materiais.

Além disso, você garante a saúde coletiva. Alguns materiais odontológicos oferecem risco de contágio para pessoas e para a natureza.

Além disso, o descarte correto e a reciclagem são medidas sustentáveis e importantes para a sociedade!

Como montar um plano de gerenciamento de resíduos?

gerenciamento-residuos-odontologicos

Para montar seu gerenciamento de resíduo odontológico você pode seguir três passos básicos que vão facilitar seu trabalho.

Pode parecer trabalhoso, mas apenas algumas medidas e dedicação inicial farão o trabalho acontecer e, com o tempo, ele ficará cada vez mais intuitivo e fácil de se aplicar.

Pense em como facilitar seu trabalho

Você deve ter imaginado: “mas eu tenho dezenas de materiais!”. Pois bem, é hora de organizá-los! A melhor maneira de ter controle sobre seus materiais é sabendo o que você tem!

Sempre que receber um material, você deve identificá-lo, classificá-lo e sinalizar qual descarte ele merece. Essas ações auxiliam na gestão de resíduos.

Essa parte pode dar um pouco de trabalho no início, mas será uma forma de você descobrir o que já tem em mãos – e isso pode gerar uma redução de gastos!

Entenda quem são os seus resíduos

Quando você classifica seus materiais e sinaliza seus descartes, é hora de pensar nos lixos que está produzindo. Você acredita que algum dos gastos pode ser reduzido?

Por exemplo, a compra de embalagens maiores, com mais itens dentro, pode economizar o número de plástico descartado.

Ao ir separando seus resíduos no descarte, você passa a notar quais materiais usa em excesso ou que não reutiliza (quando podem ser reutilizados, claro).

Seu consumo passa a ser mais consciente! E não deixe de anotar tudo isso e criar metas para esse consumo adequado.

Os materiais perigosos, que devem ser descartados assim que usados, como as seringas, luvas, máscaras e anestesias, precisam de atenção.

Tenha certeza de que você possui um local específico para esse descarte, que não deve se misturar com os lixos comuns!

Outros materiais de risco, como os restos infectantes, os resíduos biológicos, químicos e radiológicos também precisam de descarte imediato e específico!

Criar estruturas que separem esses lixos na sua sala já é uma forma de gerenciamento.

Há também os materiais que podem ser reciclados, como papel, plástico e vidro. Eles também devem ser separados e colocados em um local específico para o descarte correto.

Busque saber se seu bairro possui coleta seletiva e quando eles passam pela sua rua!

Tenha um plano de descarte

É mais simples do que parece. Afinal, você já faz isso na sua casa sem perceber. Como há três tipos de lixo diferentes – o comum, o reciclável e os de risco -, o ideal é que você tenha uma tabela ou calendário com tudo anotado.

É importante saber:

  • Os dias e horários que haverá coleta desses lixos na sua rua;
  • Quantas vezes por semana/dia esses lixos precisam ser retirados do consultório;
  • Todos os materiais que serão descartados, sua classificação e onde eles serão colocados no consultório após o uso.

Não se esqueça da comunicação com sua equipe. Eles também produzem e descartam lixo e devem estar cientes do gerenciamento de resíduos aplicado. Apenas com o esforço de todos o seu planejamento terá efeitos!

Yara Barreto

Yara Barreto

Formada em Odontologia pela Universidade de São Paulo (2008). Aluna de iniciação científica Pibic/Unicid da Universidade de São Paulo. Em 2009, concluiu estágio clínico em Ortodontia no Instituto Vellini, e em 2010, curso de planejamento Ortodôntico na Universidade Metodista. Concluiu em 2014 sua especialização em ortodontia e atua com ortodontia digital. Dentista na Odontoclinic e responsável técnica da OdontoImage.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sobre a Simpatio

Somos dedicados em criar conteúdo de qualidade e informativo. Nossa missão é informar pacientes, dentistas e clínicas provendo conteúdos altamente relevantes sobre odontologia e saúde bucal gratuitamente.

Agende uma consulta

Precisando de algum tipo de ajuda ou apoio relacionado a sua saúde ou estética bucal? Clique no botão abaixo!

Postagens Recentes

Receba Nossos Conteúdos

Preencha seu e-mail acima e receba conteúdos exclusivos gratuitamente!

© All rights reserved

Simpatio 2018

As informações contidas neste site têm como objetivo único informar. A Simpatio tem o compromisso de estimular, e nunca substituir, as relações entre dentistas e pacientes. Sempre deixamos isso muito claro nos textos e na comunicação com nossos leitores. É fundamental que o paciente, ao notar qualquer alteração em sua saúde bucal, consulte seu dentista de confiança. Cada indivíduo requer um tratamento personalizado.