Queilite: como tratar dessa doença e deixar os lábios saudáveis?

Share on facebook
Compartilhe
Share on twitter
Tweet Isso
Share on linkedin
Compartilhe

Uma inflamação oral é sempre algo que incomoda muito qualquer pessoa. E dentre elas existe a queilite, uma inflamação labial.

E por incrível que pareça, a queilite é um problema que pode ser considerado comum e até corriqueiro. Sendo assim, o cuidado com os lábios é sempre essencial!

Queilite é uma inflamação nos lábios que pode ter cinco formas diferentes de aparecer, e cada uma delas é causada por fatores diversos.

Essa doença é caracterizada principalmente pela aparição de fissuras no canto da boca. Contudo, as suas causas para isso podem ser as mais diversas.

Sendo assim, neste artigo nós abordaremos essa doença e falaremos um pouco sobre a importância do tratamento e também da prevenção.

Quais são os tipos de queilite?

Já foi dito aqui que existe mais de um tipo dessa doença, sendo assim cada uma das queilites possui especificidades próprias, bem como tratamentos e diagnósticos também.

Contudo, as formas na qual essa inflamação podem aparecer são:

  • Actínica;
  • Angular;
  • Queilite de contato
  • Esfoliativa;
  • Glandular;
  • Granulomatosa.

Mas que tal vermos mais a fundo sobre cada um dos tipos da doença? Confira conosco.

Actínica

Considerada como uma lesão pré-maligna, a queilite actínica pode ser considerada o pior tipo de manifestação da patologia uma vez que normalmente ela é a que normalmente evolui e se torna quadro de câncer.

Entretanto, é válido ressaltar que isso se dá apenas para os casos nos quais o paciente não fez o tratamento devido. Sendo assim, é extremamente recomendado que um médico seja consultado para cuidar desse problema.

Normalmente é mais comuns que homens de pele clara, acima dos 40 anos e que ficaram muito ao sol possuam essa forma da doença.

É mais comum de ser observada no lábio inferior, e normalmente faz com que o paciente perca a delimitação vermelha do lábio, dando a impressão de que a boca está borrada.

Conforme o tempo avança, é normal que a região do lábio comece a perder pele e se torne ressecada e áspera.

De tal maneira, podemos elencar a principal a alta exposição ao sol como principal causa dessa queilite actínica.

Angular

Também conhecida como boqueira, a queilite angular é o tipo mais comum da doença e é caracterizada por acometer os cantos da boca.

A sua causa é normalmente associada a fungos, bactérias, alterações na alimentação e alergias principalmente.

Contudo, o fator que mais pode ser elencado é a concentração de saliva no canto da boca, tendo em vista que o pH ácido da saliva causa danos a pele.

De tal forma, esse acúmulo possibilita que o machucado seja infectado, o que geralmente acontece pelo fungo Candida albicans.

Além disso, esse tipo da doença também pode aparecer em pessoas que começam a ter moleza nos músculos do rosto e até a perda de dentes.

Podem ser elencadas algumas situações consideradas como fatores de risco, e dentre elas se encontram:

  • Envelhecimento;
  • Perda de dentes;
  • Uso de dentaduras pouco familiarizadas;
  • Uso de aparelhos ortodônticos;
  • Quando o paciente possui candidíase oral;
  • Má higiene bucal, e consequentemente uma saúde bucal ruim;
  • Alergia a alguns produtos utilizados para realizar higienização bucal;
  • Problemas de pele que afetam os lábios;
  • Uso de alguns medicamentos e remédios que deixam boca e lábios ressecados;
  • Quando o paciente possui compulsão em lamber os lábios;
  • Consumo de alimentos que contêm muito açúcar;
  • Uso de corticoides.

Todavia, é válido ressaltar que esses elementos podem agir tanto separadamente quanto em conjunto.

Sendo assim, é necessário que o paciente procure um médico caso se encontre dentro de alguma dessas possíveis situações para evitar a proliferação desse tipo da doença.

Queilite de contato

A queilite de contato, por sua vez, é normalmente causada pela exposição do lábio à uma substância química na qual o paciente é alérgico.

Sendo assim, é normal que o paciente apresente a doença em contato com os seguintes produtos:

  • Batons;
  • Determinados alimentos;
  • Alguns medicamentos;
  • Pastas de dente;
  • Medicamentos para bochecho e gargarejo que agem diretamente na gengiva e mucosa bucal;
  • Alguns materiais utilizados em consultórios odontológicos;
  • Instrumentos musicais de sopro;
  • Canetas e outros objetos que normalmente são levados à boca.

E tendo isso em vista, é necessário que o paciente faça um acompanhamento médico para entender qual foi a razão que fez com que essa patologia surgisse para então poder fazer o tratamento adequado.

Esfoliativa

Queilite esfoliativa é um tipo no qual a enfermidade pode aparecer que nada mais é do que uma manifestação crônica da descamação dos lábios.

Em outras palavras, aqui é comum que os lábios fiquem perdendo camadas de pele constantemente.

Ela é mais comum em meninas e em mulheres jovens, mas pode acometer homens e mulheres em qualquer idade.

Além disso, também é comum que quando a pessoa apresenta esse tipo da doença, a espessura dos lábios aumente.

Como condições raras se encontram: salivação intensa, crostas nos lábios e lesões que possuem pus.

Contudo, essa doença pode se originar devido aos seguintes problemas:

  • Costume de morder os lábios;
  • Disfunção da tireoide;
  • Eczema idiopático, que é um tipo de dermatose no qual o paciente apresenta diversos tipos de lesões.

Todavia, esse tipo da patologia também pode ser causada por uma questão familiar, na qual algum parente do paciente possui também esse tipo de problema.

Por outro lado, esse tipo de manifestação da doença não é contagioso.

Glandular

Por sua vez, a queilite glandular é normalmente causada por causas genéticas, emocionais e também devido à doenças periodontais.

Todavia, ela pode ser dividida em três tipos:

  1. Simples;
  2. Superficial;
  3. Apostematosa profunda.

Para todos os casos, é mais comum que seja apresentada em indivíduos do sexo masculino.

Contudo, normalmente ela é uma inflamação rara nas glândulas salivares menores, e podem ser elencados os seguintes fatores como causas:

  • Tabaco;
  • Sífilis;
  • Má higienização bucal;
  • Hereditariedade.

Uma das formas de analisar a presença desse tipo de queilite é pelo aumento do volume e da queda do lábio inferior, contendo também pontos vermelhos que representam o orifício das glândulas salivares.

Também pode ser observada a saída de secreção com pus que, quando secam, formam crostas, que por sua vez deixam cicatrizes e problemas como aftas também.

Granulomatosa

Já a queilite granulomatosa, entretanto, é uma forma da síndrome de Melkersson-Rosenthal.

A causa desse tipo de problema ainda é desconhecido, contudo várias origens lhe foram atribuídas.

A sua manifestação se dá principalmente por um inchaço no lábio inferior ou superior que é, normalmente, indolor.

Esse edema também pode envolver a mucosa oral e outras áreas do rosto e até também no couro cabeludo.

Esse cisto, entretanto, se deve principalmente à um bloqueio dos vasos linfáticos.

Normalmente eles duram horas ou até dias, e podem aparecer de forma recorrente.

A primeiro momento, ele é discreto, mas começa a criar mais consistência a cada vez em que ele acontece novamente.

Como cada uma delas aparece e como diagnosticar?

Por se tratar de uma inflamação nos lábios, via de regra todas as formas que a doença aparece geram lesões no lábio.

Entretanto, podemos dizer também que um fator comum de todas elas é o desconforto e comprometimento estético que a doença causa nos lábios. 

Todavia, é válido relembrar o que já foi dito antes: cada uma delas possui especificidades únicas.

Sendo assim, podemos elencar algumas das diferenças sendo elas:

  • A actínica normalmente afeta o lábio inferior, deixando-o mais vermelho e com uma perda na demarcação da pele;
  • Já a angular causa inchaço, vermelhidão, perda da camada superior da pele e rachaduras no lábio;
  • A de contato normalmente acomete ambos os lábios e forma bolhas;
  • Agora, descamação e aumento na densidade dos lábios são características da esfoliativa.

Contudo, para a glandular e a granulomatosa não foram elencadas características próprias além do incômodo, lesões e da sensação de ardor.

O diagnóstico, por sua vez, depende de uma inspeção no local, tendo em vista que a aparência das lesões pode ser considerada bem característica da doença.

De toda forma, se o paciente descreve para o médico uma situação na qual originaram-se os sintomas, isso pode ajudar o profissional à chegar ao diagnóstico.

Existem casos em que o profissional pode pedir uma biópsia ou então uma análise laboratorial para descobrir qual a origem da inflamação.

Isso se dá principalmente pelo fato de que a queilite pode aparecer quando algo dentro do organismo não está correto.

Mas como tratar essa doença?

Como um tratamento geral, podem ser elencados cinco passos, sendo eles:

  1. Secar sempre os cantos da boca;
  2. Hidratar sempre os lábios;
  3. Evitar alimentos muito salgados ou ácidos;
  4. Aplicar pomadas que possuam óxido de zinco uma vez que esse composto trata de queimaduras e irritações;
  5. Melhorar a imunidade, cuidando principalmente do intestino, para que essa doença não volte.

Contudo, é válido lembrar que cada tipo de queilite requer um tratamento específico que depende principalmente de qual foi a causa da doença.

Sendo assim, para cuidar dessa doença por parte do médico precisa ser feito separadamente para cada paciente e com um foco em aliviar ou eliminar os sintomas e também o que os causa.

Todavia, seguem aqui alguns dos prováveis procedimentos que podem ser adotados nos quadros de aparição da doença:

  • Uso de cremes para remover o machucado;
  • Remoção por meio de cirurgia da lesão no lábio em casos mais graves;
  • Terapia fotodinâmica para eliminar as células maléficas e prevenir que novas fissuras surjam;
  • Aplicação de corticoides que possuam ação local (este, por sua vez só deve ser utilizado quando não houver infecção).

Existem também casos nos quais é necessário que o paciente faça psicoterapia para tratar de problemas como a ansiedade, sendo este uma possibilidade de causa da aparição.

Contudo, é necessário que seja feita uma avaliação prévia para que o médico possa descartar outros tipos de lesões que podem evoluir e se tornar câncer de boca.

Existe alguma forma de prevenir a aparição da queilite?

A prevenção, por sua vez, é algo que gira muito em torno principalmente do cuidado labial, sendo utilizados protetores solares labiais bem como hidratantes labiais também.

Mas além disso, podem ser elencadas outras formas de evitar a proliferação e desenvolvimento da doença. Veja:

Já para os tipos da doença em que ela aparece por meio de uma infecção, é aconselhado que seja feito o combate de micróbios, fungos e bactérias também.

É válido lembrar que é necessário sempre passar por um médico e fazer a análise do quadro em que a queilite se encontra para que o melhor tratamento possível seja feito e então se evite que o quadro acabe se deteriorando.

Ramiro Murad
Ramiro Murad
Ramiro Murad Saad Neto, cirurgião-dentista com registro no Conselho Regional de Odontologia de São Paulo (CRO-SP) nº 118151, é graduado pela UNIC e residente em Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial Facial no Sindicato dos Odontologistas de São Paulo (SOESP - SP). Possui habilitação em Harmonização Orofacial e também é gestor de clínicas e franquias odontológicas. Além disso, é integrante da equipe Bucomaxilofacial da Clínica da Villa, que está na Rua Eça de Queiroz, 467 - Vila Mariana, São Paulo - SP.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sobre a Simpatio
Somos dedicados em criar conteúdo de qualidade e informativo. Nossa missão é informar pacientes, dentistas e clínicas provendo conteúdos altamente relevantes sobre odontologia e saúde bucal gratuitamente.
Agende uma consulta
Precisando de algum tipo de ajuda ou apoio relacionado a sua saúde ou estética bucal? Clique no botão abaixo!

Postagens Recentes

Receba Nossos Conteúdos

Preencha seu e-mail acima e receba conteúdos exclusivos gratuitamente!

Simpatio 2021 © - Todos os Direitos Reservados

As informações contidas neste site têm como objetivo único informar. A Simpatio tem o compromisso de estimular, e nunca substituir, as relações entre dentistas e pacientes. Sempre deixamos isso muito claro nos textos e na comunicação com nossos leitores. É fundamental que o paciente, ao notar qualquer alteração em sua saúde bucal, consulte seu dentista de confiança. Cada indivíduo requer um tratamento personalizado.

Os conteúdos da Simpatio são escritos por jornalistas e possuem a supervisão e a aprovação de dentistas e de profissionais de saúde parceiros.