Odontogênese: etapas da formação dos dentes

Share on facebook
Compartilhe
Share on twitter
Tweet Isso
Share on linkedin
Compartilhe

Confira aqui tudo sobre as etapas da odontogênese e como cuidar dos dentes

Já parou para pensar em como nossos dentes são formados? Essa pode ser uma pergunta meio estranha e até incomum, mas ela é importante. E, para entender a resposta, precisamos estudar a odontogênese.

Primeiro, é preciso lembrar que os dentes se formam em dois estágios: a fase dos dentes decíduos e a fase dos dentes permanentes. E, as duas sequências dentárias passam pela odontogênese. Por isso ela é tão importante.

Odontogênese é o nome dado para o estágio de formação dos dentes. Eles são formados e desenvolvidos na região chamada de processo alveolar. Todos os 20 dentes de leite e os 32 dentes permanentes resultam dessa formação.

Importante: o processo alveolar corresponde a porção da maxila e da mandíbula. Com isso, a odontogênese está associada ao processo de formação dos dentes nesses ossos.

Se você ficou interessado no assunto fique ligado neste artigo. Isso porque vamos tirar todas as suas dúvidas e mostrar curiosidades sobre a odontogênese. Vamos começar?

  1. Quais São a Fases da Odontogênese?
  2. Principais Problemas Bucais Durante a Odontogênese
  3. Cronologia da Erupção dos Dentes
  4. Cuidado com os Dentes

Quais São a Fases da Odontogênese?

O processo de odontogênese é dividido em fases. Elas são:

  1. Lâmina dental
  2. Botão
  3. Capuz
  4. Campânula
  5. Coroa
  6. Raiz

A odontogênese dos dentes decíduos começa na gestação, enquanto a dos dentes permanentes inicia no primeiro ano de vida da criança.

Durante a vida uterina é formado o ectomesênquima, que é o tecido que interage com o epitélio oral para o início da odontogênese.

Agora, vamos conhecer mais sobre cada uma das fases da odontogênese!

Fase de Lâmina Dental

A fase de lâmina dental é a primeira no processo de formação dos dentes. Nessa fase, o tecido bucal começa a se preparar para a formação dos dentes. A lâmina dental é a primeira constatação da formação de um dente.

Ela se separa em duas lâminas vestibular, que dará origem ao fundo de sulco vestibular e a lâmina dentária, que dará origem ao elemento dentário.

Fase de Botão

A fase de botão também é chamada de fase de broto. Essa etapa é desenvolvida a partir da concentração de várias células prontas para o desenvolvimento dos elementos dentários.

Fase de Capuz

A fase de capuz é responsável pela formação de elementos importantes. É nessa fase que acontece a formação da papila dentária, do folículo dental e do órgão do esmalte-conjunto que se dá o nome de germe dental.

Por isso, é nessa fase que acontece o desenvolvimento do germe dental.

Fase de Campânula

Na fase de campânula acontece a separação do germe dental. Nessa fase, as células se dividem em 4 grupos:

  1. Epitélio externo do órgão do esmalte;
  2. Epitélio interno do órgão do esmalte;
  3. Estrato intermediário (participa na formação do dente); e
  4. Retículo estrelado.

As células formam a bainha radicular de Hertwig, que participa na formação da raiz do dente.

Fase de Coroa

A fase de coroa é o penúltimo estágio da formação dos dentes. Nelas ocorre a deposição da dentina e do esmalte dentário na coroa do dente que irá se desenvolver.

Fase da Raiz

A última fase de formação dos dentes é chamada de fase da raiz. É nela que, como o próprio nome sugere, acontece a formação da raiz radicular.

Além disso, é nessa fase que ocorre a erupção do dente. Assim, é nessa etapa que você finalmente consegue ver o seu dente nascendo e crescendo.

Por isso, pode começar a sorrir e mostrar seus dentes!

Principais Problemas Bucais Durante a Odontogênese

Durante formação dos dentes problemas bucais podem surgir

Durante o processo de odontogênese, alguns problemas bucais podem se manifestar. Isso acontece por causa de fatores genéticos, sistêmicos ou traumas.

Os profissionais da odontologia são responsáveis pelo tratamento das alterações.

Por isso, clínicos-gerais, ortodontistas, cirurgiões, implantodontistas e odontopediatras são alguns dos profissionais mais procurados nos casos de alterações.

Em alguns casos clínicos, o diagnóstico e tratamento é feito de forma multidisciplinar com outras áreas da saúde. Para você entender mais sobre os problemas, fizemos uma lista explicando cada um deles.

Confira a nossa lista e depois os detalhes sobre cada um deles:

  1. Anodontia
  2. Dentes Supranumerários
  3. Geminação
  4. Dentinogênese Imperfeita
  5. Microdontia
  6. Macrodontia
  7. Raízes Supranumerárias
  8. Hipoplasia de Esmalte
  9. Amelogênese Imperfeita
  10. Tumores Odontogênicos

Anodontia

A anodontia ou agenesia, representa uma anomalia que causa ausência de um ou mais dentes. Essa anomalia acontece, principalmente, no período de desenvolvimento do da lâmina dental.

Algumas das consequências da anodontia para a saúde bucal são:

  • Dentes desalinhados;
  • Dentes com posição incorreta;
  • Problemas na fala;
  • Dificuldade na hora da mastigação; e
  • Alterações na função respiratória.

Dentes Supranuméricos

Os dentes supranuméricos representam os dentes em excesso na arcada dentária. Isso acontece por causa das alterações no processo de formação dos dentes.

Na maioria dos casos, os dentes extranumerários estão ligados a fatores genéticos. Os riscos dos dentes supranuméricos para a saúde bucal são:

  • Impedem a erupção dos dentes permanentes;
  • Má oclusão;
  • Placa bacteriana;
  • Tártaro;
  • Doenças periodontais; e
  • Comprometem a estética.

Geminação

A geminação é a alteração que acontece na fase de desenvolvimento do germe dental. Ela resulta na formação incompleta de dois dentes.

Dentinogênese Imperfeita

A dentinogênese imperfeita é uma doença genética, que atinge o desenvolvimento dos dentes.

Ela causa mutações no gene sialofosfoproteína da dentina, que é responsável por codificar grande parte das proteínas não colagenosas.

A alteração nesse gene interfere indiretamente no metabolismo dessas proteínas. Dessa forma, ocorre a mudança na composição e a formação da dentina de diferentes maneiras.

Por isso, o dente sofre as variações clínicas e radiográficas.

Microdontia

A microdontia é uma disfunção que compromete a formação do dente. Essa condição faz com que os dentes se desenvolvem com tamanho inferior ao normal.

Dessa forma, o paciente apresenta dentes muito pequenos. E isso traz consequências para a saúde?

A resposta é sim: os dentes pequenos podem desencadear a aparição de diversos problemas na cavidade bucal, como o desalinhamento dos dentes e a posição incorreta.

Os dentes mais afetados pela disfunção são os incisivos laterais superiores e os terceiros molares.

Pelos dentes serem extremamente pequenos, os profissionais da odontologia chamam eles de dentes microdonicos ou microdões.

Macrodontia

A macrodontia é uma disfunção na formação do dente. Essa alteração faz com que o dente tenha um tamanho maior que o normal. Dessa forma, é possível ver a olho nu o tamanho anormal do dente.

Por ter um tamanho anormal, o dente com a macrodontia causa consequências para a saúde bucal. Isso porque o dente com a anomalia atinge o espaço dos outros dentes da arcada, por exemplo.

Assim, o paciente fica com os dentes desalinhados e na posição errada.

Raízes Supranumerárias

As raízes supranumerárias correspondem à alteração que desenvolve raízes em excesso. Isso acontece por causa de alterações no processo de formação dos dentes.

Curiosidade: as raízes podem se manifestar todos os dentes da arcada dentária.

Hipoplasia de esmalte

A hipoplasia do esmalte é uma doença que compromete a formação completa do esmalte do dente. Dessa forma, ele não se forma totalmente.

Importante: o esmalte é a estrutura dura e uma barreira que protege nossos dentes. Quando o paciente apresenta a hipoplasia, ele perde a barreira protetora e fica sujeito à muitas doenças e à perda do dente.

Os principais sintomas da hipoplasia do esmalte são:

  • Dificuldade ou atraso na fala;
  • Dentes apresentam manchas brancas ou acastanhadas;
  • Aparecimento de outras doenças bucais, como a cárie.

Amelogênese Imperfeita

A amelogênese imperfeita é uma alteração que compromete o esmalte dental. Ela tem origem hereditária e pode alterar tanto os dentes de leite como os dentes permanentes.

A amelogênese imperfeita pode causar vários tipos de má formação, por isso ela tem manifestações clínicas diferentes. Os principais sintomas dessa alteração são:

  • Sensibilidade nos dentes;
  • Dentes com a coloração amarelada;
  • Dentes ficam frágeis, por isso eles podem se lascar, rachar ou até quebrar com facilidade;
  • Dentição que apresenta tamanhos diferentes;
  • Dentes apresentam volumes ou formas diferentes.

Tumores Odontogênicos

Como em todo outro tecido do nosso corpo, tumores odontogênicos podem se desenvolver. Os principais cistos odontogênicos que podem se formar durante o período em que os dentes são formados são:

  1. Tumores do Epitélio Oral Odontogênico;
  2. Tumor Odontogênico Misto;
  3. Tumores do Ectomesênquima Odontogênico;
  4. Tumores do Epitélio Odontogênico;
  5. Ameloblastoma unicístico;
  6. Ameloblastoma periférico (extra-ósseo);
  7. Carcinoma Odontogênico de Células Claras;
  8. Tumor Odontogênico Adenomatóide;
  9. Tumor Odontogênico Epitelial Calcificante ou Tumor de Pindborg; e
  10. Tumor Odontogênico Escamoso.

Cronologia da Erupção dos Dentes

Erupção dentária: conheça a cronologia do nascimento dos dentes

Como já vimos, a odontogênese é responsável pela formação dos nossos dentes. Agora, você já parou para pensar qual é a cronologia de erupção dentária? Vamos entender mais sobre o assunto!

Os nossos dentes começam a nascer quando ainda somos bebês, já por volta dos seis meses de idade. E os mesmos começam a cair a partir dos seis anos de idade.

Os dentes desse período são considerados, portanto, a primeira dentição que temos. Você pode conhecer essa dentição como decídua ou dentes de leite.

É apenas aos 13 anos de idade, na maioria dos casos, que outros dentes pegam o espaço dos dentes decíduos e começam a nascer.

Esses são os dentes permanentes, que são considerados a segunda (e última) dentição que temos. Que tal agora conferir mais sobre a cronologia do nascimento dos dentes?

Dentição Decídua

Como já vimos, os dentes decíduos são considerados o primeiro conjunto dentário a existir na vida do ser humano – dentição decídua. No total, temos 20 dentinhos nesse período.

Quando ainda somos bebês, os primeiros dentes começam a aparecer por volta dos seis meses de idade.

Aos seis anos de idade todos os dentinhos já cresceram. Dessa forma, é a partir dessa idade que eles começam a cair.

Eles caem de forma natural e espontânea. Por isso, tente evitar que o seu pequeno arranque o dentinho da boca.

Importante: o processo de caída dos dentes continua até a adolescência.

Os dentes decíduos, que também são chamados os dentes de leite, são temporários. Essa denominação é usada porque eles começam a cair em uma fase da nossa vida.

Mas, se os dentes caem, por que nós os temos?

Os dentinhos de leite são responsáveis pela nossa fonética, mastigação e até respiração durante a fase infantil.

Além disso, eles têm como objetivo marcar as posições para o futuro conjunto dentário permanente, que é considerado bem mais forte.

O processo de troca é totalmente natural, por isso não há necessidade de pânico. A melhor forma de ajudar é manter a calma na hora que os dentinhos do seu pequeno começarem a cair.

Além disso, é ideal marcar consultas regulares com o dentista ou odontopediatra de confiança.

Dessa forma, o profissional consegue acompanhar todo o processo de dentição da criança. Com isso, é possível ver se a troca de dentes está ocorrendo de forma adequada e prevista.

Processo de Nascimento dos Dentes de Leite

O processo de erupção dentária na fase infantil acontece a partir de uma ordem natural.

Dessa forma, o nascimento dos dentinhos acontece da seguinte forma: os oito incisivos são os primeiros os primeiros dentes a nascerem.

Quatro incisivos ficam na arcada superior e quatro ficam na arcada inferior. A erupção de cada tipo de dente de leite acontece, normalmente, entre o 6º e 16º mês.

Depois do nascimento dos dentes incisivos, os caninos são os próximos a crescerem. Os quatro dentes caninos são divididos em dois na arcada superior e dois na arcada inferior.

Eles aparecem logo no mês seguinte do nascimento dos incisivos. O crescimento dos caninos vai até 22 meses.

Por fim, os molares nascem durante o 13º e 33º mês, ou seja, quando o seu pequeno tem de 1 a 3 anos. No total, são oito molares distribuídos em: quatro na arcada superior e quatro na arcada inferior.

Importante: o processo de nascimento muda de criança para criança. Por isso, a erupção dos dentinhos pode acontecer de forma mais antecipada ou até tardia.

Processo de Caída dos Dentes de Leite

Nós já conhecemos o nascimento dos dentes, mas e quando a dentição decídua começa a cair?

Normalmente, é a partir dos seis anos de idade que o processo de queda dos dentes começa a acontecer.

Como o processo não tem uma idade certa, muitas crianças já começam a apresentar alguns dentes caídos logo aos cinco anos de idade.

Durante os seis aos oito anos, os dentes incisivos começam a cair de forma natural. Os incisivos são os primeiros dentinhos de leite a cair. Em seguida são os dentes caninos, por volta dos dez ou doze anos de idade.

Os molares começam a cair no mesmo período dos caninos, ou seja, durante os dez ou doze anos. Todo os dentes de leite caem de forma rápida, fácil e natural.

Apesar do processo ser natural, muitas vezes as crianças podem ficar na expectativa de tirar o dentinho da boca. Com isso, elas ficam mexendo no dente para acelerar o processo.

Dessa forma, elas ficam empurrando os dentinhos com a língua ou ficam passando o dedo.

É importante que você oriente o seu pequeno a não fazer isso. Isso porque ao passar o dedo a criança pode passar microrganismos para a boquinha e causar alguma infecção.

Além disso, se ela passar a língua de forma muito agressiva, algum trauma pode surgir. Por isso, os dentistas recomendam esperar que o dente caia completamente sozinho.

Importante: assim como o processo de nascimento, o processo de caída também pode variar de criança para criança. Por isso, não se preocupe e procure pelas orientações do dentista ou odontopediatra.

Dentição Permanente

Assim que os dentinhos que compõem a dentição decídua começam a cair, os dentes permanentes já começar a crescer. Isso porque os permanentes são responsáveis por empurrar os de leite para fora da boca.

A partir da fase adolescente até a fase adulta os nossos dentes se desenvolvem. Desse modo, a nossa arcada dentária é formada no total por 32 dentes. A dentição permanente, portanto, classifica os dentes em:

  • Incisivos: apresentamos 4 incisivos superiores e 4 incisivos inferiores. Quando sorrimos esses dentes são os primeiros que vemos. Além disso, eles são caracterizados por serem chapados e afiados, tendo como finalidade a de cortar alimentos.
    Incisivo Superior Central;
    Superior Lateral;
    Incisivo Inferior Central: e
    Incisivo Inferior Lateral.
  • Caninos: nós temos 2 dentes caninos superiores e 2 dentes caninos inferiores. Eles são lembrados por serem pontiagudos e servem para rasgar alimentos.
    Dois Caninos Superiores; e
    Dois Caninos Inferiores.
  • Pré-molares: temos 8 dentes pré-molares. Eles se localizam entre os caninos e os molares. Além disso, eles têm como finalidade a de triturar os alimentos.
    Quatro Pré-Molares Superiores; e
    Quatro Pré-Molares Inferiores.
  • Molares: temos 8 dentes molares. Eles se localizam bem no fundo da nossa boca. São caracterizados por serem lisos e servem para triturar e mastigar os alimentos.
    Quatro Molares Superiores; e
    Quatro Molares Inferiores.
  • Sisos: algumas pessoas apresentam os dentes do siso, mas isso não é regra. No total, são 4 dentes, mas o crescimento varia de pessoa para pessoa.
    Dois Sisos Superiores; e
    Dois Sisos Inferiores.

Importante: os dentes do siso são os últimos a nascer e, por isso, muitas vezes os pacientes nem chegam a apresentar qualquer um dos sisos desenvolvidos.

Além disso, na maioria dos casos são extraídos por atrapalharem a posição dos outros dentes na boca.

Cuidado Com os Dentes

Desenvolvimento dos dentes exige cuidados com saúde bucal

Quando os nossos dentes já estão nascidos, nós devemos tomar cuidados essenciais para manter a saúde bucal. Mas, antes de conhecer mais sobre a higienização, vamos retomar informações fundamentais deste artigo:

  1. O que é a odontogênese?
    A odontogênese é o nome dado para o estágio de formação dos dentes. Eles são formados e desenvolvidos na região chamada de processo alveolar (porção da maxila e da mandíbula). Assim, todos os 20 dentes de leite e os 32 dentes permanentes são resultados dessa formação.
  2. Quais são as fases da odontogênese?
    O processo de odontogênese é dividido em fases. Eles são: lâmina dental, botão, capuz, campânula, coroa e raiz. Em cada fase há processos importantes para a formação do dente.
  3. Posso ter problemas durante a formação dos dentes?
    A resposta é sim. Os problemas estão relacionados a fatores genéticos, sistêmicos ou por traumas. Alguns exemplos de problemas que aparecem no processo de formação dos dentes são: tumores odontogênicos, dentes supranuméricos, raízes supranumerárias, hipoplasia do esmalte dental e amelogênese imperfeita.

Pronto! Vamos começar a última parte deste artigo que fala sobre a importância dos cuidados bucais.

Higienização Bucal

No processo de formação dos dentes, é necessário cuidados para a manutenção da saúde bucal. Dessa forma, o sorriso bonito e saudável é garantido e você evita algumas alterações bucais como:

  • Cárie;
  • Doença periodontal; e
  • Mau hálito.

Os profissionais recomendam ter uma rotina de higienização. Por isso, escove os dentes depois das refeições. O melhor horário é 30 minutos depois de comer.

Além disso, a escovação noturna, ou seja, antes de ir dormir, é essencial para manter a boca limpa à noite.

Importante: além dos dentes, lembre-se de escovar a língua. Você pode limpar com a própria escova ou com outras ferramentas, como o limpador de língua e raspador de língua.

Para a escovação, opte por escovas de cerdas macias ou extra-macias. Dessa forma, você evita traumas ou ferimentos na hora da escovação.

Utilizar o fio dental pelo menos uma vez ao dia é fundamental! Desse modo, passe o fio ao redor dos dentes e tire as impurezas da boca. Se o dentista recomendar, utilize enxaguantes bucais para completar a limpeza bucal.

A saúde dos dentes também é definida pela alimentação. Por isso, procure ter uma alimentação equilibrada e com bastante nutrientes e vitaminas.

Além disso, beber água é importante para preservar a saúde bucal. E, alguns hábitos devem ser evitados, como fumar e consumir bebidas alcoólicas.

E não se esqueça de sempre fazer visitas regulares, normalmente de 6 em 6 meses, ao seu dentista de confiança. Ele pode tirar todas as suas dúvidas sobre saúde e higiene bucal, além da odontogênese.

Valdir de Oliveira

Valdir de Oliveira

Cirurgião-dentista graduado em Odontologia pela Universidade de Santo Amaro (UNISA). Pós-graduado em Ortodontia e Ortopedia dos Maxilares pela Sboom. Com especialização e mestrado em Implantodontia, habilitação em Harmonização Orofacial e Anatomia da Face. Professor nas áreas de Cirurgia Bucomaxilo Facial e Harmonização Orofacial. Voluntário há mais de 20 anos na Agência Adventista de Desenvolvimento e Recursos Assistenciais - ADRA Brasil.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sobre a Simpatio

Somos dedicados em criar conteúdo de qualidade e informativo. Nossa missão é informar pacientes, dentistas e clínicas provendo conteúdos altamente relevantes sobre odontologia e saúde bucal gratuitamente.

Agende uma consulta

Precisando de algum tipo de ajuda ou apoio relacionado a sua saúde ou estética bucal? Clique no botão abaixo!

Postagens Recentes

Receba Nossos Conteúdos

Preencha seu e-mail acima e receba conteúdos exclusivos gratuitamente!

© All rights reserved

Simpatio 2020

As informações contidas neste site têm como objetivo único informar. A Simpatio tem o compromisso de estimular, e nunca substituir, as relações entre dentistas e pacientes. Sempre deixamos isso muito claro nos textos e na comunicação com nossos leitores. É fundamental que o paciente, ao notar qualquer alteração em sua saúde bucal, consulte seu dentista de confiança. Cada indivíduo requer um tratamento personalizado.