Conheça a candidíase oral e como funciona o tratamento

Share on facebook
Compartilhe
Share on twitter
Tweet Isso
Share on linkedin
Compartilhe

O nosso sorriso é muito importante e chama a atenção de diversas pessoas. Por isso, quando uma alteração bucal, como a candidíase oral, se manifesta, é comum que busquemos pela orientação de um profissional.

Na maioria dos casos, a candidíase oral é percebida pelo próprio paciente. No entanto, é preciso lembrar que o diagnóstico correto e o tratamento devem ser indicados pelo médico ou dentista.

Candidíase oral, popularmente conhecida como sapinho, é uma infecção causada pelo acúmulo do fungo Candida, principalmente pelo Candida Albicans.

Os lugares mais recorrentes do desenvolvimento da candidíase são: região interna da boca e mucosa da língua.

Apesar do nome assustador, ela é curável e seus tratamentos são simples. Curiosidade: as crianças pequenas e os idosos são os mais suscetíveis ao desenvolverem da infecção por causa da baixa imunidade.

Mas fique atento! O fungo já habita o nosso organismo. Por isso, a candidíase pode aparecer em qualquer pessoa. A diferença é que ela é impulsionada com a baixa imunidade. Ainda, pode ser transmitida de pessoa para pessoa.

Se você ficou interessado pelo assunto, então fique ligado neste artigo!

Vamos tirar todas as suas dúvidas e curiosidades sobre a candidíase oral. Vamos começar!

  1. Quais São os Sintomas da Candidíase?
  2. O Que Causa a Candidíase Oral?
  3. Fatores de Risco Para a Candidíase Oral
  4. Como Acontece a Transmissão da Doença?
  5. Diagnóstico da Candidíase Oral
  6. Tratamentos Eficazes Para o “Sapinho”
  7. Fique Atento ao Que Comer!
  8. Prevenção da Candidíase

Quais São os Sintomas da Candidíase?

A infecção fúngica não passa despercebida nas pessoas. Ela traz sintomas que podem atrapalhar as atividades diárias do paciente. Além disso, ela se torna completamente visível a medida que vai evoluindo.

Dentre os sintomas de candidíase oral estão:

  • Dificuldade de engolir;
  • Manchas brancas ou lesões brancas (leucoplasia) nos elementos da cavidade bucal;
  • Vermelhidão;
  • Ardência;
  • Diferença no paladar;
  • Pequenas rachaduras;
  • Dor na boca;
  • Mau hálito; e
  • Secura na boca.

Assim que você notar qualquer um dos sintomas, é ideal que você procure por uma orientação profissional.

Dessa forma, ele consegue confirmar as suspeitas da manifestação do sapinho. Com isso, ele consegue estabelecer tratamentos eficazes e adequados para o seu quadro clínico.

O Que Causa a Candidíase Oral?

Criança fazendo careta e com a língua de fora - Conheça a candidíase oral e como funciona o tratamento

A candidíase bucal, como já vimos, é causada pelo acúmulo do fungo Candida, principalmente pelo Candida Albicans. O resultado da infecção é impulsionado pelo enfraquecimento do sistema imunológico.

E, o que causa a baixa imunidade? Bom, na maioria dos casos, os pacientes com a candidíase sofreram a baixa na imunidade por conta do tabagismo.

Outros causadores são: uso recorrente de corticosteroides, má higienização da dentadura, uso de medicamentos antibióticos e uso de imunossupressores.

Além disso, a má higiene oral também é um causador do sapinho. Por isso, você deve ficar atento para cuidados com a sua saúde bucal!

Ainda, os pacientes no meio de tratamentos de quimioterapia, soropositivos, idosos, crianças e pessoas com diabetes, entram no grupo de risco.

Fatores de Risco Para a Candidíase Oral

Mulher com a mão no queixo com cara de entediada - Conheça a candidíase oral e como funciona o tratamento

As causas do sapinho e os fatores de risco são questões muito próximas e que se relacionam. Nós já vimos sobre as causas, por isso agora vamos falar um pouco mais dos fatores de risco.

Um dos principais fatores de risco para os quadros de candidíase é a infecção pelo vírus da HIV (imunodeficiência humana). Pacientes com HIV podem ter o sistema imunológico abalado e acabar por manifestar o sapinho.

Além disso, outros fatores de risco incluem: gravidez, má nutrição, xerostomia (boca seca ou hipossalivação), quadros de doenças malignas em estado avançado. Todos eles influenciam na imunidade dos pacientes.

Por fim, os fatores de risco também estão ligados com problemas de higienização. Dessa forma, pacientes com dentaduras e próteses mal higienizadas tendem a ter o acúmulo de microrganismos.

Com isso, o sapinho pode aparecer.

Como Acontece a Transmissão da Doença?

Homem assoando o nariz - Conheça a candidíase oral e como funciona o tratamento

A primeira informação que devemos saber é que a candidíase é transmissível. Os pacientes podem acabar por transmitir a infecção da candidíase por meio do contato.

Dessa forma, beijos e contato íntimo são exemplos de como ela é transmitida.

Diagnóstico da Candidíase Oral

Laboratório de coleta de exames - Conheça a candidíase oral e como funciona o tratamento

Assim que o paciente notar os sintomas do sapinho, ele deve procurar pela orientação do profissional. É durante a consulta que o dentista consegue confirmar a suspeita e declarar o diagnóstico.

Em resumo, o diagnóstico serve para identificar e tratar a candidíase oral. Mas como o diagnóstico é realizado? Bom, a resposta é simples: por meio de exames.

O primeiro exame a ser realizado é o baseado no exame clínico. Este exame é dividido em: anamnese e exame físico. Durante cada etapa, o profissional analisa os sintomas e a cavidade bucal para chegar a conclusão do diagnóstico.

Devemos saber que o exame clínico é realizado no próprio consultório do profissional da odontologia, durante o atendimento. Vamos conhecer mais um pouquinho sobre cada etapa.

Anamnese

É por meio da anamnese que o profissional consegue avaliar o histórico odontológico do paciente. Além disso, anamnese serve como uma espécie de entrevista. Mas como assim?

Então, o profissional faz algumas perguntas para o paciente para tentar ter mais conhecimento dos sintomas.

Algumas das perguntas que podem ser realizadas durante a confirmação do diagnóstico do sapinho são:

  1. Há quanto tempo você notou os sintomas se manifestarem?
  2. Quais são os sintomas que você percebeu?
  3. Você tem o costume de fumar?
  4. Como é feita a sua higienização bucal?
  5. Você toma algum tipo de medicamento?
  6. Você tem diabetes?
  7. Passou por algum processo de quimioterapia ou radioterapia recentemente?

Exame Físico

Assim que o processo de anamnese é terminado, o profissional começa a etapa do exame físico. Com isso, o dentista analisa toda a cavidade bucal, em especial o local com a infecção fúngica.

É por meio de técnicas de semiotécnica que o cirurgião-dentista consegue uma avaliação precisa e cuidadosa. As principais manobras usadas pelos dentistas nos pacientes são:

  1. Inspeção: essa técnica se baseia na visão do dentista. Assim, o profissional analisa os detalhes dos elementos bucais. Como auxílio durante a inspeção, o profissional utiliza os chamados espelhos de dentistas;
  2. Palpação: como o próprio nome sugere, o profissional utiliza as mãos. Com isso, a partir do tato ele avalia a textura, consistência e elasticidade de todos os elementos bucais;
  3. Percussão: o profissional realiza pequenas e leves batidas com os dedos no interior da cavidade bucal. Assim, o profissional pode identificar quais vibrações que estão alteradas;
  4. Auscultação: o profissional segue o mesmo método da manobra de percussão. A diferença é que aqui há adição do uso de aparelhos odontológicos; e
  5. Olfação: o dentista identifica quais cheiros anormais estão saindo da cavidade bucal. Isso é feito por meio do olfato.

Assim que o profissional realizar todas as etapas do exame clínico, ele consegue concluir o diagnóstico. Se o dentista de fato notar que o paciente apresenta o sapinho ele já começa a planejar o melhor tratamento.

Importante: o tratamento da candidíase é indicado a partir da avaliação do quadro clínico. Dessa forma, o profissional indica métodos de tratamentos mais adequados para cada paciente.

Tratamentos Eficazes Para o “Sapinho”

Duas bochechas encostadas com a imagem focando nas bocas - Conheça a candidíase oral e como funciona o tratamento

Não é recomendável que o paciente tente “raspar” as lesões e manchas da boca. Isso porque pode causar sangramentos e feridas ainda mais agressivas.

Assim que você notar sintomas parecidos com a da candidíase, vá até um profissional (clínico geral, cirurgião-dentista ou até um estomalogista). Ele pode indicar procedimentos eficientes para tratar a infecção.

A escovação é o método mais eficaz. O uso de escovas com cerdas macias deve ser feito depois de acordar, após as refeições e antes de dormir.

Ainda, nos casos mais graves, o dentista pode indicar alguns antifúngicos orais, como o clotrimazole ou os quais vamos comentar mais adiante.

Curiosidade: o miconazol e o violeta de genciana são alguns exemplos de medicamentos indicados para a candidíase vaginal (causada pelo Candida sp.).

Quando não tratamos a candidíase, ela pode se tornar mais grave. A infecção pode atingir o esôfago (esofagite), o que causa dores mais intensas, dificuldade para engolir mais acentuada e rouquidão.

Por isso, é ideal que você mantenha em dia as suas visitas com o seu dentista de confiança! Além disso, assim que reparar nos sintomas procure pela orientação do profissional.

Agora, algumas alternativas de tratamentos também são indicadas pelos profissionais. As principais são:

  • Itraconazol;
  • Fluconazol;
  • Nistatina; e
  • Mentha piperita.

Elas se dividem em medicamentos antifúngicos e óleos. Para você conhecer mais um pouco sobre cada método alternativo, fizemos uma lista. Vamos conferir!

Itraconazol

O itraconazol é um medicamento que pertence à classe dos antifúngicos utilizados na odontologia.

A sua principal atuação é matar o fungo que causou a doença. Dessa forma, as lesões e outras alterações que também se manifestam em consequência da doença também vão desaparecendo depois de algumas semanas.

Na maioria dos casos, os profissionais indicam esse medicamento para o tratamento de candidíase na boca. O fármaco antifúngico é administrado por via oral, como uma cápsula de 100 mg por dia.

Os profissionais indicam que o medicamento deve ser tomado em conjunto com alguma refeição.

Mas por que isso? Esse hábito garante que o conteúdo do comprimido será absorvido com maior potência pelo nosso organismo.

Muitas pessoas perguntam se podem cortar o comprimido no meio.

Apesar de ser uma atitude comum, ela não é ideal. Por isso, tome o medicamento por inteiro. Lembre-se: pegue um copo de água para facilitar na hora de engolir o comprimido.

O tratamento, na maioria dos casos, dura por cerca de 15 dias. Durante a consulta o profissional falará o tempo preciso do tratamento. Dica: para não esquecer, mantenha a receita do medicamento em mãos.

Agora, atenção: o fármaco antifúngico não é indicado para pacientes que apresentam alergias aos componentes do medicamento. Além disso, pacientes gestantes ou em período de lactação não são indicadas para tomar este remédio oral para candidíase.

O itraconazol é encontrado nas farmácias por volta de R$60,00 e R$110,00. Por isso, o medicamento é vendido em uma média de R$85,00. Fique ligado para encontrar os melhores preços em lugares confiáveis e seguros.

Fluconazol

O fluconazol também é um medicamento antifúngico. Ele é aplicado a partir da medicação intravenosa, oral ou tópica. O medicamento antifúngico é um dos indicados para o tratamento do sapinho.

No entanto, ele não é recomendado para os seguintes quadros clínicos:

  • Gravidez;
  • Pacientes lactantes;
  • com problemas cardíacos, nos rins ou no fígado;
  • Pacientes com HIV; e
  • Pacientes com sensibilidade ou alergia a algum dos componentes do medicamento.

Além disso, é preciso lembrar que é ideal ter uma prescrição de um médico ou cirurgião-dentista.

Com isso, você tem certeza de como o tratamento deve ser procedido. Isso em questão de dose e duração do tratamento, por exemplo.

Nistatina

A nistatina também entra na lista dos medicamentos antifúngicos sistêmicos. Ela é aplicada a partir da suspensão oral. Além disso, está indicada para o tratamento da candidíase, em especial.

No entanto, também pode ser recomendada para quadros clínicos que manifestam outras infecções fúngicas, bem como casos de problemas de esofagite.

Agora, é preciso ficar atento também para as contraindicações do fármaco.

Dessa forma, os pacientes que apresentam alergia ou hipossensibilidade a qualquer um dos componentes da fórmula deste remédio para candidíase oral devem evitá-lo.

Como tomar a nistatina?

Na hora de ir tomar o medicamento, o paciente precisar ter alguns cuidados básicos. Por isso, antes de tomar o antifúngico você deve fazer a higienização da cavidade bucal.

Por isso, escova os dentes e passe o fio dental. Dica: use escovas com cerdas macias ou extra macias. Assim que você terminar a limpeza oral, se prepare para tomar o medicamento!

Mas e como devo tomar? Bom, como já vimos, a nistatina é tomada por meio de suspensão oral. Por isso, você deve realizar bochechos para conseguir que ela entre em ação.

Dessa forma, faça o bochecho e passe alguns minutinhos com o conteúdo na boca.

O bochecho realizado de forma adequada garante que o fármaco antifúngico entre em ação de forma mais potente e consiga manter contato com a área afetada pelos fungos.

Depois de alguns minutos, você engole todo a substância. Na maioria dos casos, os pacientes precisam realizar esse processo quatro vezes por dia. Importante: cada dose deste remédio para candidíase na boca varia entre 1 e 6 mL.

No entanto, é preciso lembrar que o profissional indicará a dosagem correta.

Além disso, o paciente precisa ficar atento durante o período após o uso do medicamento. Isso porque um dos componentes da nistatina é a sacarose, que é açúcar.

Esse açúcar pode aumentar os riscos de aparecimento de cárie. Por esse motivo, o paciente deve realizar outra limpeza 30 minutos depois do uso do remédio.

Pacientes com próteses dentárias precisam remover o material e fazer a higienização cuidadosa antes de tomar o remédio.

Mentha Piperita

Agora, ao invés de falar sobre os agentes antifúngicos tópicos, vamos falar sobre um óleo. O nome dele é Mentha piperita. Esse óleo é usado na odontologia por promover uma ação que combate os fungos.

Por isso, ele é o mais indicado para acabar com o fungo Candida albicans e assim, garantir o tratamento eficaz contra a candidíase oral.

Fique Atento ao Que Comer!

Mesa de legumes e verduras - Conheça a candidíase oral e como funciona o tratamento

A nossa alimentação diz muito sobre a nossa saúde. Por exemplo, você sabia que algumas comidas podem aumentar a proliferação dos fungos? E, consequentemente, podemos desenvolver a candidíase na língua ou a oral?

Pois é, optar por uma alimentação balanceada é fundamental para garantir a saúde do nosso organismo.

Entre os alimentos que os dentistas recomendam evitar estão as bebidas alcoólicas e alimentos muito gordurosos. Além disso, as comidas que contém muito açúcar também devem estar limitadas no cardápio, como bolos e doces.

Por outro lado, o limão e o gengibre são alimentos recomendados para ajudar a curar a candidíase oral.

Agora, cuidado com as dietas! Procure sempre pela orientação de um profissional. Dessa forma, você consegue manter uma alimentação equilibrada e garantir que os fungos não se proliferem no organismo.

Prevenção da Candidíase

Médico apertando a mão do paciente - Conheça a candidíase oral e como funciona o tratamento

O melhor caminho para evitar o sapinho é a prevenção. Tenha uma boa escovação e use o fio dental. Ainda, enxaguantes bucais podem completar a limpeza da boca.

Vamos ver mais a fundo cada um desses processos.

Mas, antes, vamos relembrar informações importantes deste artigo.

  1. O que é a candidíase oral?
    A candidíase oral, popularmente conhecida como sapinho, é uma infecção causada pelo acúmulo do fungo candida, principalmente pela levedura candida albicans.  Os lugares mais recorrentes para o aparecimento da candidíase bucal são: região interna da boca e mucosa da língua. Dessa forma, pode aparecer no interior da bochecha, palato, gengiva e laringe.
  2. Quais são os sintomas?
    Os principais sintomas são: dificuldade de engolir, manchas brancas nos elementos da cavidade bucal, vermelhidão, ardência, diferença no paladar, pequenas rachaduras, dor na boca, mau hálito e secura na boca.
  3. Quais são as principais causas?
    O acúmulo do fungo candida, principalmente pelo candida albicans. Além disso, o tabagismo, uso recorrente de corticosteroides, má higienização da dentadura, uso de medicamentos antibióticos, uso de imunossupressores, má higiene oral e tratamentos de quimioterapia são outras causas. Pacientes soropositivos, idosos, crianças e pessoas com diabetes, entram no grupo de risco.
  4. Quais são os melhores tratamentos?
    O tratamento é feito pela escovação, medicamentos antifúngicos (como Itraconazol, Fluconazol e Nistatina) e óleos (como Mentha piperita.).

Pronto! Vamos que lembramos de informações essenciais, vamos entrar em detalhes sobre como os profissionais recomendam que a prevenção do sapinho seja feita.

Cuidados Bucais

É importante que você escove os dentes 30 minutos após terminar as refeições. Além disso, você deve realizar a escovação noturna, ou seja, antes de ir dormir.

Durante a escovação é preciso realizar os movimentos de forma suave e circular com a escova em torno da superfície de todos os dentes.

Você também deve ficar atento ao uso do fio dental. Ele é o responsável por remover os resíduos, sujeiras e microrganismos que estão presentes na cavidade bucal.

O maior benefícios desse processo com o fio é que ele consegue alcançar espaços que a escova não consegue.

Mas, e quando eu preciso passar o fio dental? Bom, a resposta é simples: os profissionais da odontologia recomendam que o fio deve ser passado pelo menos uma vez ao dia.

Higiene Complementar

Depois da escovação e de passar o fio dental, você ainda pode escolher completar a limpeza e passar o enxaguante bucal. Ele é uma substância que auxilia com o controle dos microrganismos.

Os principais tipos de enxaguantes são:

  • Enxaguante bucal com álcool;
  • sem álcool;
  • com flúor; e
  • Enxaguante antisséptico.

O seu dentista recomenda e indica o melhor tipo de enxaguante para o seu quadro clínico.

Dessa forma, o profissional passa informações para o paciente conseguir prosseguir com o uso da substância de forma adequada.

Normalmente, você coloca uma quantidade de 20 ml na boca e depois realiza o bochecho por alguns segundos. Lembre-se de não engolir a substância!

Escove a Língua

Uma outra dica para conseguir manter os cuidados com a saúde bucal é por meio da higienização da língua. Muitas pessoas usam a escova para conseguir limpar a língua.

No entanto, você pode utilizar algumas ferramentas para isso. Um exemplo delas é o raspador de língua. Mas, como eu devo usar o raspador?

Quando você terminar de escovar todos os dentes, pegue o raspador e passe ele sobre a língua. É ideal que você faça o movimento de trás para frente para garantir que todas as sujeiras do fundo da boca sejam retiradas.

Dessa forma, você vai sentir como se estivesse varrendo a língua. Além do raspador, também temos outra ferramenta, que é o limpador de língua. A forma de usar o limpador é a mesma do raspador.

Por isso, não há segredos! É só seguir as mesmas etapas que você consegue uma língua limpinha e saudável.

Curiosidade: a diferença entre as duas ferramentas é que o limpador apresenta cerdas na ponta, enquanto isso o raspador não.

Uma dica que trazemos é utilizar sprays em conjunto com esses instrumentos. O seu dentista de confiança pode indicar o mais adequado para o seu perfil.

Mas, atenção: evite passar as ferramentas de forma muito agressiva quando você estiver manifestando a candidíase na língua. Isso porque o movimento pode causar pequenos ferimentos ou até causar traumas na região.

Ainda, não esqueça de se manter hidratado sempre que puder. Por isso, mantenha uma garrafa de água sempre na sua bolsa. Importante: evite fumar e consumir bebidas alcoólicas.

Por fim, não esqueça de marcar consultas regulares com o dentista de confiança. Dessa forma, você garante as melhores recomendações sobre como evitar a candidíase oral.

Ramiro Murad Saad Neto

Ramiro Murad Saad Neto

Cirurgião-dentista graduado em Odontologia pela UNIC. Gestor de clínicas odontológicas e franquias. Residente em Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial Facial no Sindicato dos Odontologistas de São Paulo (SOESP - SP). Habilitação em Harmonização Orofacial e integrante da equipe Bucomaxilofacial Dr. Carlos Eduardo Xavier na Clínica da Villa, em São Paulo. CRO - 118151

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sobre a Simpatio

Somos dedicados em criar conteúdo de qualidade e informativo. Nossa missão é informar pacientes, dentistas e clínicas provendo conteúdos altamente relevantes sobre odontologia e saúde bucal gratuitamente.

Agende uma consulta

Precisando de algum tipo de ajuda ou apoio relacionado a sua saúde ou estética bucal? Clique no botão abaixo!

Postagens Recentes

Receba Nossos Conteúdos

Preencha seu e-mail acima e receba conteúdos exclusivos gratuitamente!

© All rights reserved

Simpatio 2020

As informações contidas neste site têm como objetivo único informar. A Simpatio tem o compromisso de estimular, e nunca substituir, as relações entre dentistas e pacientes. Sempre deixamos isso muito claro nos textos e na comunicação com nossos leitores. É fundamental que o paciente, ao notar qualquer alteração em sua saúde bucal, consulte seu dentista de confiança. Cada indivíduo requer um tratamento personalizado.