Isolamento absoluto e seus tipos de grampos odontológicos

Share on facebook
Compartilhe
Share on twitter
Tweet Isso
Share on linkedin
Compartilhe

Quando falamos em tratamentos como clareamento dental, muitos cuidados são tomados, como esterilizar materiais para que eles desempenhem a melhor função. A boca funciona da mesma forma, e para isso é utilizado o isolamento absoluto.

Para fazer uma analogia, o isolamento absoluto funciona de maneira parecida com embalagem à vácuo de alimentos. Sendo assim, essa técnica não permite que a umidade da boca tenha contato com tecidos moles.

O isolamento absoluto nada mais é do que uma técnica que isola um ou dois dentes aplicada para garantir uma maior qualidade e eficiência do procedimento e também dos aparelhos e materiais de restauração dentária.

Também é possível utilizar dessa tática para evitar problemas como infecção cruzada durante intervenções cirúrgicas.

Entretanto, é possível dizer que no fim, ambos os objetivos andam lado a lado quando o dentista resolve então aplicar esse método.

E se você ficou curioso e quer saber mais sobre como ela funciona, vantagens, desvantagens e outros pontos, confira conosco neste artigo.

Qual a função do isolamento absoluto?

É possível dizer que o isolamento absoluto é uma coleção de procedimentos realizados com um intuito principal que é o de afastar, ou isolar mesmo, os dentes dos tecidos moles da boca.

Tendo isso como base, a ideia é justamente permitir que o dentista possa trabalhar de maneira mais fácil quando será necessário realizar algum procedimento como por exemplo uma restauração dental.

No entanto, podemos afirmar que a função desse tipo de técnica é justamente proteger o paciente e o profissional, e também auxiliar o dentista na hora de realizar tratamentos.

Além disso, é válido mencionar que, quando feito antes das restaurações, esse procedimento também garante uma melhor durabilidade de restaurações feita de resina composta.

Afinal, a resina é um material de restauração feito com o intuito de ser semelhante ao dente. E sendo assim, ele também sofre danos devido à falta de cuidados com a higiene bucal.

Todavia, é necessário que o profissional tenha conhecimento sobre essa técnica e também que ele possua os materiais necessários para realizar o procedimento de isolamento.

Quais materiais são necessários?

Quais materiais são necessários?

Assim como outros procedimentos e métodos aplicados na odontologia precisam de materiais para que sejam então aplicados, o isolamento não foge disso.

Mas com tantos possíveis equipamentos, ferramentas e instrumentos que já vimos aqui na Simpatio, você sabe qual é ou quais podem ser os materiais do kit isolamento absoluto?

Se você não sabe a resposta, não tem problema, afinal nós fizemos uma lista com quais são os equipamentos utilizados pelo dentista para realizar essa técnica. Confira abaixo:

  • Lençol de borracha;
  • Perfurador de dique de borracha, também conhecido como perfurador de Ainsworth;
  • Arco porta-dique de borracha;
  • Grampos;
  • Pinça porta-grampo de Palmer;
  • Fio dental;
  • Espátula de inserção;
  • Lubrificante solúvel em água;
  • Tesoura de ponta reta.

Contudo, agora sabendo o que é utilizado pelo profissional, é válido entender quais vantagens esse tipo de procedimento pode te oferecer, não?

Sendo assim, iremos agora então elencar e explicar quais são os benefícios que a técnica de isolamento oferece ao paciente quando ele é submetido à ela.

Quais são as vantagens do isolamento absoluto?

Quais são as vantagens do isolamento absoluto?

Se existe algo que pode ser elencado como influência para que a grande maioria ou então todos os pacientes evitem quando vão ao dentista, definitivamente isso são pontos como o desconforto e a dor.

Afinal, essas são também razões pelas quais algumas pessoas têm medo ou até deixam de ir ao dentista para realizar consultas de rotina.

E nós nem precisamos dizer que não ir ao dentista, seja por isso ou não, traz consequências ruins à saúde bucal do paciente, não é mesmo?

Todavia, esse não é o caso do isolamento absoluto, porque essa técnica garante uma melhora aos procedimentos odontológicos.

Sendo assim, elencamos as vantagens que essa técnica específica possui, tanto para o paciente (que é o maior beneficiado) como também para o dentista. Veja:

  • Realiza ao mesmo tempo a retração e proteção dos tecidos moles, de forma a possibilitar que o dentista tenha acesso à área que será operada;
  • Mantém o campo operatório limpo e seco, garantindo um menor risco de problemas pós operatórios e também ganhando tempo de operação por trabalhar com o campo limpo e com uma boa visibilidade;
  • Por evitar a umidade do local, os materiais restauradores mantém a propriedade física natural que eles possuem, fator que também auxilia no pós operatório;
  • Garante uma visibilidade melhor e maior do campo operatório, facilitando o trabalho do profissional;
  • Oferece condições adequadas para a introdução e condensação dos materiais restauradores;
  • Protege o dentista dos agentes contaminantes que estão presentes na boca do paciente;
  • Protege o paciente contra a aspiração ou deglutição de instrumentos utilizados pelo dentista, resto de material restaurador ou algum eventual elemento estranho à boca.

Ao analisar os benefícios que esse tipo de técnica oferece, a nossa recomendação é para que, caso o profissional não fale sobre utilizá-la, o paciente pergunte ao dentista sobre o isolamento de forma a pedir que seja aplicado.

Entretanto, é válido pontuar que isso se dá apenas para os casos em que a pessoa deseja que esse tipo de procedimento seja usado.

O que eu devo fazer caso eu não queira que o dentista use essa técnica?

Caso o paciente não queira que esse método seja aplicado por não se sentir bem ou então por outros motivos pessoais, mesmo sabendo dos benefícios que ele possui, basta falar com o dentista sobre isso.

Afinal, um dentista qualificado ouve o paciente e entende o que ele está falando.

Sendo assim, esse é justamente um ponto crucial para a profissão, que também faz parte de técnicas para conquistar e fidelizar pacientes também.

E, dessa maneira, cabe ao profissional respeitar o que está sendo pedido e então não fazer o uso da técnica, apesar das vantagens que ele garante à pessoa.

Quais as desvantagens do isolamento absoluto?

Quais as desvantagens do isolamento absoluto?

Agora, apesar de possuir grandes benefícios ao paciente, infelizmente o também conhecido como isolamento absoluto modificado possui algumas desvantagens.

Mas não é algo suficiente para gerar preocupação, porque não envolve dor.

O único problema o qual os pacientes devem ficar atentos é para a questão de reações alérgicas ao material, afinal isso pode gerar diversas complicações no corpo da pessoa.

Contudo, confira então quais são as desvantagens que a técnica possui:

  • Alto tempo gasto para instalação: em média, um profissional acostumado à realizar pode demorar entre 3 e 5 minutos, o que atrapalha o procedimento e aumenta tempo de atendimento;
  • Em alguns casos, os pacientes podem sentir um desconforto devido ao material; Intolerância de pacientes que possuam asma, claustrofobia ou então alergia ao material de composição do dique;
  • Alguns casos específicos causam dificuldades particulares.

Todavia, para esse último ponto podemos mencionar casos de:

  • Dentes semi-erupcionados;
  • Terceiros molares, também conhecidos como dentes do siso, nascendo;
  • Dentes mal-posicionados.

Agora, caso você apresente algum desses três casos, é muito provável então que o seu quadro impeça o dentista de realizar o isolamento.

E se você estiver sentindo algum desconforto, dor, ou outros problemas relacionados aos dentes, a nossa recomendação é deixar o dentista ciente logo no começo da consulta.

De tal forma, o profissional poderá analisar se está tudo certo com a boca e os dentes antes mesmo de começar a fazer qualquer procedimento.

Mas é válido lembrar que eventualmente ele pode optar por não realizar algum tratamento durante a consulta devido ao estado o qual se encontra a boca do paciente.

Sendo assim, será marcada uma outra consulta depois de um certo período de tempo que será destinada à realização do procedimento caso a saúde bucal do paciente esteja melhor.

Como os grampos odontológicos atuam no isolamento

Como os grampos odontológicos atuam no isolamento

A função primária do grampo odontológico no isolamento absoluto é manter o lençol de borracha em posição.

Contudo, eventualmente eles também podem ter a finalidade de serem retratores do tecido gengival.

Mas para isso, depende diretamente de qual for o grampo que estiver sendo utilizado e também de qual for a situação de restauração do paciente.

Sendo assim, antes que o dentista realize qualquer procedimento, é preciso saber quais os dentes que serão reparados justamente para que ele possa escolher o grampo mais adequado dependendo do caso.

Mais para frente neste artigo nós iremos elencar também quais são os possíveis grampos que o profissional pode escolher dependendo de qual dente será tratado.

Quais procedimentos odontológicos podem ser feitos com isolamento absoluto?

Quais procedimentos odontológicos podem ser feitos com isolamento absoluto?

Ao falarmos sobre técnicas de isolamento absoluto, é necessário mencionar que elas não se restringem a apenas uma área da odontologia.

Contudo, é necessário lembrar que por meio desse método de isolamento do campo operatório o dentista pode então trabalhar melhor devido à melhora na visão.

De tal forma, ele consegue então chegar ao melhor resultado esperado conforme o tipo de procedimento odontológico que estiver sendo feito pelo profissional.

Mas uma dúvida que fica agora é: quais são os possíveis procedimentos que podem necessitar o isolamento absoluto para poder ter uma eficácia maior?

E para responder à essa dúvida, na verdade é algo bem simples.

Afinal, esse tipo de técnica normalmente é aplicada antes da realização de um tratamento endodôntico e também de alguns procedimentos de dentística, como a restauração dentária e o clareamento dental também.

Quando falamos sobre endodontia, é necessário entender que essa é a área da odontologia que estuda a polpa dentária, todo o sistema dos canais radiculares e também os tecidos periapicais.

Sendo assim, o isolamento absoluto em endodontia é algo extremamente importante tendo em vista que a técnica evita que sejam causados danos acidentais aos tecidos moles.

E fazendo isso, o profissional consegue então evitar que contratempos ou maiores problemas surjam.

Já para realizar o isolamento absoluto para dentística, é necessário que seja feito o uso da técnica em conjunto com o arco metálico Young, um arco utilizado dentro dessa área para garantir melhor sucesso dos tratamentos.

Contudo, sempre que for possível, é indicado que o profissional aplique a técnica do isolamento absoluto antes de realizar procedimentos de dentística.

Afinal, é por meio do isolamento que o profissional poderá então evitar danos aos tecidos moles do paciente, que por sua vez podem causar um sangramento gengival e atrapalhar o andamento do procedimento.

Isso é claro, sem contar que ele evita a umidade na boca causada pelos líquidos do sulco gengival e a saliva também.

Sendo assim, é possível afirmar que o paciente não terá que usar o sugador de saliva, fator que incomoda algumas pessoas durante procedimentos odontológicos.

Sobre restaurações dentárias

Além disso, é necessário lembrar que a retração gengival é um fator crucial para que ele seja feito de forma adequada.

Contudo, isso se dá pelo seguinte ponto: a restauração nada mais é do que a recomposição de um dente que sofreu alguma fratura oriunda de um trauma ou então de cárie dental.

Sendo assim, o profissional irá restabelecer a forma natural, função, alinhamento e estética do dente também.

É válido lembrar que eles podem ser feitos de porcelana, ouro ou então de resina. A escolha cabe ao paciente em conjunto com o dentista, após feito um diagnóstico e avaliação da situação bucal do paciente.

E o isolamento auxilia nesse processo justamente porque o dentista terá que preencher o buraco sem dente com um material específico e então fechar o local.

Mas caso o local esteja aberto, e sem a retração gengival, o procedimento pode acabar demorando mais do que o normal porque o material pode escorrer para outros dente.

Se isso acontecer, o dentista deverá então limpar o líquido que escorreu, perdendo tempo.

Agora, se for feito o isolamento, o profissional não precisa se preocupar com isso pois o material irá parar no lençol de borracha, não oferecendo riscos para o paciente.

Sobre clareamento dental

Ao falarmos sobre o clareamento dental, é válido lembrar que estamos apenas falando do que é feito em consultório, e não do caseiro também.

Sendo assim, é válido lembrar que o dentista aplica um gel sobre os dentes para então colocar uma luz, seja laser ou LED, para que o procedimento seja efetivo.

Contudo, isso se dá após feita uma análise da coloração do dente do paciente e de qual é o valor mais próximo o qual o dentista pode chegar.

Todavia, o isolamento auxilia esse processo de uma forma parecida com a das restaurações.

Afinal, por meio da aplicação da técnica é possível que o dentista evite colocar gel demais em um dente e pouco em outro, o que pode resultar em diferenças de cor entre os dentes.

É válido lembrar também que a retração gengival causada pelo isolamento também auxilia no processo uma vez que os lábios e a gengiva são separados dos dentes para realizar o clareamento.

Um outro ponto importante a ser lembrado é que a aplicação do gel deve ser feita sobre os dentes secos, permanecendo por pelo menos 15 minutos para garantir um resultado satisfatório.

De tal maneira, é possível que o profissional se beneficie desse tipo de procedimento, garantindo também um maior conforto ao paciente após feito o clareamento dental.

Passo a passo do isolamento absoluto

Passo a passo do isolamento absoluto

Mas a dúvida que fica agora é: como é feita a aplicação dessa técnica?

E sendo assim, nós separamos então o passo a passo que o dentista irá fazer para colocar em prática o isolamento.

Contudo, apesar de trazemos aqui algumas dicas para isolamento absoluto, ainda assim essa parte serve para deixar os pacientes cientes.

Confira abaixo então o procedimento de colocação do dique de borracha.

Como é o passo a passo:

  1. Para iniciar, o dentista deve marcar com uma caneta onde será feito o furo com o perfurador. O ideal é marcar o centro da incisal dos dentes anteriores e o centro da face oclusal dos posteriores;
  2. Logo após, deve ser então colocado o lençol de borracha sobre a boca do paciente, apoiando-o sobre os dentes que serão isolados e os marcando com a caneta;
  3. Para dar prosseguimento, deve ser retirado o lençol da boca do paciente, e furado nas marcações, com auxílio do perfurador;
  4. Depois que perfurar a borracha, o dentista irá passar lubrificante nos furos, de forma a aumentar a aderência nos dentes quando for colocado novamente;
  5. Aqui o grampo entra em ação, servindo para fixar e destacar o campo operatório. Ele deve ser colocado sobre o furo da marcação inicial, aumentando o lençol e deixando os outros furos para encaixe de demais dentes;
  6. Com auxílio da pinça de Palmer, o grampo deve ser aberto e encaixado sobre o dente do paciente, e com o dedo o dentista irá abrir os outros furos para que eles se adaptem aos outros dentes;
  7. Para conseguir um encaixe melhor, o dentista pode passar fio dental entre os dentes, empurrando o lençol até uma posição bem próxima à gengiva;
  8. Após feito isso, o lençol deve ser empurrado com uma espátula até que esteja bem fixo ao dente, deixando o campo operatório pronto para receber o procedimento.

Para o primeiro ponto, no entanto, é necessário lembrar que existe uma diferença para a endodontia e para a dentística.

Enquanto no primeiro o dentista deve isolar apenas o dente que será trabalhado, na segunda devem ser isolados também dois dentes posteriores ao que será trabalhado, e todos os dentes até o canino do outro lado.

E como o dentista remove o dique após feito o procedimento?

Na verdade, a remoção do isolamento absoluto é algo muito mais simples do que a sua colocação.

Para começar, o dentista irá utilizar a pinça Palmer para realizar a retirada do grampo que está fixo ao dente, e logo em seguida o lençol deverá ser solto do arco metálico.

Com auxílio da tesoura, ele então irá cortar as proximais do lençol perto da face vestibular, mas com muito cuidado para não machucar o paciente.

Após feito isso, a parte de cima estará toda aberta, e então a borracha deve ser removida pela parte de baixo.

É válido ressaltar que cabe ao paciente paciência, calma e cuidado para realizar essa retirada, mas que se for feito dessa forma, ela irá se deslocar totalmente, saindo da boca do paciente.

Quais cuidados o dentista deve ter antes de colocar o dique de borracha?

Existem algumas operações prévias, por assim dizer, que o profissional deve realizar antes de fazer o isolamento absoluto na boca do paciente. Elas são:

  1. Preparo da boca;
  2. Preparo do dique de borracha.

Confira então como que devem ser feito esses procedimentos.

Boca

Aqui na verdade é um tanto mais simples, mas deve ser tido um cuidado especial por parte do profissional.

Ele deve realizar um tratamento periodontal, a proteção dos tecidos moles com lubrificante, verificação de contato proximal e por último um teste do grampo.

Esses cuidados, no entanto, garantem o bom funcionamento da técnica.

Dique de borracha

Aqui também não são pontos muito complicados.

Sendo assim, o profissional deve:

  • Instalar o dique no arco;
  • Marcar na borracha a posição onde serão feitos os furos;
  • Perfurar a borracha;
  • Instalar o grampo no dique;
  • Lubrificar a borracha.

E após feitos esses passos, o profissional terá a certeza se o procedimento dará certo ou não.

Alternativas ao dique de borracha de látex

Alternativas ao dique de borracha de látex

Como você já deve ter percebido à essa altura, o dique de borracha é feito de látex.

Contudo, existem alguns pacientes que possuem alergia ao látex, fator que atrapalha diretamente na hora de aplicar essa técnica.

E essas alergias, no entanto, podem ser as seguintes:

  • Reação alérgica local;
  • Rinite;
  • Conjuntivite;
  • Asma;
  • Reação alérgica grave;
  • Choque anafilático.

Sendo assim, é necessário que o paciente avise o dentista sobre a alergia para que ele então possa utilizar de outro material para realizar o isolamento.

E nesse caso, o dentista pode optar pelos seguintes tipos de lençol de borracha:

  • Silicone;
  • EPDM, ou Ethylene-Propylene Rubber;
  • Neoprene;
  • Nitrílica;
  • SBR.

Além do látex, essas são as cinco opções de material de composição do lençol.

E cabe então ao dentista ter a sensibilidade de analisar qual é o melhor material dependendo do quadro do paciente que possui alergia.

Confira quais grampos odontológicos são destinados para os diferentes tipos de dentes

Confira quais grampos odontológicos são destinados para os diferentes tipos de dentes

Dentes anteriores (S. S. White)

  • 210, 211 e 212;
  • 212L: para dentes anteriores do lado esquerdo;
  • 212R: para dentes anteriores do lado direito.

Pré-molares (S. S. White)

  • 206, 207, 208 e 209.

Molares (S. S. White)

  • 200, 201, 202, 203, 204 e 205.

Grampos especiais para dentes anteriores (Ivory/Higienic)

  • 0, 00, 1 e 1A.

Grampos especiais para dentes pré-molares (Ivory/Higienic)

  • 1 e 1A.

Grampos especiais para molares (Ivory/Higienic)

  • 12A, 13A, 14, 14A , W8A e 26.

Algumas dicas e formas de como utilizar os grampos

Caso o grampo de isolamento seja usado em algum dente da arcada superior, o dentista deve manusear a pinça de Palmer com a palma da mão apontada para si próprio e a pinça no sentido contrário ao dedão.

Agora, se for em algum dente da arcada inferior, ele deve fazer o contrário ao que citamos, de maneira como se estivesse segurando um alicate convencional.

Mas para falar sobre a diferença entre os grampos para isolamento absoluto com asa e os sem, é possível dizer que ela se encontra no auxílio que o instrumento dá no afastamento entre o lençol de borracha e os dentes.

Enquanto o com asas o deixa mais longe do elemento dentário, o sem faz com que o lençol fique mais perto.

Além disso, o método de alocação entre ambos os grampos odontológicos é distinto.

Para colocar os sem asa, o grampo é colocado primeiro e, logo em seguida, é passado o lençol de borracha.

Já nos com asa, tanto o grampo quanto o lençol são inseridos juntos.

Em resumo, o dentista deve estudar bem o paciente e como será feito o tratamento também.

E essa necessidade se dá para que não haja nenhuma desarmonia ou então eventuais contratempos e problemas que possam impedir a aplicação dessa técnica.

Afinal, este é um método que requer cuidado e o uso de um número considerável de materiais, bem como de grampos, que possuem inúmeras variações.

Gostou de ficar sabendo mais sobre o isolamento absoluto? Leia mais artigos referentes à odontologia aqui, no site da Simpatio!

Ramiro Murad
Ramiro Murad
Ramiro Murad Saad Neto, cirurgião-dentista com registro no Conselho Regional de Odontologia de São Paulo (CRO-SP) nº 118151, é graduado pela UNIC e residente em Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial Facial no Sindicato dos Odontologistas de São Paulo (SOESP - SP). Possui habilitação em Harmonização Orofacial e também é gestor de clínicas e franquias odontológicas. Além disso, é integrante da equipe Bucomaxilofacial da Clínica da Villa, que está na Rua Eça de Queiroz, 467 - Vila Mariana, São Paulo - SP.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sobre a Simpatio
Somos dedicados em criar conteúdo de qualidade e informativo. Nossa missão é informar pacientes, dentistas e clínicas provendo conteúdos altamente relevantes sobre odontologia e saúde bucal gratuitamente.
Agende uma consulta
Precisando de algum tipo de ajuda ou apoio relacionado a sua saúde ou estética bucal? Clique no botão abaixo!

Postagens Recentes

Receba Nossos Conteúdos

Preencha seu e-mail acima e receba conteúdos exclusivos gratuitamente!

Simpatio 2021 © - Todos os Direitos Reservados

As informações contidas neste site têm como objetivo único informar. A Simpatio tem o compromisso de estimular, e nunca substituir, as relações entre dentistas e pacientes. Sempre deixamos isso muito claro nos textos e na comunicação com nossos leitores. É fundamental que o paciente, ao notar qualquer alteração em sua saúde bucal, consulte seu dentista de confiança. Cada indivíduo requer um tratamento personalizado.

Os conteúdos da Simpatio são escritos por jornalistas e possuem a supervisão e a aprovação de dentistas e de profissionais de saúde parceiros.