O que é a coroa dentária? Entenda seu uso e benefícios

Share on facebook
Compartilhe
Share on twitter
Tweet Isso
Share on linkedin
Compartilhe

O sorriso é a marca registrada de uma pessoa. No entanto, muitas pessoas deixam de sorrir por conta de problemas com os dentes. Um desses motivos é a falta de dentes na arcada dentária. Para esse problema, foram criadas diversas soluções, como a coroa dentária.

Existem várias razões para a falta de dentes como doenças bacterianas, má higiene, quebra, acidente, entre outros. A coroa dentária pode ser usada em todos os casos citados. Nesse artigo, você vai entender o que é uma coroa dental, quando é usada e todos os tipos usados.

A coroa dentária é uma peça que substitui toda a coroa natural do dente ou apenas uma parte danificada dele. Em alguns casos também é colocada sobre um implante para dar um formato mais natural. Pode ser feita de ouro, ligas metálicas, acrílico, porcelana.

A diferença para o uso dos materiais é sua resistência e compatibilidade com a cor natural dos dentes do paciente. A coroa dental é colocada acima da linha da gengiva e cimentada sobre um pino ou o resto de um dente.

Quer saber tudo sobre a coroa dentária? Então é só ficar por aqui!

O que é uma jaqueta no dente?

Você, provavelmente, já deve ter ouvido falar no termo jaqueta dentária. Mas você sabe o que é?

A jaqueta nada mais é do que o nome antigo do que conhecemos hoje como coroa dentária, o termo apenas caiu em desuso.

Isso quer dizer que tanto a jaqueta dentária quanto a coroa possuem a mesma finalidade, pois se trata do mesmo procedimento odontológico.

Como já dissemos anteriormente, a coroa dentária (ou jaqueta) possui o objetivo de substituir uma coroa dental natural danificada ou dentes ausentes, sendo inserida sobre um implante dentário ou na ponte fixa.

Quando, por algum motivo, um indivíduo tem o dente danificado, ainda que seja apenas um único dente, toda a cavidade bucal pode ser prejudicada, provando consequências a toda sua estrutura.

Além disso, esse tipo de dano pode se mostrar uma entrada potencial para sujeiras e bactérias que podem levar à dor, incômodo e até consequências mais graves, como inflamações e infecções.

Dessa forma, a reconstituição do dente por meio de uma coroa artificial pode não ter apenas um apelo estético, mas pode devolver a naturalidade a processos fundamentais, como a mastigação.

Como a coroa pode ser utilizada?

Quando a coroa dentária é utilizada para suprir a ausência de um ou mais dentes, pode ser utilizada de duas maneiras.

A primeira delas é sobre o pino de titânio inserido no osso da arcada dentária, procedimento conhecido como implante dentário. Nesse cado, a coroa é inserida e cimentada nesse pino, dando ao espaço vazio um novo dente.

O segundo caso é por meio da ponte fixa. A ponte utiliza dentes adjacentes como pilares, sendo mantida no local por meio de duas coroas, uma em cada pilar, ligando os dentes adjacentes ao lugar do implante.

Por último, quando a coroa é utilizada para cobrir um dente danificado, já existe a necessidade de que esse dente esteja desgastado e, então, a ponte dentária é cimentada no dente.

Trata-se de uma espécie de capa (daí o nome popular “jaqueta”) que reveste o dente natural e lhe devolve um formato mais estético e funcional.

Para garantir uma boa estética, as coroas dentárias são moldadas a partir da arcada dentária do paciente, seguindo o formato dos seus dentes naturais, garantindo um sorriso harmônico.

Além disso, hoje em dia alguns consultórios contam com o sistema CAD/CAM, uma tecnologia avançada que permite criar formas e tamanhos mais precisos para as restaurações e próteses dentárias por meio de uma imagem tridimensional dos seus dentes e gengivas.

Por meio desse sistema o dentista ou protético cria, mais precisamente, incrustações, coroas parciais com cobertura de cúspides dentais, coroas e pontes.

Quando a coroa dentária é utilizada?

Quando a coroa dentária é utilizada?

O uso das coroas dentárias não é limitada a perda total de um ou mais dentes. Elas podem ser indicadas, inclusive, como recurso totalmente estético. Aqui está uma lista das principais situações onde a coroa é uma boa solução:

  • A coroa dental pode substituir uma grande restauração, principalmente quando não há muita estrutura natural do dente para ser usada;
  • Dentes enfraquecidos por fraturas podem ser protegidos pelo uso das coroas;
  • Como já citado, a coroa pode ser usada no pino no dente em um tratamento de implantodontia por questões de estética ou para dar um formato mais natural a mordida;
  • Dentes descoloridos ou deformados podem ser cobertos por uma coroa dental, melhorando sua estética;
  • Também pode ser utilizada para recuperar a estética de dentes afetados por cáries que danificam o esmalte do dente afetado e, às vezes, também o adjacente;
  • Após um tratamento de canal, a coroa dentária também pode ser usada para cobrir o dente.

Lembre-se, para saber se o seu caso necessita do uso de uma coroa dentária é necessário consultar um dentista.

Quais são os tipos de coroas dentárias e suas diferenças?

Quais são os tipos de coroas dentárias e suas diferenças?

Com o passar dos anos e os avanços tecnológicos, diversos tipos de coroas dentárias foram criadas.

Contudo, o que difere essencialmente as coroas entre si são os materiais utilizados, o que também pode interferir no resultado estético final, uma questão de grande importância para quem busca recuperar o sorriso.

O dentista oferece ao paciente as opções que mais se encaixam para o caso. É levado em consideração, a posição do dente, o tipo de mordida do paciente, a harmonia das cores no sorriso, entre outros fatores. Os materiais disponíveis são:

  1. Provisória
  2. Zircônia
  3. Ouro
  4. Ligas de metal
  5. Metalocerâmicas
  6. Cerâmica
  7. Resina

Provisória

coroa provisória, assim como denuncia seu nome, não fica permanentemente no dente. Ela é uma alternativa para casos que precisam ser resolvidos com certa urgência, mesmo que de forma provisória.

O uso da coroa provisória é comum nos dentes frontais – que ficam muito mais expostos que os demais – após algum tipo de trauma, por exemplo.

O material que constitui esse tipo de coroa é a resina acrílica, que pode ser feita no próprio consultório. Logo, muito mais prática para casos de emergência.

Zircônia

A coroa de zircônia é um dos materiais mais estéticos disponíveis no mercado, além de possuir uma boa durabilidade.

Sua estrutura não possui nenhum tipo de matal, fator que proporciona a livre passagem de luz através da prótese dentária, entregando uma cor idêntica ao do dente natural.

Por não ser constituída de metais, a zircônia não causa alergias e não macha.

Ouro

Na verdade, as coroas de ouro não são feitas 100% de ouro. Há uma mistura de cobre e outros metais. Esse tipo é famoso por se destacar no sorriso e pelo material ser muito resistente à possíveis desgastes ou fraturas.

Apesar de ser constituído por esses metais, a coroa de ouro possui uma boa adaptação e é biocompatível com o tecido gengival.

As desvantagens das coroas dentárias de ouro são o custo e a coloração nada discreta. Contudo, essa última depende do gosto particular de cada um, já que os dentes de ouro são considerados um símbolo de moda por alguns.

Ligas de metal

A coroa de metal é o tipo de prótese mais antiga das listadas. Contudo, apesar de ainda serem utilizadas atualmente, o índice de escolha por esse material cai cada vez mais.

Isso deve à sua cor metálica que possui um nítido contraste com a cor natural dos dentes, o que não confere uma aparência muito estética.

Elas são feitas de metais que não são nobres, mas possuem extrema resistência à corrosão. Não causa problemas com os dentes opostos e possui boa aceitação.

A coroa de ligas metálicas ainda é recomendado em casos em que o espaço entre os dentes é bem pequeno.

Metalocerâmicas

A coroa metalocerâmica possui esse nome pois mistura metal e cerâmica (ou porcelana).

A fusão é feita para que a coroa seja mais reforçada, unindo as vantagens de ambos os materiais – a resistência do metal com a aparência da porcelana.

Sua aplicação depende de uma retirada moderada da parte sadia do dente e, por isso, não é recomendada em todos os casos. Contudo, ainda é muito utilizada devido sua resistência e aparência mais estética, além de ser recomendada para pacientes com bruxismo.

Cerâmica (ou porcelana)

A coroa de cerâmica é feita integralmente de porcelana, sem metais em sua composição, sendo o material que mais se adapta a cor natural dos dentes, trazendo harmonia ao sorriso.

Apesar de ser resistente, não é aconselhado para pacientes com mordidas fortes, com hábito de ranger os dentes ou bruxismo. Sua aplicação também depende da retirada de uma parte sadia do dente.

Resina

A coroa de resina é uma das opção mais populares por conta do seu preço mais acessível. Além disso, sua cor fica muito similar ao dente natural, conferindo um sorriso estético.

Contudo, esse material pode apresentar algumas desvantagens, como o fato de ser um pouco mais poroso que os anteriores, permitindo que absorva substâncias com facilidade e provoque mau hálito.

Além disso, a resina possui uma durabilidade menor, sendo de fácil desgaste e podendo quebrar com maior facilidade.

Qual é o melhor material para o meu caso?

Diante de tantos materiais disponíveis no mercado pode ser difícil escolher o ideal para você. Além disso, em algumas situações pode ser difícil ponderar as vantagens e desvantagens de cada material.

Por exemplo, será melhor optar por um material mais barato, mas menos resistente? Ou é preferível investir mais e adquirir um material mais resistente e estético? E se sua mordida for muito forte? E se a coroa precisar ser colocada no dente da frente, qual o material mais estético para ficar com um sorriso bonito?

As perguntas podem ser diversas nesse momento, por isso, para escolher o material mais apropriado para sua coroa é preciso conversar com o seu dentista, afim de avaliar o seu caso e indicar o tipo que mais se adéqua.

Isso é necessário para evitar possíveis problemas. Por exemplo, algumas pessoas são intolerantes à materiais feitos de metal, possuindo grandes possibilidades de passar por reações alérgicas. Nesses casos, as coroas de ouro, metal e metalocerâmicas podem não ser a escolha ideal.

Além disso, o local onde sera inserida a coroa também é um aspecto importante a ser considerado, já que posições frontais demandam materiais mais estéticos, enquanto posições de dentes mastigatórios demandam mais resistência e durabilidade.

Outras questões também serão levadas em conta, como a força da sua mordida ou o bruxismo, por exemplo.

Vale considerar também o aspecto financeiro, uma vez que o preço diverge muito de material para material. As coroas de cerâmica e resina, por exemplo, possuem um valor mais acessível.

Uma avaliação com seu dentista e uma boa conversa são ideais para te auxiliar no momento dessa escolha.

Como evitar que a coroa dentária se danifique?

Como evitar que a coroa dentária se danifique?

Apesar dos bons resultados conseguidos por meio da colocação das coroas dentárias, é preciso ter certos cuidados para evitar que danifiquem.

Isso vale especialmente para as mais frágeis e suscetíveis a danos e desgastes, como as coroas de cerâmica e de resina.

Esses materiais, em particular, possuem muito mais probabilidade de apresentar fissuras por exemplo, possibilitando o aparecimento de cáries no dente natural.

Mas, não se preocupe. Os cuidados essenciais com todos os tipos de coroas dentárias são mesmos cuidados necessários para com os dentes naturais, ou seja, uma rotina de higiene adequada.

Isso significa que o uso de uma escova de dente com cerdas macias, creme dental com flúor, escovação três vezes ao dia após as principais refeições, uso obrigatório do fio dental e, para finalizar, enxaguante bucal.

Para garantir a limpeza da sua coroa, não é preciso, contudo, exagerar na força da escovação. As coroas são facilmente limpas com uma escovação moderada, afinal, apesar de parecer que a força ajuda na limpeza dos dentes, ela pode prejudicar sua saúde, danificar a coroa dentária, desgastar o esmalte dos dentes naturais e machucar as gengivas.

Vale lembrar que produtos de higiene com pigmentos muito fortes podem, não apenas manchar as coroas dentárias, como os seus dentes naturais. Por isso, é sempre bom evitá-los. O mesmo vale para creme dentais muito abrasivos.

Por fim, para garantir que sua coroa dentária esteja sempre em bom estado e, verificar possíveis problemas com o material, é preciso consultar o dentista regularmente. O ideal é que as consultas sejam feitas, pelo menos, a cada seis meses.

Esse último passo também é muito importante para verificar a vida útil da sua coroa, uma vez que todos os tipos de materiais acabam envelhecendo e podem apresentar problemas.

Quanto custa uma coroa dentária?

Quanto custa uma coroa dentária?

Naturalmente o preço da coroa dentária é uma questão de extrema importância para muitos, de forma que os valores podem influenciar diretamente na escolha do paciente.

Contudo, assim como em outros casos, o preço pode variar bastante dependendo do tipo de material escolhido e das necessidades de procedimentos prévios. Além disso, é preciso considerar qual o seu tipo de tratamento.

Por exemplo, o tratamento de implante, como um todo, pode ser bem mais caro que a colocação de uma prótese fixa. Fora o tipo de tratamento, o valor da coroa dentária pode variar dependendo da quantidade de dentes a serem substituídos e também da estrutura óssea do paciente.

Outro fator importante a ser considerado é sua localização, isto é, os valores podem variar muito dependendo da região escolhida para realizar o tratamento.

Da mesma forma, o dentista escolhido pode influenciar no preço, especialmente se ele for um especialista. A infraestrutura do consultório ou clínica, bem como o tipo de tecnologia utilizada podem ser fatores que elevam o preço do tratamento.

Portanto, a primeira coisa a se fazer antes de procurar por preços é pesquisar pelo profissional e local desejados para realizar o procedimento. A partir disso, será possível realizar um orçamento assertivo para o seu caso.

Mas, se pudéssemos considerar apenas os materiais utilizados na coroa, poderíamos classificar, do mais caro para o mais barato, da seguinte forma:

  1. Ouro
  2.  Zircônia
  3. Cerâmica
  4. Metalocerâmica
  5. Metal
  6. Resina

Quanto tempo dura uma coroa dentária?

Quanto tempo dura uma coroa dentária?

Como dissemos anteriormente, a coroa dentária possui uma vida útil que pode depender muito do material escolhido.

Certamente há materiais muito mais resistentes que outros, o que permite seu uso por um tempo prolongado.

Nesse quesito, o material que dura menos tempo é a coroa de resina, uma vez que possui uma consistência muito mais porosa que os outros materiais, facilitando manchas e infiltrações. Em uma estimativa, sempre lembrando que cada caso é diferente do outro, a resina pode durar entre 5 a 8 anos.

Por outro lado, outros materiais podem se mostrar bem mais resistentes. As coroas de cerâmica, por exemplo, dependendo do cuidado com a higienização e das manutenções regulares com o dentista, pode chegar a durar mais de 15 anos.

Pela resistência do metal, as coroas metalocerâmicas, por sua vez, podem durar até mais tempo.

Já as coroas feitas totalmente de metal desgastam muito pouco com o tempo, mas pode perder a anatomia original. Isso contudo, não significa que a peça deva necessariamente ser trocada, especialmente se estiver localizada nos dentes de mastigação, de forma que não aparecem no sorriso.

Essas coroas podem ficar na boca por períodos de 15 a 20 anos ou mais, uma vez que sua adaptação é excelente.

Outros fatores que podem levar à troca da coroa dentária

Fora a própria resistência de cada material, a coroa dentária pode precisar ser trocada nos seguintes casos:

  • Perda da adaptação devido ao remodelamento natural da forma gengival e óssea com o passar dos anos;
  • Retenção de partículas de alimentos na coroa dentária;
  • Mudança de tonalidade ou perca de brilho com o passar do tempo;
  • Retração gengival por doenças periodontias. Aqui, nos casos das coroas metalocerâmicas, pode surgir uma linha metálica que antes era coberta pela gengiva;
  • Quebra da coroa por causa de traumas;
  • Infiltrações na coroa e consequentes casos de cárie nas próteses colocadas sobre o dente natural;
  • Grande mudança de cor relacionada aos dentes natural se comparados com a coroa dentária – quando o material é estético.

Caso você se veja inserido em qualquer um dos casos descritos acima, procure um cirurgião-dentista especializado, especialmente em casos de quebra, cáries ou retenção de alimento.

As principais vantagens da coroas dentárias, sem dúvida, é a plena recuperação da função do dente e os benefícios estéticos que devolvem a autoestima e qualidade de vida do paciente.

Sabendo dessas informações, você pode consultar um dentista para escolher o material com melhor custo x benefício. Não esqueça que a coroa dentária pode afetar a estética do seu sorriso!

Ramiro Murad
Ramiro Murad
Ramiro Murad Saad Neto, cirurgião-dentista com registro no Conselho Regional de Odontologia de São Paulo (CRO-SP) nº 118151, é graduado pela UNIC e residente em Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial Facial no Sindicato dos Odontologistas de São Paulo (SOESP - SP). Possui habilitação em Harmonização Orofacial e também é gestor de clínicas e franquias odontológicas. Além disso, é integrante da equipe Bucomaxilofacial da Clínica da Villa, que está na Rua Eça de Queiroz, 467 - Vila Mariana, São Paulo - SP.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sobre a Simpatio
Somos dedicados em criar conteúdo de qualidade e informativo. Nossa missão é informar pacientes, dentistas e clínicas provendo conteúdos altamente relevantes sobre odontologia e saúde bucal gratuitamente.
Agende uma consulta
Precisando de algum tipo de ajuda ou apoio relacionado a sua saúde ou estética bucal? Clique no botão abaixo!

Postagens Recentes

Receba Nossos Conteúdos

Preencha seu e-mail acima e receba conteúdos exclusivos gratuitamente!

Simpatio 2021 © - Todos os Direitos Reservados

As informações contidas neste site têm como objetivo único informar. A Simpatio tem o compromisso de estimular, e nunca substituir, as relações entre dentistas e pacientes. Sempre deixamos isso muito claro nos textos e na comunicação com nossos leitores. É fundamental que o paciente, ao notar qualquer alteração em sua saúde bucal, consulte seu dentista de confiança. Cada indivíduo requer um tratamento personalizado.

Os conteúdos da Simpatio são escritos por jornalistas e possuem a supervisão e a aprovação de dentistas e de profissionais de saúde parceiros.