Acidez na boca: quais seus efeitos e consequências?

Share on facebook
Compartilhe
Share on twitter
Tweet Isso
Share on linkedin
Compartilhe

Conviver com acidez na boca traz algumas complicações no futuro

A saliva é um agente que regula o pH da nossa boca. O potencial hidrogeniônico (pH) é uma forma de medida que expõe o grau de acidez de uma solução. Esse é o método que possibilita a identificação da acidez na boca.

Equilibrar a acidez na boca significa diminuir a proliferação de micro-organismos patogênicos que precisam de um determinado pH para sobreviver.

A acidez na boca, então, é quando a saliva está ácida. Isso é causado pelos chamados ácidos intrínsecos e ácidos extrínsecos. No longo prazo pode trazer malefícios ao paciente.

Mas o que são ácidos intrínsecos e extrínsecos? E como mudar o quadro de acidez na boca quando identificado?

  1. Ácidos Intrínsecos e Ácidos Extrínsecos
  2. Manifestações Bucais Provenientes da Acidez
  3. Como Evitar a Acidez na Boca?
  4. Há Remédios Para Equilibrar a Acidez na Boca?

Ácidos Intrínsecos e Ácidos Extrínsecos

Ácido Intrínseco

Os ácidos intrínsecos que mudam nosso ph estão presentes no estômago.

Assim, quem tem refluxo, também conhecido como refluxo gástrico, ou quem sofre com a bulimia, acaba tendo uma saliva ácida em decorrência da da azia provinda do estômago.

Ácidos Extrínsecos

É ocasionada pelos ácidos naturais presentes em nossa dieta. Portanto, comer alimentos que contenham um teor alto de acidez faz com que o problema se agrave.

Os principais fatores que envolvem então esses fatores, podem ter a ver com mais de uma característica. Dessa forma, as mais observadas são:

  • Frutas cítricas;
  • Doces, carboidratos;
  • Refrigerantes;
  • Isotônicos.

E quais problemas que a acidez da boca pode causar?

Manifestações Bucais Provenientes da Acidez

acidez na boca e no estômago

Além de ser incômoda por si só para o paciente, a acidez pode ainda, em alguns casos, gerar outros problemas. Eles podem ser simples ou mais graves. Vamos conhecer os principais?

Síndrome da Boca Ardente

Existem dois tipos dessa síndrome que podem ocorrer. A síndrome da boca ardente primária e a síndrome da boca ardente secundária.

Elas são então caracterizadas principalmente por uma dor que se manifesta na cavidade oral. Porém, não apresenta lesões específicas. Por isso, pode ser ainda com ou sem sinais.

O tratamento para tal patologia, pode ou não envolver algum remédio para síndrome da boca ardente. Ainda assim, irá depender de cada caso e estado do paciente.

Cárie

A cárie é uma forma de deterioração dos dentes. Ela representa uma lesão estrutural e uma infecção causada por bactérias. Elas perfuram o esmalte do dente, formam placas duras e com coloração escura.

Dependendo da profundidade, provocam dor e desconforto nos dentes.

Durante a digestão dos alimentos, nosso corpo produz uma acidez na boca e no estômago que é natural.

No entanto, dependendo dos alimentos que comemos, como carboidratos e açúcares, a quantidade de ácido aumenta.

E se não fizermos uma boa limpeza bucal, acaba ocorrendo então uma desmineralização do esmalte.

Dessa forma, existem então três tipos de cárie:

  1. Cárie coronária – são as que aparecem com mais frequência e que podem então se manifestar tanto em adultos quanto em crianças. Além disso, essas são as que afetam a parte mais visível dos dentes, a então conhecida por coroa. No entanto, é um dos tipos mais fáceis de se realizar o diagnóstico e o tratamento;
  2. Cárie radicular – este tipo se manifesta mais em casos em que há uma retração gengival. Dessa forma, esse tipo tem influência direta na raiz dos dentes, sendo mais grave. Isso se dá uma vez que o tecido desta área é menos duro que o esmalte, permitindo que a progressão da lesão de cárie seja mais rápida;
  3. Cárie recorrente – é o caso em que a cárie é caracterizada pela recidiva em uma região que já recebeu tratamento em algum outro momento. Assim, ocorre o acúmulo de placa bacteriana em volta dos materiais que são de outros tratamentos antigos, como por exemplo a resina das restaurações.

A principal causa da cárie é a má higiene bucal. Por isso, manter uma boa rotina de limpeza realizando todos os procedimentos essenciais, pode evitar que a doença se manifeste.

Aftas

Afta é uma pequena ferida que se forma dentro da boca. Pode ser identificada por sua forma arredondada, com centro amarelado ou esbranquiçado e vermelhidão ao redor. Ela é motivo de dor e desconforto.

Se a afta for recorrente, a razão deve ser investigada. Uma disfunção estomacal por estar relacionada.

Quando ingerimos muitos alimentos ácidos, nossa boca também acaba sendo afetada, o que motiva o surgimento das aftas. Por isso, devemos balancear nossa dieta.

Alguns machucadinhos que surgem a partir de um acidente durante a escovação, por exemplo, pode criar um ambiente propício para que as aftas se manifestem.

Além disso, um sistema imunológico que não está em bom estado, em um paciente que tenha carência de vitamina B12, também pode ocasionar a úlcera. Outros causadores potenciais das aftas são:

  1. Reações alérgicas às bactérias bucais;
  2. Doenças inflamatórias do sistema digestivo;
  3. O estresse emocional;
  4. Alimentação rica em alimentos muito ácidos.

Ainda assim, algo que é importante falarmos nesse item é sobre a herpes. Muitas pessoas acham que a afta tem algum tipo de relação com as feridas da herpes. Porém, ela não tem.

Com relação ao tratamento para as aftas, existem algumas diferenças de acordo com seu tamanho, forma e grau de inflamação da ferida.

Nas pequenas, normalmente não é necessário nenhum tratamento muito sério ou específico. Apenas evitar atitudes que piorem o quadro e elas irão desaparecer em até duas semanas.

Caso o paciente esteja sentindo muita dor, ou ainda apresentando dificuldades no momento da deglutição, o recomendado é que procure por tratamentos sintomáticos.

Algumas medidas que podem funcionar nesse caso são os bochechos, procurar prescrição para um tratamento com anti-inflamatórios e analgésicos.

O sol é um dos fatores que pode ser prejudicial a quem já está com afta. Por isso, deixar a região lesionada completamente exposta à luz solar sem proteção não é uma boa decisão.

Em casos mais graves, pode ser necessário o uso de anti-inflamatórios sistêmicos, como por exemplo os corticoides, ou ainda o médico poderá receitar um remédio que reduza a acidez estomacal.

Erosão Ácida

A erosão ácida é a perda do esmalte do dente normalmente causada causada por ácidos intrínsecos ou extrínsecos. Ou seja, deterioração de sua superfície pela presença de ácidos na boca.

Ela está muito associada aos hábitos que temos. Principalmente os que remetem à nossa alimentação.

A erosão ácida é um distúrbio que começou a se difundir recentemente, a partir da virada do século, pois foi quando a dieta da população passou a ficar mais gordurosa.

Alguns outros fatores contribuem muito para o desenvolvimento da erosão ácida no nosso organismo. Dessa forma, devemos nos atentar aos seguintes comportamentos:

  • Beber em grandes goles;
  • Reter a bebida na boca;
  • O hábito de bochechar;
  • Alto consumo de bebidas gaseificadas.

Sobre esse último item, inclusive, é um dos mais prejudiciais ao esmalte do dente. O ideal seria que, ao ingerir qualquer bebida que tenha gás, o fosse feito com canudo.

Dessa forma, o líquido contento todas as bolhas e ar iria diretamente para a garganta, uma vez que é colocado no fundo da boca e bem longe dos dentes.

Existem ainda três sinais principais a se atentar quando falamos de erosão ácida. São eles:

  1. Sensibilidade – é comum que em um quadro de erosão ácida, a camada de esmalte dos dentes fique muito mais fina. Dessa forma, a medida que a dentina fica cada vez mais exposta, é o momento em que o paciente começa a se queixar da sensibilidade. Então, ela pode ocorrer desde bebidas mais geladas, quentes, até as muito ácidas ou ainda muito doces;
  2. Cor dos dentes – normalmente, o que acontece é que a coloração acaba ficando mais amarelada e um pouco mais translúcida. Isso se dá devido ao fato de que, por ter então agora uma camada muito fina, a dentina fica exposta.
  3. Formato – os dentes passam a ter formato mais arredondado juntamente com uma superfície áspera. Além disso, é comum que apareçam ainda lesões que tenham um formato taça. Ela se localiza mesmo é na superfície mastigatória.

Em casos mais graves de erosão ácida, os tratamentos indicados são o restaurador, a reabilitação protética, e até mesmo a extração dental.

Como Evitar a Acidez na Boca?

ph bucal

Conseguir impedir que essa acidez não aconteça ou ainda combatê-la, não é uma tarefa difícil. Dessa forma, existem alguns métodos que auxiliam nesse combate.

Separamos em itens dicas que podem ser usadas em diferentes casos e que, ajudam muito no momento de evitar então essa sensação de boca queimada.

Controle do PH da Saliva

Muitos não sabem, mas o pH é uma medida usada para mensurar a acidez ou a alcalinidade de uma solução. Ele varia de acordo com a concentração de ácido, podendo ser maior ou menor.

Dessa forma, a análise é consideravelmente rigorosa. Conta então com uma avaliação feita a partir de uma escala que vai de 0 a 14, sendo que o número 7 representa estado neutro.

Para que uma saliva possa ser considerada saudável é aquela que apresenta um pH entre 6,8 e 7,2, que ainda está dentro da categoria como neutro.

Nesse caso, o que é possível observar é que a saúde está em boas condições. A composição e os aspectos físicos estão aptos para que consigam promover a proteção dos dentes e tecidos bucais.

Ainda assim, é importante estar ciente de que o pH da saliva varia ao longo de todo o dia. E isso ocorre devido aos alimentos que ingerimos e à hidratação do nosso organismo.

Por isso, uma outra importantíssima forma que possibilita então evitar a saliva ácida, é se mantendo sempre hidratado. O recomendo é estar bebendo em média 2 litros de água por dia.

Hidratação

A hidratação é muito importante pois mantém nossa boca úmida e estimula a produção de saliva, o que regula a acidez, mantendo-a baixa do pH.

Uma boca seca, tem uma séria tendência a aumentar a proliferação de fungos e outras bactérias que contribuem para o desenvolvimento do mau hálito. O que já vimos que é um dos principais sinais de acidez na boca.

Por isso, assim como já citamos no item anterior, a dica é: beba bastante água. Além de manter seu organismo em bom funcionamento, permite com que a boca esteja sempre úmida.

Escovação

Se você consumiu alimentos ácidos, especialistas recomendam que o ideal não é escovar os dentes logo após a refeição porque isso ajuda a prejudicá-los.

Faça apenas um bochecho com água, aguarde alguns minutos e, então, faça a higiene bucal completa.

Uma boa dica que irá com certeza ajudar a reduzir a acidez na boca, não é exatamente uma receita, mas sim um hábito que é importante de ser adicionado em sua rotina do dia a dia.

É básico, mas acredite, muitas pessoas ainda não entenderam sua importância e não o fazem: a escovação dental logo após as refeições.

Estudos indicam que os ácidos nocivos presentes nos alimentos permanecem na boca por até 30 minutos após a ingestão.

Ou seja, uma medida tão básica e que deveria ser o mínimo feito por todos que é escovar os dentes logo após a refeição, ou até mesmo após ingerir alguma comida, pode ajudar e muito no processo de aumento do pH.

Creme Dental

Cremes dentais com baixa abrasividade e alta quantidade de flúor protegem os dentes. É como se eles formassem uma capa protetora em volta deles, aumentando a resistência aos ácidos.

São ainda compostos por uma série de componentes químicos que entram em ação fortalecendo os dentes, equilibrando a acidez na boca, retirando restos de alimentos e removendo a placa bacteriana.

Bicarbonato de Sódio

Por ser alcalino, ou seja, possuir pH alto, o bicarbonato anula a acidez, agindo como um antiácido.

Esse processo uma vez que, todo produto alcalino ou que é considerado uma base, vai direto de encontro com um ácido e o elimina.

Dessa maneira, um bochecho com a substância é benéfico para pessoas que sofrem com acidez gástrica ou que consumiram algo cítrico e encontram-se com uma acidez na boca.

Outra forma de utilizá-lo é aplicar um pouco de bicarbonato de sódio juntamente com a pasta de dentes na própria escova. Feito isso, basta escovar normalmente, o efeito será o esperado.

Vinho

É um amante de vinhos e já está preocupado se perguntando se terá que tirá-lo de sua rotina? Fique tranquilo, a resposta é: não!

A boa notícia nesse caso é que a uva, principal componente utilizado na fabricação de vinhos, é uma aliada dos dentes, uma vez que ajuda a prevenir as cáries.

Porém, como é de se imaginar, é necessário realizar uma higienização da boca após o consumo para evitar manchas no esmalte dental.

É comum que essa bebida seja muitas vezes acompanhada de queijos, que são alimentos ricos em cálcio e fósforo, ou seja, eles ajudam a equilibram o pH bucal.

Queijo

Pode parecer estranho, mas o queijo é sim um dos alimentos que funciona como uma base ou ainda um produto alcalino.

Dessa forma, talvez ele troque de lugar com o prato principal e fique interessante então como uma espécie de sobremesa. Comer uma fatia de queijo após as refeições ou ingestão de uma bebida ácida pode ser muito benéfico.

Fora do comum? Um pouco, porém é um método caseiro e que apresenta ótimos resultados quando falamos no combate à acidez bucal.

Leite e iogurtes

O leite e o iogurte são ricos em cálcio e fosfato, substâncias que intensificam a remineralização dos dentes. Logo essas os tornam ainda mais fortes e resistentes.

Dessa forma, esses alimentos também têm como uma de suas principais funções quando ingeridos de conseguirem elevar o pH da boca.

O iogurte, por exemplo, além de ser um ótimo aliado de uma dieta balanceada e saudável, é ainda muito benéfico para as gengivas.

Os microrganismos vivos, conhecidos por probióticos, que estão presentes nesse alimento podem ajudar a fazer com que o crescimento de bactérias seja mais lento.

Então, é nesse momento que, consequentemente, ocorre uma redução natural da placa bacteriana. Além disso, é ótimo também quando se trata do combate ao mau hálito.

Espinafre, Pepino, Brócolis e Cenoura

O espinafre, por exemplo, por ser um alimento muito rico em fibras, consegue proporcionar a limpeza natural dos dentes e um aumento no fluxo de saliva.

Outro benefício é a presença do ácido oxálico nesse vegetal. Ele é quem auxilia então na absorção do cálcio, que é muito importante para o fortalecimento dos dentes.

Já o pepino, por sua vez, atua na produção da saliva, limpando os dentes naturalmente e removendo bactérias.

O brócolis, devido aos seus principais componentes que possuem muito ferro e cálcio, tem também uma importante função nesse caso.

O que acontece é que, ambos esses minerais, quando atuam juntos, formam uma barreira de proteção para o esmalte dos dentes.

Já a cenoura, estimula também a salivação, mantendo a boca sempre úmida e hidratada, ajudando assim no processo de remoção da placa bacteriana.

Morango, Maçã e Pera

Você achou que as frutas iam ficar de fora nessa lista de alimentos que auxiliam em todos esses métodos de combate à acidez na boca? De maneira nenhuma.

O morango é um grande aliado para quem quer estar sempre com um belo sorriso. Isso ocorre principalmente pois ele é um fruto muito rico em vitamina C.

Essa vitamina é então uma das principais que combate o acúmulo de placa bacteriana.

Além disso, o morango é também muito rico em ácido málico, que tem um efeito adstringente e previne as manchas amarelas nos dentes.

Já a maçã, é um alimento com muitas fibras, que auxilia na limpeza a cada mordida e ainda estimula o fluxo de saliva, que neutraliza o pH da boca.

Dessa forma, ela consegue então ter um papel extremamente importante quando falamos na prevenção de cáries e doenças na gengiva.

As mesmas fibras que também estão presentes na pera, contribuem da mesma forma para uma boa saúde bucal.

Chiclete Sem Açúcar

Apesar de todas as críticas e preconceitos que o rodeiam quando falamos sobre a influência negativa que mascar chiclete tem nos dentes, aqui ele pode ajudar.

O chiclete sem açúcar é um importante aliado no combate à acidez bucal. Isso se dá principalmente pois, ao mascá-lo, automaticamente se aumenta a produção de saliva.

Ou seja, como já explicamos anteriormente nesse artigo, por ser o resultado natural de nossos processos orgânicos. Ela irá então atuar e combater a acidez presente na boca.

Há Remédios Para Equilibrar a Acidez na Boca?

esmalte dental

Por não ser algo grave, normalmente, não necessita de remédios. Uma boa escovação, higiene regular e todos os outros métodos caseiros que já citamos aqui, são suficientes no combate a essa acidez e a equilibram.

Porém, quando ela se torna mais séria e se desenvolve para algum dos outros problemas também já citados aqui, isso muda.

Nesse momento, o tratamento com medicações específicas irá entrar para acabar de vez com essa acidez na boca.

Rodrigo Venticinque

Rodrigo Venticinque

Graduado pela Universidade de Santo Amaro (UNISA) e especialista em Prótese e Reabilitação Oral Integrativa, Biofísica Quântica, Biorressonância Aplicada e Ortomolecular. Pós-graduado em Estética Dental e Reabilitação Oral, com certificação em Remoção Segura da Amálgama e Odontologia Biológica pela Academia Internacional de Medicina Oral e Toxicologia. Professor da pós-graduação em Biofísica e Ortobiomolecular da QuantumBio. Também atua nas áreas de Ozonioterapia, Odontologia Sistêmica, Sedação Consciente com Óxido Nitroso e Hipnose. Diretor da clínica Venticinque Odontologia.

One Reply to “Acidez na boca: quais seus efeitos e consequências?”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sobre a Simpatio

Somos dedicados em criar conteúdo de qualidade e informativo. Nossa missão é informar pacientes, dentistas e clínicas provendo conteúdos altamente relevantes sobre odontologia e saúde bucal gratuitamente.

Agende uma consulta

Precisando de algum tipo de ajuda ou apoio relacionado a sua saúde ou estética bucal? Clique no botão abaixo!

Postagens Recentes

Receba Nossos Conteúdos

Preencha seu e-mail acima e receba conteúdos exclusivos gratuitamente!

© All rights reserved

Simpatio 2018

As informações contidas neste site têm como objetivo único informar. A Simpatio tem o compromisso de estimular, e nunca substituir, as relações entre dentistas e pacientes. Sempre deixamos isso muito claro nos textos e na comunicação com nossos leitores. É fundamental que o paciente, ao notar qualquer alteração em sua saúde bucal, consulte seu dentista de confiança. Cada indivíduo requer um tratamento personalizado.