Por que a cifoescoliose é comum em dentistas?

Share on facebook
Compartilhe
Share on twitter
Tweet Isso
Share on linkedin
Compartilhe

As doenças ocupacionais, isto é, as doenças provocadas por atividades realizadas pelo trabalhador no ambiente de trabalho podem possuir grande impacto na vida dos brasileiros, já que prejudica tanto o empregador quanto o empregado. Uma doença ocupacional muito comum é cifoescoliose, que discutiremos a seguir.

Devido a posturas corporais inadequadas, sejam essas por diversos fatores, o aparecimento da cifoescoliose tende a ser muito comum em cirurgiões-dentistas. Apesar disso, a cifoescoliose pode atingir qualquer tipo de indivíduo que esteja dentro do “grupo de risco” dessa doença.

A cifoescoliose é caracterizada por ser o resultado de duas lesões associadas da coluna vertebral, a escoliose e a cifose. Tanto individualmente quanto associadas, as lesões podem possuir diversas causas, sejam elas congênitas, idiopáticas ou posturais.

Porém, para entender melhor o que a cifoescoliose como um todo, é preciso entender, primeiro, as duas lesões que a compõe individualmente.

O que é escoliose?

A escoliose é caracterizada pela curvatura lateral da coluna vertebral. Assim, trata-se de uma deformação na coluna que pode atingir indivíduos de todas as idades, mas pode ter uma relação maior com o crescimento antes da fase da puberdade.

Dessa maneira, a escoliose pode ser uma curvatura da coluna vertebral tanto para a direita quanto para a esquerda, no entanto sua forma mais comum é para a direita. Além disso, pode ou não ser acompanhada de rotação das vértebras.

Essa deformidade pode ser vista ao olhar para uma pessoa com escoliose de costas, conferindo a coluna a aparência de um “C”, quando há apenas uma curvatura, ou a aparência de um “S”, se houver mais de uma curvatura.

Existem vários tipos de escoliose, porém as mais comum são essas:

  • Congênita: relacionada à má formação dos ossos;
  • idiopática: não possui uma causa conhecida;
  • Neuromuscular: causadas por problemas neurológicos, como a paralisia cerebral e muscular, por exemplo.

Quais são os sintomas da escoliose?

A escoliose pode deixar transparecer em um indivíduo por meio de alguns sintomas e sinais específicos. Veja a seguir:

  • Corpo inclinado lateralmente;
  • Dores nas costas;
  • Ombros e quadris assimétricos;
  • Tamanho desigual entre as pernas;
  • Cintura e caixa torácica inclinada para um lado do corpo;
  • Mamilos em alturas diferentes;
  • Costela saliente em um dos lados do tórax.

O que é cifose?

Já a Cifose, diferentemente da escoliose, é o aumento angular de umas das curvaturas da coluna vertebral. Esse aumento angular ocorre na parte superior das costas, mais precisamente na curvatura nomeada cifose torácica. Esse abertura angular pode ser popularmente conhecida como “dorso curvo” ou ainda como “corcunda”.

Tecnicamente falando, o ângulo ideal para a curvatura da cifose torácica é entre 20º e 45º. No entanto, se a curvatura possuir mais ou menos que esse valor, o indivíduo pode sofrer dores e danos ao sistema nervoso, por exemplo.

Normalmente, essa condição faz com que o indivíduo evidencie cabeça, ombros e pescoço projetados para frente, como forma de compensar o aumento pronunciado da curvatura para trás.

Sintomas e causas da cifose

A cifose nem sempre vem acompanhada de sintomas. Porém, quando esses surgem, os mais comuns são:

  • Dor;
  • Fadiga;
  • Rigidez na coluna;
  • Aparência estética curvada.

A cifose pode atingir qualquer faixa etária e é particularmente comum na fase da adolescência e na terceira idade. Dessa forma, atinge meninos muito altos para a idade ou as meninas durante o crescimento das mamas. Também atinge a terceira idade por fatores relacionados ao enfraquecimento da musculatura dorsal e desgaste de vértebras.

Essa condição pode estar relaciona também a:

  • Postura inadequada;
  • Falta de condicionamento físico;
  • Manifestação secundária por conta de outras doenças (como osteoporose);
  • Herança genética;
  • Infecção;
  • Doenças reumatológicas;
  • Mal formação congênita;
  • Doenças neuromusculares;
  • Tumores.

O que é cifoescoliose?

Agora que você entendeu um pouco mais sobre as lesões que formam a cifoescoliose, ficará mais fácil compreender do que ela se trata.

Como dito anteriormente, a cifoescoliose trata da associação da cifose e da escoliose, ou seja, é quando um indivíduo apresenta cifose e escoliose juntos. Portanto, indivíduos com cifoescoliose podem apresentar tanto torção da coluna vertebral para o lado quanto para frente ou para trás.

As principais causas das deformidades posturais podem estar relacionadas ao desequilíbrio muscular, à postura corporal relaxada, a fatores psicológicos, ao cansaço e ao mau estado físico, como é o caso cifoescoliose.

Assim, essa condição pode atingir pessoas de todas as faixas etárias e segue a mesma linha da escoliose e da cifose, sendo mais comum em adolescentes e indivíduos na terceira idade. No entanto, na maioria das vezes sua causa é desconhecida.

Além disso, pode se encaixar no grupo de doenças ocupacionais, podendo ser desenvolvida no ambiente de trabalho.

Sintomas da cifoescoliose

Normalmente, a cifoescoliose pode ser assintomático, mas em alguns casos o indivíduo pode apresentar:

  • Problemas de saúde associados (como hipertensão);
  • Caminhar anormal;
  • Dores nas costas;
  • Rigidez e comprometimento dos movimentos da parede torácica;
  • Restrição dos volumes pulmonares;
  • Hipóxia;
  • Encurtamento da altura;
  • Comprimento das pernas ou braços desigual;
  • Aparência estética prejudicada.

Os casos mais graves podem desencadear efeitos negativos sobre o coração e o pulmão, além do mal funcionamento dos músculos nas atividades diárias.

Tratamento da cifoescoliose

O indivíduo com cifoescoliose pode realizar tratamentos para essa disfunção. Quanto mais cedo este for realizado, menos chances de que a condição evolua e cause problemas ainda mais graves.

Veja quais opções de tratamento existem para a cifoescoliose:

  • Fisioterápico: realizado quando a cifoescoliose é leve (menos de 55 graus de cifose e inferior a 30 graus de escoliose). Tem como objetivo fortalecer os tecidos da coluna vertebral, afim de corrigir a curvatura;
  • Cintas: as cintas de costas devem ser utilizadas em casos detectados antes da fase de crescimento dos ossos. Seu objetivo é aplicar pressão corretiva à coluna;
  • Cirúrgico: tratamento obrigatório em casos graves e nos quais outros tratamentos não obtiveram bons resultados.

A odontologia e as doenças ocupacionais

O odontologia e as doenças ocupacionais possuem uma história e uma ligação. Isso porque a área odontológica é uma das mais atingidas por esse tipo de doença.

Prova disso se dá ao fato de que os profissionais da odontologia correspondem a 30% das causas de abandono prematura da profissão por razão de doença de caráter ocupacional.

Isso se dá pelas particularidades do dia a dia do cirurgião-dentista no consultório. Sua rotina de trabalho utiliza os membros superiores e suas estruturas próximas, é caracterizada também pela repetição de movimentos e padrões devido à suas atividades clínicas.

Dessa forma, o profissional assume posturas inadequadas e aplicação de força em excesso, de acordo com o que pede certas patologias tratadas em consultório. Ressaltamos que a postura do dentista pode possuir grande influência no desenvolvimento de deformidades posturais.

Assim, reparamos em certos riscos ocupacionais na rotina de trabalho desse profissional, como torção na coluna vertebral, inclinação excessiva do pescoço, elevação constante do braço, inclinação para frente da coluna vertebral e tensão muscular dos ombros e pescoço.

Como evitar a cifoescoliose

Algumas recomendações e orientações podem ser seguidas para evitar a cifoescoliose em dentista, promovendo a qualidade vida do profissional no ambiente de trabalho. Assim, confira a seguir algumas delas:

  1. Realizar alongamentos em pequenas séries no intervalo de atendimento entre cada paciente;
  2. Dividir tratamentos prolongados em duas ou mais sessões;
  3. Estipular um tempo máximo para cada consulta. Em até 1 hora, por exemplo;
  4. Realizar pausas prolongadas, pelo menos duas vezes ao dia, com o objetivo de realizar alongamentos de membros superiores, como pescoço e coluna vertebral.

Para os cirurgiões-dentistas que apresentam algum dos sintomas discutidos nesse artigo, recomendamos que consulte um profissional capacitado. Afinal, doenças ocupacionais, como a cifoescoliose, são muito mais comum do que se imagina, e os profissionais da odontologia podem desenvolvê-la facilmente.

Ramiro Murad Saad Neto

Ramiro Murad Saad Neto

Cirurgião-dentista graduado em Odontologia pela UNIC. Gestor de clínicas odontológicas e franquias. Residente em Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial Facial no Sindicato dos Odontologistas de São Paulo (SOESP - SP). Habilitação em Harmonização Orofacial e integrante da equipe Bucomaxilofacial Dr. Carlos Eduardo Xavier na Clínica da Villa, em São Paulo. CRO - 118151

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sobre a Simpatio

Somos dedicados em criar conteúdo de qualidade e informativo. Nossa missão é informar pacientes, dentistas e clínicas provendo conteúdos altamente relevantes sobre odontologia e saúde bucal gratuitamente.

Agende uma consulta

Precisando de algum tipo de ajuda ou apoio relacionado a sua saúde ou estética bucal? Clique no botão abaixo!

Postagens Recentes

Receba Nossos Conteúdos

Preencha seu e-mail acima e receba conteúdos exclusivos gratuitamente!

© All rights reserved

Simpatio 2020

As informações contidas neste site têm como objetivo único informar. A Simpatio tem o compromisso de estimular, e nunca substituir, as relações entre dentistas e pacientes. Sempre deixamos isso muito claro nos textos e na comunicação com nossos leitores. É fundamental que o paciente, ao notar qualquer alteração em sua saúde bucal, consulte seu dentista de confiança. Cada indivíduo requer um tratamento personalizado.