Bupivacaína apresenta efeitos anestésicos potentes

Share on facebook
Compartilhe
Share on twitter
Tweet Isso
Share on linkedin
Compartilhe

Confira aqui quando a bupivacaína é indicada pelos profissionais da área da Odontologia

Os profissionais da área da odontologia utilizam alguns recursos para conseguir deixar os pacientes confortáveis durante os procedimentos cirúrgicos. Um exemplo desses métodos é o uso da bupivacaína.

Sua aplicação é apenas realizada após uma avaliação criteriosa do quadro clínico do paciente. Mas, afinal, o que é a bupivacaína?

Bupivacaína é um tipo de agente anestésico. Sua atuação é local e também é chamada de cloridrato de bupivacaína.

Se você ficou interessado pelo assunto, então fique ligado neste artigo! Vamos tirar todas as suas dúvidas e mostrar curiosidades sobre o uso da bupivacaína na odontologia.

Vamos começar?

Características da Bupivacaína

A bupivacaína pertence ao grupo das amidas. Ele tem uma duração longa e apresenta uma potência quatro vezes mais forte que a lidocaína. O seu efeito começa após seis minutos da aplicação.

Os profissionais indicam que a dose máxima deve ser de 1,3 mg/kg. Isso sendo que não deve ultrapassar 90 mg ou 10 tubetes.

Outro nome para a bupivacaína, como já vimos, é cloridrato de bupivacaína, que é hiperbárico. No entanto, não devemos confundir com a sua forma isobárica, chamada de neocaína ou bupivacaína isobárica.

Conhecendo Mais Sobre as Anestesias Odontológicas

As anestesias odontológicas são usadas de forma ampla. O uso delas é aplicado, principalmente, durante os procedimentos odontológicos mais invasivo e intervenções cirúrgicas.

Na extração dentária, por exemplo, os profissionais utilizam algum tipo de anestésico odontológico. Durante esse procedimento, os profissionais removem, de forma parcial ou total, elementos dentários comprometidos.

Curiosidade: a anestesia é aplicada ao redor do dente que será retirado. Além da extração, os anestésicos odontológicos também são usados durante o tratamento de canal e restaurações dentárias.

Os profissionais optam pelo anestésico que melhor se encaixa no quadro clínico do paciente.

Quais São os Tipos de Anestesia?

Como já vimos neste artigo, a bupivacaína é um exemplo de agente anestésico local. As suas principais características incluem:

  • Pertence ao grupo das amidas;
  • Tem longa duração;
  • Tem potência quatro vezes mais forte que a lidocaína; e
  • Seu efeito começa após seis minutos da aplicação.

Agora, você conhece outros exemplos de agentes anestésicos locais? Se a resposta for não, pode ficar tranquilo! Separamos os principais tipos de anestesias.

Vamos conhecer as principais características de cada um deles.

Lidocaína

  • Pertence ao grupo das amidas;
  • É considerada o anestésico tópico padrão na odontologia;
  • É utilizada em procedimentos de média duração;
  • Indicada para gestantes; e
  • Sua ação começa em dois minutos.

Articaína

  • Pertence ao grupo das amidas;
  • É um anestésico de longa duração;
  • Não é apropriado para gestantes; e
  • Seu efeito começa em dois minutos.

Prilocaína

  • Pertence ao grupo das amidas;
  • É um anestésico de longa duração;
  • Não é recomendado em gestantes e nem em pacientes que apresentem hipotireoidismo, diabetes e ansiedade;
  • Seu feito começa em dois minutos.

Mepivacaína

  • Pertence ao grupo das amidas;
  • Tem uma duração média;
  • Tem potência duas vezes mais forte que a lidocaína;
  • É indicada para quem possui hipertensão, arritmia cardíaca, diabetes e hipertireoidismo; e
  • Seu feito começa em menos de um minuto.

O Que São os Vasoconstritores?

Os vasoconstritores são as substâncias químicas associadas aos sais anestésicos. Assim, esse processo acontece para garantir que o sal seja absorvido de forma mais lenta.

Desse modo, a anestesia consegue ter uma duração maior do bloqueio anestésico. Além disso, durante esse processo é promovida a diminuição das toxinas dos sais.

Será Que a Aplicação da Anestesia Dói?

Então, muitas pessoas associam a dor da anestesia com a agulha. No entanto, o diâmetro dela é muito pequeno e não causa dores intensas.

O que pode estar causando o desconforto é a própria anestesia. Mas como assim?

Bom, o líquido da anestesia causa a distensão dos tecidos, bem como é ácido. Assim, tudo isso junto pode trazer a sensação de dor.

Quais São os Efeitos Colaterais da Anestesia?

É normal que os efeitos colaterais do anestésico local desapareçam dentro de algumas horas após a conclusão do procedimento cirúrgico.

Na maioria dos casos, a sensação de dormência é passageira. Por isso, não precisa ficar preocupado!

Após a aplicação da anestesia, os pacientes podem começar a manifestar os seguintes efeitos colaterais:

  • Dormência;
  • Tontura;
  • Dor de cabeça;
  • Espasmos no rosto;
  • Aumento da frequência cardíaca;
  • Hematomas;
  • Danos aos nervos;
  • Visão turva; e
  • Falta de ar.

Importante: assim que você notar algum efeito indesejado, procure pelo profissional especializado. Dessa forma, ele consegue te dar orientações sobre como proceder nesses casos.

Dicas Para a Anestesia Passar Mais Rápido

Nós sabemos que as reações de dormência do anestésico odontológico podem atrapalhar nas atividades rotineiras. Por isso, separamos algumas dicas de como fazer o efeito passar mais de pressa. Confira:

  • Massageie a região que foi anestesiada. Faça movimentos circulares, mas lembre de não fazer força! Esse processo regular e aumenta a circulação sanguínea e melhorará a sensibilidade;
  • Pegue uma compressa de água morna e aplique sobre a região anestesiada. Isso estimula circulação de sangue da área;
  • Mantenha em mente que você precisa mastigar os alimentos de forma cuidadosa e sem pressa.  Posicione o alimento na região contrária a qual foi anestesiada para evitar traumas. O processo ativa a circulação sanguínea da região; e
  • Por último, lembre de se manter hidratado. Ao beber água você garante que a circulação vai aumentar. Além disso, quando bebemos água temos mais vontade de ir ao banheiro. Isso auxilia na eliminação das toxinas da anestesia.

Lembre: cada paciente apresenta um período de recuperação diferente.

Por isso, a diminuição do efeito vai variar de intervalo. No entanto, quando as reações estão durando por muitas horas ou chegam a durar dias, é preciso muita atenção!

Nesses casos, é essencial que você procure pelo profissional responsável pelo seu caso para uma avaliação do seu quadro clínico.

Por isso, marque uma consulta com o profissional de confiança caso você tenha alguma dúvida sobre o tratamento. Dessa forma, a reações da bupivacaína vão se manifestar de maneira controlada.

Ramiro Murad Saad Neto

Ramiro Murad Saad Neto

Cirurgião-dentista graduado em Odontologia pela UNIC. Gestor de clínicas odontológicas e franquias. Residente em Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial Facial no Sindicato dos Odontologistas de São Paulo (SOESP - SP). Habilitação em Harmonização Orofacial e integrante da equipe Bucomaxilofacial Dr. Carlos Eduardo Xavier na Clínica da Villa, em São Paulo. CRO - 118151

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sobre a Simpatio

Somos dedicados em criar conteúdo de qualidade e informativo. Nossa missão é informar pacientes, dentistas e clínicas provendo conteúdos altamente relevantes sobre odontologia e saúde bucal gratuitamente.

Agende uma consulta

Precisando de algum tipo de ajuda ou apoio relacionado a sua saúde ou estética bucal? Clique no botão abaixo!

Postagens Recentes

Receba Nossos Conteúdos

Preencha seu e-mail acima e receba conteúdos exclusivos gratuitamente!

© All rights reserved

Simpatio 2020

As informações contidas neste site têm como objetivo único informar. A Simpatio tem o compromisso de estimular, e nunca substituir, as relações entre dentistas e pacientes. Sempre deixamos isso muito claro nos textos e na comunicação com nossos leitores. É fundamental que o paciente, ao notar qualquer alteração em sua saúde bucal, consulte seu dentista de confiança. Cada indivíduo requer um tratamento personalizado.