Arritmia pode ter alguma relação com saúde bucal?

Share on facebook
Compartilhe
Share on twitter
Tweet Isso
Share on linkedin
Compartilhe

Atingindo pacientes com problemas de coração, é preciso estar atento aos tratamentos

É muito comum que pacientes com problemas cardiológicos cheguem até o consultório odontológico. A arritmia é uma das complicações que podem estar pré diagnosticadas.

Dessa forma, é fundamental que os cirurgiões-dentistas tenham conhecimento sobre a arritmia para conseguir lidar com os cuidados necessários.

Arritmia é uma condição que tem como principal característica a falta de ritmo nos batimentos do coração.

Ela pode ainda ser apenas um sintoma de alguma outra complicação, seja ela física ou psicológica no organismo, ou ainda, originada a partir de algum desequilíbrio do próprio coração.

O Que é arritmia?

Conhecida também como arritmia cardíaca, assim como já explicamos, ela pode surgir apenas como um sintoma de outro problema, ou ainda, algo do próprio coração.

Dessa forma, existem ainda dois tipos dessa complicação, a taquicardia e a bradicardia, que são variações do quadro de arritmia. Porém, ambos os casos podem sim ser tão graves a ponto de levarem o coração a colapso.

As taquicardias ocorrem quando há um ritmo acelerado dos batimentos cardíacos. Já a bradicardia é quando esses batimentos estão muito lentos.

Sintomas da Arritmia Cardíaca

Alguns sinais são fundamentais para identificar se você está ou não sofrendo com um possível quadro de arritmia. Por isso, atente-se caso apresente alguns dos seguintes sintomas:

  • Palpitações no coração, que duram de segundos a semanas
  • Queda de pressão
  • Fadiga
  • Falta de ar
  • Desmaios
  • Enjoos e vertigem

Fatores de Risco

Existem também certos fatores de risco que podem fazer com que esse problema seja elevado e facilitar com que ele ocorra. Alguns dos principais deles são:

  1. Tabagismo
  2. Sedentarismo
  3. Sobrepeso e obesidade
  4. Apneia do sono
  5. Exageros na ingestão de bebidas alcoólicas
  6. Distúrbios de tireoide
  7. Hipertensão
  8. Diabetes
  9. Estresse
  10. Predisposição genética

Apesar disso, nem todos os casos em que esses fatores fazem parte da rotina da pessoa levarão com certeza a um problema cardíaco como a arritmia.

Diagnóstico para Arritmia

O comum para o coração de um pessoa saudável bater, fica em torno de sessenta e oitenta vezes por minuto. Caso esse ritmo diminua ou se eleve expressivamente, é preciso se preocupar.

Além disso, caso o paciente venha também a apresentar, juntamente com essas oscilações, sintomas muito significativos, é a hora de procurar um profissional da saúde.

O que o médico cardiologista costuma fazer no consultório é, primeiramente, avaliar toda a história do paciente, realizando também exames físicos e até mesmo um eletrocardiograma como um exame complementar.

Caso seja necessário, o médico pode também solicitar um ecocardiograma, que funciona basicamente como um ultrassom do coração.

É por meio deste, juntamente com um teste ergométrico avaliando o desempenho do coração em provas de esforços físicos em uma esteira de ginástica, que o problema será certamente diagnosticado.

Arritmia e as Doenças Bucais

Muitas análises já foram feitas por estudiosos sobre a associação que existe entre a arritmia e odontologia e as doenças da boca, como a cárie e, principalmente, a doença periodontal em idosos.

Normalmente, pacientes que possuem três ou ainda mais lesões ativas de cárie radicular costumam apresentar mais que o dobro de chances de desenvolver arritmias quando comparados aos que não possuem lesões.

Já em casos de apenas uma ou então duas lesões ativas de cárie coronária, essa chance aumenta ainda mais, chegando a ser de três vezes maior com relação aos que não possuem lesões.

Dessa forma, é fundamental que o cirurgião-dentista tenha conhecimento da arritmia em tratamentos odontológicos e da relação que ambos podem ter. Porém, nem só ele deve estar alerta.

Um cardiologista que regularmente esteja fazendo avaliações com relação ao risco em procedimentos odontológicos com o paciente, também tem um papel muito importante.

Ambos devem estar também cientes com relação a tratamentos que necessitem de anestesias pois, a anestesia para cardíacos também exigem cuidados específicos.

É indispensável que esses dois profissionais da saúde estejam então muito bem alinhados e mantenham uma boa comunicação.

Conseguindo fazer com que riscos e complicações sejam minimizados, além de indicar os mais adequados cuidados odontológicos e cardiopatas.

Tratando a Arritmia

A principal medida a ser tomada para que a falta de ritmo dos batimentos cardíacos possa ser cessada, é descobrir a raiz do problema e trabalhar em cima dela.

Nos casos mais simples, resolver esse problema costuma ser o suficiente para que o ritmo certo dos batimentos seja devolvido e não se desregule mais.

Porém, existem sim casos em que um tratamento específico é necessário, por exemplo nos pacientes cardiopatas.

Nessas situações o cardiologista pode receitar então medicamentos antiarrítmicos para que as batidas se regulem.

Já no caso de doenças cardíacas como a fibrilação artificial, por exemplo, existem outros remédios que costumam ser indicados, como os anticoagulantes.

Esses são os principais participantes em doenças como essa que, fazem com que o sangue fique concentrado e parado em apêndices do coração, gerando coágulos que andam pela circulação e entopem os vasos sanguíneos.

Além disso, existem ainda situações em que cirurgias ou ainda procedimentos que são mais invasivos, são necessários, como é o caso da ablação.

Eles precisam entrar em ação para que as falhas que existem ao conduzir os estímulos elétricos no músculo do coração, possam ser ajustadas e não aconteçam novamente.

Por último, mas não menos importante, é muito importante eliminar de vez todos os fatores de risco que podem contribuir com isso.

Além disso, estar com a saúde boa e em dia, mantendo uma rotina de exercícios físicos e seguir uma alimentação balanceada é fundamental para que esses problemas continuem acontecendo.

Apesar de existir uma predisposição genética, a arritmia está muito ligada com os cuidados que temos com nós mesmos e a forma como cuidamos da nossa saúde. Atente-se a sua!

Silmara Alves Rozo Ducatti

Silmara Alves Rozo Ducatti

Cirurgiã-dentista graduada pela Universidade do Oeste Paulista (UNOESTE) e especialista em Ortodontia pelo Sindicato dos Odontologistas de Mato Grosso do Sul (SIOMS).

Compartilhe sua opinião

Sobre a Simpatio

Somos dedicados em criar conteúdo de qualidade e informativo. Nossa missão é informar pacientes, dentistas e clínicas provendo conteúdos altamente relevantes sobre odontologia e saúde bucal gratuitamente.

Agende uma consulta

Precisando de algum tipo de ajuda ou apoio relacionado a sua saúde ou estética bucal? Clique no botão abaixo!

Postagens Recentes

Receba Nossos Conteúdos

Preencha seu e-mail acima e receba conteúdos exclusivos gratuitamente!