TDAH requer também acompanhamento do dentista

Share on facebook
Compartilhe
Share on twitter
Tweet Isso
Share on linkedin
Compartilhe

Confira aqui como o TDAH é relacionado com a área da odontologia

Existem diversas patologias que podem afetar direta ou indiretamente a saúde bucal. O TDAH é um dos exemplos de doença, que apesar de não estar 100% relacionada à odontologia, requer atenção de dentistas.

O TDAH pode se manifestar durante a fase infantil. Por isso, é essencial ficar atento para os sintomas apresentados desde cedo.

TDAH é uma doença crônica, que afeta o comportamento e atenção do paciente. Também é conhecido como Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade.

Se você ficou interessado pelo assunto, então fique ligado neste artigo!

Vamos tirar todas as suas dúvidas e detalhar curiosidades sobre o Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade e odontologia.

Principais Sintomas do TDAH

Os pacientes com déficit de atenção, na maioria dos casos, já apresentam os sintomas na fase infantil. Os principais sinais manifestados são:

  • Dificuldade de manter a atenção focada durante certo período;
  • Comportamentos impulsivos;
  • Hiperatividade: pode ser apresentada como movimentos constantes das mãos e pernas; e
  • Agitação.

Assim que você perceber que está apresentando alguns dos sintomas, procure por um médico. Dessa forma, ele consegue realizar o diagnóstico.

Esse diagnóstico é composto de exames clínicos e complementares, como testes psicológicos.

Como o TDAH Está Relacionado com a Odontologia?

Os pacientes com o Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade também podem apresentar alterações fisiológicas. Elas são:

Os profissionais da odontologia estudam e cuidam dessas alterações. Por isso, além de visitar outros médicos, é preciso também ir visitar o dentista.

Vamos conhecer um pouco mais sobre cada uma dessas alterações fisiológicas.

Respiração Bucal

A respiração bucal, como o próprio nome indica, acontece pela boca. No entanto, ela traz inúmeras consequências para a saúde do paciente. Isso porque a respiração ideal deve ser feita pelo nariz.

Por que isso? Bom, o nariz é o órgão preparado para filtrar, aquecer e encaminhar o ar para o local correto. Enquanto isso, a boca não apresenta nenhum desses recursos.

Dessa forma, o ar que entrar no corpo não passa por nenhum filtro e vai deixar o caminho livre para as bactérias se infiltrarem na boca.

Curiosidade: durante o período noturno, essa respiração pode causar o ronco, que é um ruído causado pela obstrução das vias respiratórias.

Dessa forma, a passagem de ar é dificultada e promove vibrações que originam o ronco enquanto dormimos.

Síndrome da Apneia Obstrutiva do Sono

Ela se manifesta com o relaxamento dos músculos da garganta durante o período de sono. Dessa forma, as vias respiratórias se fecham e o paciente não consegue ter uma respiração normal.

Com a falta de oxigênio no sangue, o cérebro vai mandar sinais para o corpo. Com isso, sem a respiração, o seu corpo acorda de forma brusca. Isso permite que o sistema se normalize.

Esse ciclo acontece durante a noite inteira e em intervalos específicos. Assim como na respiração bucal, é normal que o paciente durante o sono produza o ronco.

Os principais sintomas manifestados pelos pacientes são:

  • Sonolência;
  • Ronco;
  • Interrupções bruscas durante o sono;
  • Boca seca (xerostomia);
  • Dor de cabeça;
  • Insônia;
  • Problemas de foco;
  • Irritação; e
  • Perdas recentes de memória.

Consequências das Alterações

Tanto a respiração bucal como a síndrome da apneia obstrutiva do sono trazem prejuízos para a saúde bucal. Os principais riscos da respiração pela boca são:

  • Mal desenvolvimento dos ossos da face (principalmente quando a respiração oral se inicia na infância);
  • Má oclusão: alinhamento incorreto das arcadas dentárias;
  • Dentes tortos: desalinhamento das arcadas;
  • Cárie: é a lesão estrutural no dente;
  • Gengivite: inflamação na gengiva;
  • pH bucal ácido: acontece quando a saliva não está sendo produzida na quantidade ideal; e
  • Desmineralização do dente: acontece quando o esmalte do dente perde os minerais por desgaste.

Enquanto isso, a apneia pode desencadear:

  • Doenças periodontais: são divididas em três estágios- gengivite, periodontite e periodontite avançada. Elas são alterações negativas que atingem a gengiva e os ossos periodontais;
  • Mordida cruzada unilateral: ocorre quando a mandíbula se desloca de forma incorreta durante a mordida. Ou seja, esse osso se desloca para a direita ou para a esquerda, e não para o centro (como deveria acontecer). Isso causa o desalinhamento dos dentes da arcada superior em relação aos dentes da arcada inferior. Assim, a mordida é afetada;
  • Mordida cruzada bilateral: funciona da mesma maneira que a mordida cruzada unilateral. No entanto, em vez das arcadas ficarem desalinhadas de apenas um lado, elas ficam nos dois. Por isso o nome bilateral;
  • Dentes tortos: causados pela falta de espaçamento entre os dentes. A sua principal consequência é o desenvolvimento incorreto da arcada dentária.;
  • Ressecamento gengival: o ressecamento das gengivas ocorre pela falta de salivação por causa do ambiente bucal seco; e
  • Inflamações: causadas pelas bactérias que entram na boca. Elas podem provocar feridas ou doenças mais graves.

Qual Dentista Devo Procurar?

As alterações fisiológicas apresentadas comprometem a saúde bucal. Por isso, é essencial que você procure um profissional especializado.

Como nós já vimos, os sintomas podem começar a se manifestar logo na fase infantil.

Por isso, é ideal que os responsáveis pela criança procurem o odontopediatra. Ele é o dentista preparado para cuidar do prognóstico, diagnóstico e tratamento de questões relacionadas à saúde bucal das crianças e adolescentes.

Na fase adulta, ao invés de procurar pelo profissional da área da odontopediatria, procure pelo cirurgião-dentista generalista.

Melhores Tratamentos

Devemos lembrar que o déficit de atenção não tem cura, mas os tratamentos podem ajudar a minimizar os sintomas.

Além disso, vamos ressaltar que o tratamento é feito com uma equipe interdisciplinar. Dessa forma, envolve profissionais da área da odontologia, neurologia, psiquiatria, pediatria e a otorrinolaringologia.

Na maioria dos casos, os médicos indicam o tratamento com medicamentos. Além disso, ele também inclui consultas com psiquiatras.

Cada profissional avalia o caso e, alinhado aos outros tratamentos, indica o melhor caminho para minimizar os sintomas do paciente.

Lembre: marque uma consulta com o profissional de confiança. Dessa forma, você consegue confirmar o diagnóstico e ter o melhor tratamento para o TDAH.

Ramiro Murad Saad Neto

Ramiro Murad Saad Neto

Cirurgião-dentista graduado em Odontologia pela UNIC. Gestor de clínicas odontológicas e franquias. Residente em Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial Facial no Sindicato dos Odontologistas de São Paulo (SOESP - SP). Habilitação em Harmonização Orofacial e integrante da equipe Bucomaxilofacial Dr. Carlos Eduardo Xavier na Clínica da Villa, em São Paulo. CRO - 118151

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sobre a Simpatio

Somos dedicados em criar conteúdo de qualidade e informativo. Nossa missão é informar pacientes, dentistas e clínicas provendo conteúdos altamente relevantes sobre odontologia e saúde bucal gratuitamente.

Agende uma consulta

Precisando de algum tipo de ajuda ou apoio relacionado a sua saúde ou estética bucal? Clique no botão abaixo!

Postagens Recentes

Receba Nossos Conteúdos

Preencha seu e-mail acima e receba conteúdos exclusivos gratuitamente!

© All rights reserved

Simpatio 2020

As informações contidas neste site têm como objetivo único informar. A Simpatio tem o compromisso de estimular, e nunca substituir, as relações entre dentistas e pacientes. Sempre deixamos isso muito claro nos textos e na comunicação com nossos leitores. É fundamental que o paciente, ao notar qualquer alteração em sua saúde bucal, consulte seu dentista de confiança. Cada indivíduo requer um tratamento personalizado.