Sequelas bucais são comuns em pacientes que fazem radioterapia

Share on facebook
Compartilhe
Share on twitter
Tweet Isso
Share on linkedin
Compartilhe

As sequelas bucais está mais envolvida em casos de tumores malignos

Todos nós sabemos que a radioterapia é um dos procedimentos mais presentes nos tratamentos de tipos de câncer. Mas você sabia que esse processo pode deixar sequelas bucais?

E por ser recorrente o número de pacientes que desenvolvem sequelas bucais, o acompanhamento com um profissional é indispensável.

As sequelas bucais ocorrem porque a radioterapia age sobre o DNA nuclear, levando à perda de sua capacidade reprodutiva ou até mesmo à morte celular. Quando isso ocorre, as células com grande eficiência de duplicação ficam mais radiossensíveis à radiação, o que deixa sequelas nos pacientes mais frágeis.

O que são Sequelas Bucais?

Normalmente, as sequelas bucais da radioterapia decorrem de tratamentos de tumor na cabeça e no pescoço, por conta das cirurgias realizadas para combater esses tipos de câncer.

Dessa forma, as condições que aparecem principalmente nesses pacientes irradiados, que estão suscetíveis a desenvolverem tais sequelas, são:

  1. Xerostomia;
  2. Osterradionecrose;
  3. Mucosite;
  4. Candidose.

Algumas delas se originam do câncer na boca. Ficou interessado em saber como cada uma delas ocorre, por que acontecem e como são seus tratamentos? Continue conosco que iremos te explicar!

Mucosite como Sequelas Bucais

A mucosite oral é a sequela mais habitual. Essa complicação oral é definida pelo surgimento de lesões orais bastante dolorosas.

Em números, a cada 10 pacientes que fazem quimioterapia, 4 apresentam mucosite. Já nos que se submetem ao tratamento de radioterapia, 100% deles desenvolvem o problema. Dessa forma, pode receber as seguintes classificações e recomentações:

  • Ausente – mucosa e gengiva úmidas e róseas;
  • Descolorado – aspecto esbranquiçado, mas possibilita a alimentação normal;
  • Eritema – permite a alimentação normal;
  • Pseudomembrana – requer dieta líquida;
  • Ulceração profunda – impede a alimentação normal.

Osteorradionecrose e as Sequelas Bucais

Depois da radioterapia, o tecido se modifica, o que o transforma em hipóxico, hipovascular e hipocelular. Então, a recomposição é danificada, ajudando a surgir a osteorradionecrose.

As alterações ósseas manifestam-se entre o primeiro e o quinto ano após a aplicação da radiação ionizante.

Por isso, fazer uma avaliação odontológica pré-radioterápica é fundamental, pois permite entender as necessidades de cada paciente e oferecer o tratamento odontológico antes do início da radioterapia.

Nessa avaliação, o cirurgião dentista deve incluir procedimentos como raspagem de tártaro e eliminação de cáries, além, claro, de uma orientação sobre higiene oral a manutenção da saúde bucal.

Xerostomia pode ser resultado de Sequelas Bucais

A xerostomia também é conhecida como boca seca, que acontece pela diminuição ou interrupção da saliva.

Ela surge por conta de uma relação direta entre a dose de radiação e a modificação das glândulas salivares.

Seu tratamento é paliativo, mas pode ser efetuado com o uso de estimulantes mecânicos ou gustatórios, que substituem a saliva ou agem sistemicamente.

Se preferir, há a possibilidade do paciente adotar métodos alternativos, como a acupuntura.

Candidíase é uma das Sequelas Bucais

A candidíase oral, que é causada pelo fundo Candida, manifesta-se através de placas brancas, que são removidas pela raspagem.

Um dos grandes motivos de sua presença é a alteração do fluxo salivar.

O diagnóstico é feito por exame clínico e seu tratamento consiste no emprego de antifúngicos tópicos ou sistêmicos.

As sequelas bucais são algo bastante desagradável e difícil de serem evitadas. No entanto, como você leu neste artigo, há tratamento para eles. Consulte seu médico para melhores recomendações.

Valdir de Oliveira

Valdir de Oliveira

Cirurgião-dentista graduado em Odontologia pela Universidade de Santo Amaro (UNISA). Pós-graduado em Ortodontia e Ortopedia dos Maxilares pela Sboom. Com especialização e mestrado em Implantodontia, habilitação em Harmonização Orofacial e Anatomia da Face. Professor nas áreas de Cirurgia Bucomaxilo Facial e Harmonização Orofacial. Voluntário há mais de 20 anos na Agência Adventista de Desenvolvimento e Recursos Assistenciais - ADRA Brasil.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sobre a Simpatio

Somos dedicados em criar conteúdo de qualidade e informativo. Nossa missão é informar pacientes, dentistas e clínicas provendo conteúdos altamente relevantes sobre odontologia e saúde bucal gratuitamente.

Agende uma consulta

Precisando de algum tipo de ajuda ou apoio relacionado a sua saúde ou estética bucal? Clique no botão abaixo!

Postagens Recentes

Receba Nossos Conteúdos

Preencha seu e-mail acima e receba conteúdos exclusivos gratuitamente!

© All rights reserved

Simpatio 2020

As informações contidas neste site têm como objetivo único informar. A Simpatio tem o compromisso de estimular, e nunca substituir, as relações entre dentistas e pacientes. Sempre deixamos isso muito claro nos textos e na comunicação com nossos leitores. É fundamental que o paciente, ao notar qualquer alteração em sua saúde bucal, consulte seu dentista de confiança. Cada indivíduo requer um tratamento personalizado.