Articaína realmente pode ser considerada o anestésico perfeito?

Share on facebook
Compartilhe
Share on twitter
Tweet Isso
Share on linkedin
Compartilhe

Aprenda um pouco mais sobre a articaína e os tipos de anestesia utilizados na odontologia

Na odontologia, existem diversos procedimentos que podem gerar incômodos ou até mesmo dores aos pacientes. Assim, para realizá-los, muitos profissionais utilizam a articaína.

Inicialmente, a articaína foi aprovada para uso em território alemão. Em seguida, se popularizou em toda a Europa para depois chegar ao Brasil. Em muitas regiões ela é conhecida como remédio perfeito. Mas será que o apelido condiz com a realidade? É sobre isso que falaremos no decorrer deste artigo.

Articaína é um anestésico largamente utilizada na odontologia. Ela é recomendada principalmente para o uso local, agindo através do bloqueio dos nervos do paciente ou até mesmo uma simples infiltração.

O anestésico odontológico pode ser utilizado na realização dos mais variados procedimentos.

Contudo, o recomendado é que ele seja empregado principalmente em procedimentos periodontais, sejam eles simples ou complexos.

Características e Modo de Utilização da Articaína

Antes de qualquer coisa, é essencial dizer que o produto se destina unicamente ao uso profissional.

Assim, ele deve ser utilizado apenas por aqueles que conhecem as técnicas específicas de aplicação e manipulação de anestesias locais na cavidade oral.

Previamente ao uso, você deve desinfetar com álcool 70% e um algodão a capa do tubete que entrará em contato com a agulha.

Em nenhuma hipótese você deve emergir o resto do tubete em álcool, seja qual for a solução utilizada na seringa.

Uma vez utilizado, o produto deve ser bem armazenado para não perder suas propriedades. O recomendado é que ele seja conservado em sua embalagem original, evitando contato com sol e calor.

Falando um pouco sobre as características do produto, é interessante dizer que ele possui rápida capacidade de ação além de uma duração longa e bastante eficaz.

Contraindicações e Possíveis Efeitos Colaterais da Articaína

O uso do anestésico é contra-indicado em pacientes com hipersensibilidade conhecida aos anestésicos locais do grupo amida, a sulfitos ou a qualquer outra substância presente em sua fórmula.

Fora isso, pacientes sendo tratado com fármacos que produzem alterações na pressão arterial, como os inibidores da MAO, antidepressivos tricíclicos e fenotiazinas também não deve consumir o medicamento.

Por fim, é necessário dizer que o uso deste produto em pacientes grávidas durante a amamentação ou em pacientes asmáticos deve ser feito sob supervisão do profissional responsável.

Quanto aos efeitos colaterais, podemos destacar que devido a sua grande solubilidade lipídica, a articaína possui uma maior difusão nos tecidos, sejam eles moles ou ósseos.

Isso representa uma área maior de dissipação do anestésico local. Além disso, ela pode aumentar a possibilidade de uma parestesia quando utilizada para algumas técnicas de bloqueio.

Ela pode trazer algumas complicações quando utilizada acima de sua dose máxima, erro recorrente devido à sua concentração.

Um Pouco Mais Sobre a Anestesia Local

A anestesia local garante um bloqueio temporário das terminações nervosas, o que altera as sensações sem alterar o nível da consciência do paciente.

Assim, o comum é que a pessoa não sinta quaisquer incômodos durante o procedimento.

Para ser um bom agente anestésico, a substância não pode ser tóxica, não irritar os tecidos e não causar lesões permanentes às estruturas nervosas.

É preciso que a anestesia aja rapidamente e que dure o suficiente para que o dentista consiga efetuar toda a intervenção cirúrgica.

Primeiramente, a anestesia odontológica deixará adormecida a região onde foi aplicada. Se for mal administrada, pode acometer outras regiões, como língua, lábios e até mesmo o rosto.

Com o passar do tempo, a insensibilidade ficará maior, fazendo com que o paciente pare de sentir a área. É comum que o paciente apresente dificuldades para falar e mastigar durante o período.

Além disso, ele também pode ter espasmos musculares, que são contrações involuntárias, e sensações de formigamento quando o efeito estiver passando.

Anestesia Geral

A anestesia geral funciona sedando a pessoa profundamente. Dessa maneira, se perde a consciência, a sensibilidade e os reflexos do corpo, para que sejam realizadas cirurgias sem que o paciente sinta dor ou desconfortos.

Ela pode ser aplicada através da veia, onde o efeito é imediato, ou inalada por meio de uma máscara. Assim, ela chega a circulação sanguínea através dos pulmões.

A duração do seu efeito é determinada pelo anestesista, que decide qual será o tipo, dose e quantidade do medicamento anestésico aplicado.

Benefícios da Anestesia Geral na Odontologia

A odontologia está em constante evolução, sempre se preocupando com o bem estar dos pacientes. É aí que entra a anestesia geral em odontologia. Entre outros benefícios esse substância possibilita:

  • Execução do tratamento dentário em uma única seção;
  • O tratamento pode ser realizado em um ambiente hospitalar seguro;
  • Diminuição considerável do medo e ansiedade dos pacientes ao realizar procedimentos mais agressivos.

Em Quais Casos ela é Indicada?

Anestesia geral não é brincadeira, e deve ser usado apenas quando realmente é necessária. A indicação deve ser muito clara e precisa, e ela é recomendada em certos casos como:

  • Crianças muito pequenas, incapazes de cooperar no consultório odontológico;
  • Pacientes com muito medo ou crises de ansiedade que possam atrapalhar o procedimento cirúrgico;
  • Realização de tratamentos muitos longos, invasivos e complexos;
  • Pacientes incapacitados física e/ou mentalmente. Estes costumam ter mais problemas de cáries e periodontites do que o restante da população;
  • Pacientes com fobia de dentista.

Todos os detalhes da cirurgia serão definidos após um apurado diagnóstico e planejamento odontológico dos procedimentos a serem realizados pelo dentista.

Também é necessário uma completa avaliação da saúde médica por parte da equipe de anestesistas e outros médicos conforme necessário. Não é raro existir interdisciplinaridade nesses casos.

Agora, uma questão que devemos pensar é: será que a articaína realmente é o anestésico perfeito, como é conhecida por muitas  pessoas?

Bom, como pudemos observar, ela apresenta uma série de benefícios quando comparada à outras medicações.

No entanto, por manifestar alguns efeitos colaterais, despertando até mesmo algumas disfunções fisiológicas, ela não pode ser considerada como perfeita.

De qualquer maneira, agora você conhece a origem e as principais propriedades da articaína e ainda ficou sabendo um pouco mais sobre os tipos de anestesia existentes no cenário da medicina e odontologia.

Silmara Alves Rozo Ducatti

Silmara Alves Rozo Ducatti

Cirurgiã-dentista graduada pela Universidade do Oeste Paulista (UNOESTE) e especialista em Ortodontia pelo Sindicato dos Odontologistas de Mato Grosso do Sul (SIOMS).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sobre a Simpatio

Somos dedicados em criar conteúdo de qualidade e informativo. Nossa missão é informar pacientes, dentistas e clínicas provendo conteúdos altamente relevantes sobre odontologia e saúde bucal gratuitamente.

Agende uma consulta

Precisando de algum tipo de ajuda ou apoio relacionado a sua saúde ou estética bucal? Clique no botão abaixo!

Postagens Recentes

Receba Nossos Conteúdos

Preencha seu e-mail acima e receba conteúdos exclusivos gratuitamente!

© All rights reserved

Simpatio 2020

As informações contidas neste site têm como objetivo único informar. A Simpatio tem o compromisso de estimular, e nunca substituir, as relações entre dentistas e pacientes. Sempre deixamos isso muito claro nos textos e na comunicação com nossos leitores. É fundamental que o paciente, ao notar qualquer alteração em sua saúde bucal, consulte seu dentista de confiança. Cada indivíduo requer um tratamento personalizado.