Técnicas anestésicas em odontologia são diversas

Share on facebook
Compartilhe
Share on twitter
Tweet Isso
Share on linkedin
Compartilhe

As técnicas anestésicas são importantes para o sucesso de diversos procedimentos da odontologia

Diversos procedimentos odontológicos são impossíveis de serem realizados sem o apoio das anestesias odontológicas, que bloqueiam a sensibilidade do local onde foram administradas. Por isso, é importante conhecer as técnicas anestésicas em odontologia para proporcionar um atendimento de qualidade.

Nesse artigo, vamos especificar todas as técnicas anestésicas em odontologia, que vão além do uso de injeções. Além disso, vamos te contar quando elas são usadas e como elas são aplicadas.

As técnicas anestésicas em odontologia se alteram conforme a necessidade e a área que precisa ser anestesiada.

Técnicas Anestésicas em Odontologia

Existem diversos tipos de anestesia odontológica que podem ser usadas nos tratamentos. Algumas são injetáveis, outras, não. O importante é que todas elas cumprem seu objetivo: diminuir ou impedir qualquer dor ao paciente.

Listamos aqui todas as técnicas anestésicas usadas em consultório. Confira:

Infiltração local

É um tipo de injeção anestésica. É usada para:

  • Anestesia do loco-terminal;
  • Bloqueio de pequenas terminações nervosas;
  • Anestesiar áreas limitadas.

Bloqueio de campo

O bloqueio também é uma anestesia injetável. Seu uso é feito para:

  • Anestesiar o loco-terminal;
  • Bloquear os ramos nervosos terminais maiores.

Também pode ser chamada de anestesia circunscrita.

Bloqueio de nervo

Essa injeção anestésica é usada, por exemplo, para neutralizar o nervo alveolar inferior. Mas seu uso pode ser feito para:

  • Anestesia do loco-regional;
  • Bloqueio de um tronco nervoso principal.

Esse tipo de anestésico é injetado em um local distante da área que será tratada.

Anestesia tópica

Essa técnica anestésica é superficial e de curta duração. Consiste na aplicação de uma pomada ou gel sobre a mucosa.

Normalmente é usada antes da utilização de agulhas. Nesse caso, são aplicadas diretamente no local em que a agulha será inserida poucos minutos antes da aplicação.

Anestesia submucosa

Assim como a anestesia tópica, essa anestesia costuma ser utilizada antes da aplicação de técnicas mais profundas ou em casos muito simples e rápidos.

Ela é aplicada na mucosa com agulha, mas não há muita profundidade na aplicação. Pode ser usada para:

  • Exame de furcas;
  • Isolamento absoluto;
  • Outras técnicas mais simples.

Técnica anestésica supraperiosteal

Esse anestésico é depositado na região próxima ao periósteo. Sua absorção depende muito da porosidade óssea, que é o que permite que a anestesia chegue, de fato, ao dente.

Ele faz o bloqueio que vai da polpa até a raiz do dente, alcançando o periósteo vestibular, o tecido conjuntivo adjacente e a membrana da mucosa.

É altamente recomendada para os dentes superiores e ântero-inferiores. Porém, sua atuação não é eficaz nos dentes incisivos centrais superiores.

Além disso, sua atuação só é valida para a anestesia de um único dente. Mesmo assim, é considerada uma técnica simples, de alta eficácia e pouco traumática para os tecidos envolvidos.

Suas contraindicações são:

  • Uso para bloqueio de grande áreas;
  • Uso em áreas infeccionadas ou com inflamação aguda.

E as áreas onde há maior dificuldade de absorção e eficácia são:

  • Aérea de osso denso;
  • 1º molar superior permanente em crianças;
  • Incisivo central superior em adultos.

Anestesia intraligamentar

Também conhecida como injeção no ligamento periodontal. É uma anestesia usada para apenas um dente e costuma ser aplicada junto a outra técnica anestésica.

Na região da mandíbula, sua eficácia é menor e o uso de outras técnicas para complementação de resultado se torna obrigatório.

Anestesia Intrasseptal

É muito parecida com a anestesia anterior. A diferença entre as duas é que enquanto a intraligamentar é usada para dentes, a intrasseptal é utilizada para tecidos moles e região óssea.

É considerada uma anestesia intraóssea e indicada para cirurgias periodontais. No entanto, é importante usar uma técnica complementar quando a cirurgia for feita na mandíbula.

Anestesia intrapulpar

O anestésico é injetado na polpa do dente, o que a torna eficaz apenas em dentes com polpa vital. Seu uso é feito em pulpectomias.

Assim como as anteriores, é usada como técnica complementar, principalmente na área da mandíbula.

Como podemos notar, as técnicas anestésicas em odontologia são diversas e seu uso é amplo. Converse com seu cirurgião-dentista sobre quais técnicas serão aplicadas nos seus procedimentos!

Ramiro Murad Saad Neto

Ramiro Murad Saad Neto

Cirurgião-dentista graduado em Odontologia pela UNIC. Gestor de clínicas odontológicas e franquias. Residente em Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial Facial no Sindicato dos Odontologistas de São Paulo (SOESP - SP). Habilitação em Harmonização Orofacial e integrante da equipe Bucomaxilofacial Dr. Carlos Eduardo Xavier na Clínica da Villa, em São Paulo. CRO - 118151

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sobre a Simpatio

Somos dedicados em criar conteúdo de qualidade e informativo. Nossa missão é informar pacientes, dentistas e clínicas provendo conteúdos altamente relevantes sobre odontologia e saúde bucal gratuitamente.

Agende uma consulta

Precisando de algum tipo de ajuda ou apoio relacionado a sua saúde ou estética bucal? Clique no botão abaixo!

Postagens Recentes

Receba Nossos Conteúdos

Preencha seu e-mail acima e receba conteúdos exclusivos gratuitamente!

© All rights reserved

Simpatio 2020

As informações contidas neste site têm como objetivo único informar. A Simpatio tem o compromisso de estimular, e nunca substituir, as relações entre dentistas e pacientes. Sempre deixamos isso muito claro nos textos e na comunicação com nossos leitores. É fundamental que o paciente, ao notar qualquer alteração em sua saúde bucal, consulte seu dentista de confiança. Cada indivíduo requer um tratamento personalizado.