Síndrome de Williams exige acompanhamento odontológico

Share on facebook
Compartilhe
Share on twitter
Tweet Isso
Share on linkedin
Compartilhe

O portador da síndrome de Williams pode desenvolver diversas manifestações orais

A genética está associada a problemas congênitos, ou seja, que acompanham a pessoa desde o nascimento. Portanto, essas disfunções ou anomalias podem seguir para a vida toda, como é o caso da síndrome de Williams.

A síndrome de Williams é uma desordem rara de 21 genes no cromossomo 7. Ela acomete o sexo masculino e o feminino na mesma proporção.

A síndrome de William é conhecida também como “face de gnomo”, por conta de suas características físicas bastante específicas. Ela não tem cura e o tratamento interdisciplinares visa aumentar a qualidade de vida da pessoa.

Confira quais são as características marcantes de pacientes diagnosticado com a síndrome de William-Beuren.

  • Nariz pequeno e empinado;
  • Dentes pequenos e espaçados;
  • Sorriso frequente;
  • Lábios carnudos;
  • Cabelos encaracolados;
  • Baixa estatura corporal;
  • Peito escavado;
  • Queixo pequeno;
  • Baixo tônus muscular;
  • Déficit de atenção;
  • Voz anasalada;
  • Atraso no desenvolvimento cognitivo;
  • Problema renal;
  • Excesso de cálcio no sangue.

É comum que o paciente apresente complicações na coordenação e no equilíbrio, por conta do atraso gerado pela síndrome no desenvolvimento motor. Assim, é mais demorado o processo de aprendizado de andar, por exemplo.

Por outro lado, quem sofre com essa patologia demonstra uma facilidade com música. Principalmente em decorar melodias e canções.

Diagnóstico da Síndrome William-Beuren

O diagnóstico da doença pode ser feito por meio dos sintomas dos pacientes.

No entanto, se eles por si só não permitirem que o médico identifique-a, é possível que seja solicitado um exame genético para dar confirmar sua presença.

 Síndrome de Williams e a Odontologia

Como dissemos, os portadores da patologia possuem alterações na face e nos dentes. Dessa forma, podem exibir ausência de dentes, alterações em sua forma e problemas de oclusão e nos tecidos gengivais.

Além disso, eles podem desenvolver facilmente alguns disfunções sistêmicas, como a endocardite bacteriana, porque já possuem uma predisposição.

Manifestações Odontológicas da Síndrome

Para facilitar o entendimento, vamos evidenciar cada distúrbio bucal de pacientes com a síndrome de WB:

  • Diastema – diastema é o espaço extra na separação entre os dentes. Embora ocorra geralmente nos dentes incisivos centrais superiores, não significa que não possa acontecer nos outros, como é o que acontece com os portadores da síndrome.
  • Má oclusão – oclusão dentária é o contato entre a parte superior e inferior da arcada. Se esse encaixe for desalinhado, é constatado algum tipo de má oclusão. Frequentemente, é identificado a oclusão de classe III nos pacientes com a síndrome. Isso significa que a diferença de tamanho está relacionada com os dentes inferiores, que se apresentam extremamente menores do que os inferiores. Por isso, há o avanço da mandíbula.
  • Gengivite – a gengivite é uma inflamação da gengiva devido ao acúmulo de placa bacteriana nos dentes, resultando em dor, vermelhidão, inchaço e sangramento.
  • Anodontia parcial – a anodontia refere-se à ausência de um ou mais dentes. Ela envolve tanto a dentição decídua quanto a permanente.
  • Dilaceração radicular – a dilaceração radicular é uma anomalia que afeta a estrutura dentária. Ela pode atingir a raiz ou a coroa do dente, formando curvaturas nessas regiões. É mais habitual em incisivos centrais superiores e inferiores.
  • Hábitos parafuncionais – dentre os hábitos parafuncionais presentes em pacientes com a síndrome, os dois que mais se destacam são o apertamento e o bruxismo.
  • Endocardite bacteriana – a endocardite é uma infecção do endocárdio, o revestimento interno do coração. Ela acontece quando bactérias de outras partes do corpo se espalham pela corrente sanguínea, contaminando a outra região. Recorrentemente, são os microrganismos presentes na cavidade bucal.

Portanto, quem sofre da síndrome de Williams precisa fazer um acompanhamento odontológico de perto.

Silmara Alves Rozo Ducatti

Silmara Alves Rozo Ducatti

Cirurgiã-dentista graduada pela Universidade do Oeste Paulista (UNOESTE) e especialista em Ortodontia pelo Sindicato dos Odontologistas de Mato Grosso do Sul (SIOMS).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sobre a Simpatio

Somos dedicados em criar conteúdo de qualidade e informativo. Nossa missão é informar pacientes, dentistas e clínicas provendo conteúdos altamente relevantes sobre odontologia e saúde bucal gratuitamente.

Agende uma consulta

Precisando de algum tipo de ajuda ou apoio relacionado a sua saúde ou estética bucal? Clique no botão abaixo!

Postagens Recentes

Receba Nossos Conteúdos

Preencha seu e-mail acima e receba conteúdos exclusivos gratuitamente!

© All rights reserved

Simpatio 2018

As informações contidas neste site têm como objetivo único informar. A Simpatio tem o compromisso de estimular, e nunca substituir, as relações entre dentistas e pacientes. Sempre deixamos isso muito claro nos textos e na comunicação com nossos leitores. É fundamental que o paciente, ao notar qualquer alteração em sua saúde bucal, consulte seu dentista de confiança. Cada indivíduo requer um tratamento personalizado.