Perfuração radicular pode ser selada com cimento MTA

Share on facebook
Compartilhe
Share on twitter
Tweet Isso
Share on linkedin
Compartilhe

Entenda um pouco mais sobre esse tipo de lesão dentária

Você já ouviu falar sobre a perfuração radicular? Trata-se de uma lesão dentária que pode acometer qualquer pessoa, inclusive dentro do consultório odontológico.

Neste artigo você irá aprender tudo sobre a perfuração radicular, suas principais causas e formas de tratamento.

Perfuração radicular é um acidente de técnica em que é feita uma abertura artificial, comunicando a câmara pulpar, canais radiculares e tecidos periapicais.

Quais as causas para uma perfuração radicular?

Esses acidentes, em geral, ocorrem devido a causas iatrogênicas, que geralmente consistem em:

  • Falta de conhecimento da anatomia dentária;
  • Calcificação total da câmara coronária e terço cervical;
  • Falhas na análise da radiografia de diagnóstico;
  • Desgastes acentuados e mal direcionados;
  • Falta de pré-curvamento das limas em caso de canais curvos.

Patologias como cárie, reabsorções internas e externas, também podem ser fatores desencadeadores desses acidentes.

Diagnóstico da perfuração radicular

A perfuração pode ser diagnosticada pelo aparecimento súbito de hemorragia no canal radicular ou por sua persistência após a remoção do tecido pulpar.

O diagnóstico também pode ocorrer, por exemplo, por meio de uma exploração clínica, aspecto radiográfico mostrando a lima no periodonto, constatação de lesão lateral e pino direcionado fora do longo eixo da raiz.

Como é o tratamento da perfuração radicular?

O ideal é que a perfuração seja selada o mais rápido possível. Assim, o seu prognóstico será muito mais favorável, principalmente quando se tratar de perfurações envolvendo o terço cervical e da câmara pulpar.

Isso porque a região está muito próxima do meio bucal. Portanto, a contaminação por bactérias estabelecendo um processo infeccioso no local se torna mais fácil.

O que pode causar a perda do dente afetado, caso o reparo não seja efetuado rapidamente.

Entretanto, existe uma exceção. Para o terço médio e apical da raiz, não é necessário um selamento imediato, desde que a área esteja devidamente protegida da infiltração bacteriana.

Além disso, existem alguns fatores específicos que podem alterar o prognóstico do dente perfurado, como por exemplo:

  • Localização (terço cervical, médio ou apical);
  • Extensão, presença ou ausência de bolsa periodontal;
  • Tempo decorrido entre a perfuração e o tratamento;
  • Compatibilidade biológica e a capacidade seladora do material obturador.

Desse modo, para que o tratamento obtenha resultados satisfatórios, o ideal é que a perfuração seja selada com um material:

  • Biocompatível;
  • Capaz de produzir um bom selamento;
  • Com boas propriedades físicas;
  • Radiopaco;
  • Não reabsorvível;
  • Fácil manipulação;
  • Com capacidade de promover osteogênese e cementogênese.

Material ideal para o selamento de perfurações radiculares

As qualidades e limitações dos materiais, até então rotineiramente utilizados para o selamento de perfurações dentárias, impulsionaram a busca por um material que se aproxime das características de um selador ideal.

Com o propósito de suprir tais deficiências e a partir da evolução tecnológica dos novos materiais, surgiu na década de 90, na Universidade de Loma Linda, Califórnia, um novo cimento denominado agregado trióxido mineral (MTA).

Desde então, vários estudos foram realizados com esse elemento, analisando:

  • Sua biocompatibilidade;
  • Suas propriedades físicas e químicas;
  • Antimicrobianas;
  • Citotoxicidade;
  • Mutagenicidade;
  • Capeamento pulpar;
  • Análise da capacidade seladora em obturações retrógradas;
  • Adaptação marginal em microscopia eletrônica de varredura (MEV);
  • Sua utilização em perfurações radiculares.

O MTA também pode ser utilizado em:

  • Tratamentos conservadores da polpa dentária;
  • Tratamentos de apicigênese e apicificação;
  • Como material selador de perfurações resultantes de reabsorções internas e externas comunicantes;
  • Como material obturador de sistemas de canais radiculares de dentes decíduos e permanentes;
  • Como material reparador de fraturas radiculares verticais e horizontais;
  • Como plug apical.

A capacidade de formação de tecido mineralizado do MTA pode ser atribuída A sua habilidade de selamento, biocompatibilidade, alcalinidade ou, até mesmo, por outras propriedades associadas.

Por isso ele é um elemento tão utilizado no selamento da perfuração radicular, proporcionando, assim, um altíssimo índice de sucesso.

Silmara Alves Rozo Ducatti

Silmara Alves Rozo Ducatti

Cirurgiã-dentista graduada pela Universidade do Oeste Paulista (UNOESTE) e especialista em Ortodontia pelo Sindicato dos Odontologistas de Mato Grosso do Sul (SIOMS).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sobre a Simpatio

Somos dedicados em criar conteúdo de qualidade e informativo. Nossa missão é informar pacientes, dentistas e clínicas provendo conteúdos altamente relevantes sobre odontologia e saúde bucal gratuitamente.

Agende uma consulta

Precisando de algum tipo de ajuda ou apoio relacionado a sua saúde ou estética bucal? Clique no botão abaixo!

Postagens Recentes

Receba Nossos Conteúdos

Preencha seu e-mail acima e receba conteúdos exclusivos gratuitamente!

© All rights reserved

Simpatio 2020

As informações contidas neste site têm como objetivo único informar. A Simpatio tem o compromisso de estimular, e nunca substituir, as relações entre dentistas e pacientes. Sempre deixamos isso muito claro nos textos e na comunicação com nossos leitores. É fundamental que o paciente, ao notar qualquer alteração em sua saúde bucal, consulte seu dentista de confiança. Cada indivíduo requer um tratamento personalizado.