Detalhes do nervo trigêmeo e sua importância na Odontologia

Share on facebook
Compartilhe
Share on twitter
Tweet Isso
Share on linkedin
Compartilhe

O nervo trigêmeo tem função mista: motora e sensitiva

Os nervos são componentes essências do nosso sistema nervoso periférico. Eles são responsáveis pela comunicação entre os órgãos efetores e de sensibilidade. Dentre tantos nervos, hoje vamos detalhar o nervo trigêmeo.

Os nervos são fibras envolvidas pelo tecido conjuntivo. Cada fibra é formada pelo axônio e envoltos vela bainha. Podemos classificar os nervos como cranianos e espinhais, e sensoriais e motores, como o nervo trigêmeo.

Nervo trigêmeo é um nervo sensitivo responsável pelo controle das sensações do rosto, assim como outros nervos dessa região, e motora, como a musculatura da mastigação.

Sua fibra contém tecidos nervosos sensitivos e motores que fazem seu percurso por meio dos ramos do trigêmeo.

Ou seja, trata-se de um nervo de função mista (motora e sensitiva). No entanto, a função do nervo trigêmeo que prevalece é a sensitiva.

Esse nervo, junto com homólogo centralateral, é o quinto par de nervos cranianos (V)

Nervos Cranianos

São chamados de “nervos cranianos” os nervos que são conectados ao encéfalo.

Esses nervos formam um grupo de doze pares  que são numerados em algorismos romanos. Os nervos cranianos podem ser classificados pela função sensitiva ou motora. São eles:

  • Nervo Olfativo (I) – Sensitivo
  • Nervo Óptico (II) – Sensitivo
  • Nervo Motor Ocular (III) – Motor
  • Nervo Troclear (IV) – Motor
  • Nervo Trigêmeo (V) – Sensitivo e Motor
  • Nervo Motor Ocular Externo (VI) – Motor
  • Nervo Facial (VII) – Sensitivo e Motor
  • Nervo Auditivo (VIII) – Sensitivo
  • Nervo Glossofaríngeo (IX) – Sensitivo e Motor
  • Nervo Vago (X) – Sensitivo e Motor
  • Nervo Espinhal (XI) – Motor
  • Nervo Grande Hipoglosso (XII) – Motor

Classificações do Nervo Trigêmeo

Podemos definir e classificar o nervo trigêmeo da seguinte forma:

Ramos

  • Ramo Oftalmológico
  • Ramo Maxilar
  • Ramo Mandibular

Núcleos

  • Núcleo mesencefálico
  • Núcleo principal
  • Núcleo espinhal

Inervação

  • Inervação Motora:
  • Sensitiva

Os Ramos no Nervo Trigêmeo

O nervo trigêmeo possui esse nome por possuir três ramificações que enervam a fronte, a face, as laterias da cabeça e parte do pescoço. São eles:

Ramo oftalmológico (V1): superior

O nervo oftalmológico é primeiro do ramo do nervo trigêmeo e também o menor.

Desse modo, é incumbido na enervação da área oftalmológica e consiste em fibras sensitivas aparentes (que vai de um membro até o sistema nervoso central).

Ramo maxilar (V2): médio

Nervo que acompanha o maxilar superior. Consiste em fibras sensitivas afarentes (que vai de um membro até o sistema nervoso central), parassimpáticas e simpáticas.

O nervo maxilar é incumbido de enervação do maxilar, das narinas, lábio superior, parte da área temporal e área zigomático-facial.

Podemos destacar aqui uma importante ramificação nesse nervo, responsável pela inervação dos dentes da arcada superior, o nervo alveolar superior.

Ramo mandibular (V3): inferior

Nervo que acompanha a mandíbula. Responsável por conduzir informações sensitivas do terço inferior da face (como lábio inferior, mandíbula e área temporal por exemplo).

Além disso, o nervo mandibular também é incumbido de fornecer ramos motores para os músculos da mastigação.

Assim, uma das ramificações desse nervo é nervo lingual, responsável pelo inervamento da língua.

Núcleos do Nervo Trigêmeo

  1. Núcleo mesencefálico: encontrado no mesencéfalo, contém os neurônios incumbidos da propriocepção da mandíbula, ATM, dentes e outros.
  2. Núcleo principal: como o próprio nome já afirma, é o principal núcleo do nervo trigêmeo, incumbido da sensação do tato.
  3. Núcleo espinhal: esse núcleo está relacionado diretamente com a assimilação da dor e da temperatura, sendo um núcleo sensitivo.

Inervação do Nervo Trigêmeo

A raiz sensitiva é a mais lateral e volumosa, enquanto a raiz motora é menos espessa. Entre as duas há a língula, uma ponte de substância nervosa.

Sua função sensitiva está relacionada à sensibilidade superior da face. Por exemplo, o tato, a sensação de dor e a temperatura.

Além disso, é responsável por inervar os dois terços anteriores da língua, a mucosa bucal e nasal e a articulação temporomandibular (ATM).

A função motora, por outro lado, é responsável por inervar os músculos mastigatórios, tais quais:

  • Masseter;
  • Milohioídeo;
  • Pterigoideo medial;
  • Temporal;
  • Digástrico.

Onde Fica o Nervo Trigêmeo?

A origem aparente está localizada no encéfalo, entre a ponte e o pedúnculo cerebelar médio,

Após sair do crânio é possível ver a porção oftálmica do nervo na fissura orbital superior, a porção maxilar no forame redondo e a porção mandibular no forame oval.

E a Neuralgia do Trigêmeo?

A neuralgia do trigêmeo é uma condição do nervo trigêmeo que desencadeia uma dor extremamente aguda que envolve um lado da face. Além disso, pode ter duração de segundos ou até minutos.

Pessoas acometidas pela neuralgia do trigêmeo comparam a dor com facadas, tiros, fisgadas e choques, por exemplo.

A dor da neuralgia trigêmea é considerada uma das dores mais intensas e agudas das dores crônicas paroxísticas.

Ás vezes, pode não ocorrer uma única vez, tornando-se repetitiva e duradoura.

De forma que não há uma frequência específica para seu surgimento, podendo se manifestar uma única vez na vida, de dias em dias ou até algumas vezes em um único dia.

O único e real consentimento entre as pessoas acometidas por essa condição é sua terrível intensidade e o episódio inesquecível da primeira vez que sentiu a dor no nervo trigêmeo.

Quais São as Causas Dessa Condição?

A neuralgia do trigêmeo não tem uma causa aparente. Assim, sabe-se apenas que ela costuma atingir pessoas mais idosas, apesar de não ser uma regra.

Acredita-se também que o emocional pode desencadear tal condição, sendo suscitado em pessoas que estão passando por alguma fase emocional mais complicada.

Portanto, isso não significa que o emocional tenha relação direta com a própria dor. Ou seja, não é a emoção que “simula” esta dor.

Essa condição pode ser explicada, mais tecnicamente, como o processo de degeneração da bainha que envolve o nervo trigêmeo por causa da idade.

Desta forma, ao perder essa bainha, o nervo pode sofrer algo como descargas elétricas.

Pessoas acometidas da Neuralgia do Trigêmeo, apesar de se assustarem (e muito) com a dor, não costumam procurar um especialista no primeiro momento.

Elas costumam procurar ajuda apenas se os sintomas se repetem.

Indivíduos com sintomas da Neuralgia do Trigêmeo devem procurar um especialista de sua confiança imediatamente.

Afinal essa condição está diretamente ligada ao nervo trigêmeo, importante componente do sistema nervoso periférico.

Valdir de Oliveira

Valdir de Oliveira

Cirurgião-dentista graduado em Odontologia pela Universidade de Santo Amaro (UNISA). Pós-graduado em Ortodontia e Ortopedia dos Maxilares pela Sboom. Com especialização e mestrado em Implantodontia, habilitação em Harmonização Orofacial e Anatomia da Face. Professor nas áreas de Cirurgia Bucomaxilo Facial e Harmonização Orofacial. Voluntário há mais de 20 anos na Agência Adventista de Desenvolvimento e Recursos Assistenciais - ADRA Brasil.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sobre a Simpatio

Somos dedicados em criar conteúdo de qualidade e informativo. Nossa missão é informar pacientes, dentistas e clínicas provendo conteúdos altamente relevantes sobre odontologia e saúde bucal gratuitamente.

Agende uma consulta

Precisando de algum tipo de ajuda ou apoio relacionado a sua saúde ou estética bucal? Clique no botão abaixo!

Postagens Recentes

Receba Nossos Conteúdos

Preencha seu e-mail acima e receba conteúdos exclusivos gratuitamente!

© All rights reserved

Simpatio 2020

As informações contidas neste site têm como objetivo único informar. A Simpatio tem o compromisso de estimular, e nunca substituir, as relações entre dentistas e pacientes. Sempre deixamos isso muito claro nos textos e na comunicação com nossos leitores. É fundamental que o paciente, ao notar qualquer alteração em sua saúde bucal, consulte seu dentista de confiança. Cada indivíduo requer um tratamento personalizado.