Materiais de moldagem têm padrões e indicações diferentes

Share on facebook
Compartilhe
Share on twitter
Tweet Isso
Share on linkedin
Compartilhe

Os materiais de moldagem são responsáveis por reproduzir uma cópia exata da arcada dentária do paciente

É comum os pacientes relatarem uma aversão dos materiais de moldagem. Em especial do alginato, que é aquela massa rosa colocada nas moldeiras.

Com a constante evolução da odontologia, alguns dentistas vêm deixando de lado o uso dos materiais de moldagem. Como substituto, os profissionais optam pelo uso do scanner intraoral.

Materiais de moldagem têm como função reproduzir o modelo da boca do paciente. São utilizados para planejar diversos tratamentos, principalmente os que envolvem ortodontia, como aparelhos fixos e móveis, e implantes.

Os materiais podem ser rígidos ou elásticos, e seu uso vai depender de diversos fatores. Agora, vamos listar os equipamentos de moldagem odontológica e como eles atuam.

Materiais de moldagem rígidos

Os materiais podem ser rígidos ou elásticos.

Os rígidos não estão relacionados com retenções nos dentes ou no osso. Por isso, são usados em pacientes edêntulos, ou seja, que apresentam perda de dentes. Godiva, pasta de zinco enólica e gesso são as substâncias utilizadas.

  • Godiva – é termoplástico. Sua temperatura de transição vítrea gira em torno de 55ºC a 60ºC. Acima disso, adquire nova forma, tornando-se macia. Quando está na boca, sofre resfriamento, o que faz com que enrijeça e tome a forma da arcada dentária. Não há reação química durante seu uso. Portanto, ela é aconselhada para uma efetuação rápida e simples de um molde individual.
  • Pasta zinco enólica – é composta pela combinação de duas pastas, uma que é feita à base de óxido de zinco, óleo de oliva, óleo de linhaça, acetado de zinco e um pouco de água. A outra é uma pasta catalisadora feita de eugenol e cargas. A pasta zinco enólica fornece uma alta reprodução da cavidade bucal sem que haja deslocamento. É importante ressaltar que o material fica rígido após a reação. Por isso, não é indicado para assinalar novas áreas retentivas.
  • Gesso – quando a água é adicionada ao gesso, forma-se uma pasta macia. A composição da substância está sulfato de cálcio, sulfato de potássio, bórax e amido. Desse modo, o dentista precisa ficar atento às bolhas de ar que surgem durante o procedimento, que podem causar defeitos no molde.

Existem cinco tipos de gessos:

  • Gesso para moldagem odontológica (tipo 1);
  • Gesso para modelo (tipo 2);
  • Gesso-pedra (tipo 3);
  • Gesso-pedra de alta resistência (tipo 4);
  • Gesso-pedra de alta resistência e alta expansão (tipo 5).

Materiais de moldagem elásticos

Os materiais de moldagem odontológica elástico dividem-se em: hidrocoloides e elastômeros.

Eles têm a capacidade de moldar regiões retentivas. Desse modo, podem ser usados em pessoas com edentulismo ou que sejam totalmente dentados.

Os elementos hidrocoloides são ágar e alginato. Já os elastômeros, polissulfeto, poliéter, silicone de adição e de condensação.

Hidrocoloides

  • Ágar – é um sulfato galactose que, quando está misturado com a água, elabora um coloide. Ele passa para o estado líquido entre 71ºC e 100ºC. Para ficar em condição de gel, é preciso deixá-lo entre 30ºC e 50ºC. São parecidos com termoplásticos e podem ser utilizados mais de uma vez.
  • Alginato – feitos a partir de ácido algínico, proveniente de uma alga marinha. São fornecidos na forma de pó, que deve ser misturado completamente com água antes do uso. É importante utilizar água que esteja na temperatura entre 18ºC e 24ºC. Por isso, o alginato é provavelmente o material de moldagem mais conhecido.

Elastômeros

Não são tão proveitosos quanto os hidrocoloides para a realização de moldagens de pacientes dentados.

O poliéter, o polissulfeto e as siliconas devem ser removidos por um rápido movimento. Eles costumam se deformar nesse processo. Assim, se retirados lentamente, os deixará ainda mais desfigurados, sendo difícil estabiliza-los.

Eles são caracterizados por uma alta resistência ao rasgamento por conseguir reproduzir imensamente os detalhes da arcada dentária, atingindo níveis que nem o gesso consegue, por exemplo.

Mas, como dissemos, é necessário saber manipulá-los para alcançarem a qualidade desejada.

Em resumo, vimos que existem vários materiais de moldagem. Portanto, caberá ao dentista identificar qual o mais indicado para ocasião e saber como manuseá-lo para reproduzir o modelo exato da boca do paciente.

Ramiro Murad Saad Neto

Ramiro Murad Saad Neto

Cirurgião-dentista graduado em Odontologia pela UNIC. Gestor de clínicas odontológicas e franquias. Residente em Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial Facial no Sindicato dos Odontologistas de São Paulo (SOESP - SP). Habilitação em Harmonização Orofacial e integrante da equipe Bucomaxilofacial Dr. Carlos Eduardo Xavier na Clínica da Villa, em São Paulo. CRO - 118151

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sobre a Simpatio

Somos dedicados em criar conteúdo de qualidade e informativo. Nossa missão é informar pacientes, dentistas e clínicas provendo conteúdos altamente relevantes sobre odontologia e saúde bucal gratuitamente.

Agende uma consulta

Precisando de algum tipo de ajuda ou apoio relacionado a sua saúde ou estética bucal? Clique no botão abaixo!

Postagens Recentes

Receba Nossos Conteúdos

Preencha seu e-mail acima e receba conteúdos exclusivos gratuitamente!

© All rights reserved

Simpatio 2018

As informações contidas neste site têm como objetivo único informar. A Simpatio tem o compromisso de estimular, e nunca substituir, as relações entre dentistas e pacientes. Sempre deixamos isso muito claro nos textos e na comunicação com nossos leitores. É fundamental que o paciente, ao notar qualquer alteração em sua saúde bucal, consulte seu dentista de confiança. Cada indivíduo requer um tratamento personalizado.