Importância da hemostasia no tratamento odontológico

Share on facebook
Compartilhe
Share on twitter
Tweet Isso
Share on linkedin
Compartilhe

É importante que o dentista saiba do processo de coagulação do paciente antes de qualquer cirurgia

O sangue é necessário para o funcionamento do corpo humano. Sem ele, não há vida. Ele é responsável pelo transporte de oxigênio e nutrientes, conduz hormônios pelo organismo e defende o corpo de organismos perigosos. Quando um vaso sanguíneo é lesionado ou interrompido, o corpo reage. O termo dado para essa resposta é hemostasia.

A hemostasia é responsável por parar sangramentos, como hemorragia, ou previne a formação de coágulos, como a trombose. É uma ação que visa o equilíbrio para que a cicatrização seja rápida e efetiva. Em outras palavras:

Hemostasia é uma resposta do organismo para o sangramento ou interrupção de vasos sanguíneos. Ela bloqueia a lesão vascular com o objetivo de garantir a fluidez do sangue. Mas, para que seja eficaz, é necessário que haja um número adequado de plaquetas, bons níveis dos fatores de coagulação e do sistema fibrinolítico.

Processo de Hemostasia

A primeira fase da coagulação é chamada de hemostasia primária. Nessa fase, quando há uma lesão no vaso sanguíneo, forma-se um tampão hemostático temporário no local danificado.

É onde as plaquetas e o fibrinogênio atuam para interromper o sangramento.

Logo depois, acontece a conversão do fibrinogênio (proteína solúvel) em fibrina (proteína insolúvel). Esse processo ocorre por meio dos fatores de coagulação (ou proteínas plasmáticas circulantes).

Essa última etapa é chamada de hemostasia secundária. Em seguida, a fibrina se liga às plaquetas para formar um coágulo definitivo. E, por fim, ocorre a cicatrização da ferida.

Anormalidades na Hemostasia

Existem algumas doenças e alterações hereditárias que dificultam o processo homeostático. Confira:

Trombocitopenia:

É um sangramento muco-cutâneo que envolve pequenos vasos superficiais e produz petéquias na pele ou nas mucosas.

Pode resultar de um aumento de destruição plaquetária, diminuição na produção ou aumento da sequestração esplênica.

Trombocitopatia:

Quando o tempo de sangramento é prolongado. Pode acontecer pelo uso de drogas (como a aspirina), por insuficiência renal ou ser congênita.

Falta de vitamina K:

A falta dessa vitamina causa deficiência dos fatores de coagulação. Isso acontece porque os fatores II (protrombina), VII, IX e X são produzidos no fígado e a síntese de suas formas ativas requer esse complexo K.

Hemofilia A:

É hereditária e transmitida de modo recessivo ao cromossomo X, sendo mais diagnosticada em homens. Os pacientes com esse tipo de hemofilia têm baixa presença do fator de coagulação VIII.

Assim, correm o risco de ter um sangramento significativo ou uma hemorragia, após procedimentos cirúrgicos.

Hemostasia em Odontologia

É importante que o dentista pergunte sobre a condição dos mecanismos homeostáticos ao paciente para que não haja riscos durante alguma cirurgia.

Por exemplo, perguntar sobre sangramentos fáceis ou problemas de coagulação e saber se existe histórico familiar de distúrbios hemorrágicos.

Antes de cirurgias dentárias de médio e grande porte, o paciente deve realizar exame de sangue para identificar algum problema nos mecanismos de coagulação.

Dessa forma, o paciente pode ser classificado em uma das três categorias:

  • Baixo risco;
  • Moderado;
  • Alto risco.

Os pacientes com qualquer distúrbio hemorrágico devem evitar aspirinas e anti-inflamatórios não-esteroides (indometacina, fenilbutazona, ibuprofeno, naproxeno, etc).

O motivo é eles que prejudicam a associação das plaquetas que entraram em contato com esses medicamentos por um período de sete a dez dias.

O dentista pode identificar possíveis distúrbios hemorrágicos no sangramento gengival espontâneo ou nas equimoses (sangue acumulado em área com grandes hematomas) e petéquias (sangramento ou hemorragia sob a pele que formam pequenas manchas vermelhas na pele) em superfície mucosa na boca dos pacientes.

Gostou de saber mais sobre a hemostasia? Continue conferindo os textos da Simpatio para saber mais sobre as patologias que influenciam a odontologia.

Silmara Alves Rozo Ducatti

Silmara Alves Rozo Ducatti

Cirurgiã-dentista graduada pela Universidade do Oeste Paulista (UNOESTE) e especialista em Ortodontia pelo Sindicato dos Odontologistas de Mato Grosso do Sul (SIOMS).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sobre a Simpatio

Somos dedicados em criar conteúdo de qualidade e informativo. Nossa missão é informar pacientes, dentistas e clínicas provendo conteúdos altamente relevantes sobre odontologia e saúde bucal gratuitamente.

Agende uma consulta

Precisando de algum tipo de ajuda ou apoio relacionado a sua saúde ou estética bucal? Clique no botão abaixo!

Postagens Recentes

Receba Nossos Conteúdos

Preencha seu e-mail acima e receba conteúdos exclusivos gratuitamente!

© All rights reserved

Simpatio 2020

As informações contidas neste site têm como objetivo único informar. A Simpatio tem o compromisso de estimular, e nunca substituir, as relações entre dentistas e pacientes. Sempre deixamos isso muito claro nos textos e na comunicação com nossos leitores. É fundamental que o paciente, ao notar qualquer alteração em sua saúde bucal, consulte seu dentista de confiança. Cada indivíduo requer um tratamento personalizado.