Displasia cemento óssea periapical afeta a saúde bucal

Share on facebook
Compartilhe
Share on twitter
Tweet Isso
Share on linkedin
Compartilhe

Entenda como a doença afeta nosso organismo

Alguma vez em sua vida você já ouviu falar sobre a displasia cemento óssea periapical? A doença é relativamente rara, mas mesmo assim é importante tomar bastante cuidado com ela.

Por isso, elaboramos um artigo com tudo o que você deve saber sobre a displasia cemento óssea periapical. Então, que tal começar pela definição da anomalia?

A displasia cemento óssea periapical ou DCOP, como também é conhecida, é uma lesão fibro óssea, caracterizada pela gradativa substituição do tecido ósseo sadio por tecido fibroso.

Trata-se de uma condição idiopática que possui origem no ligamento periodontal. Desta maneira, pode acometer tanto maxila quanto mandíbula, quer de forma isolada, quer em um grupo de elementos dentais.

Displasia cemento óssea periapical e as lesões ósseas

É importante saber que de maneira geral, como as lesões fibro ósseas vão progressivamente provocando a substituição do tecido ósseo, radiograficamente estas patologias apresentarão características diferentes de acordo com sua maturação. Isto é, com a sua idade.

Isso significa que lesões mais recentes apresentam aspecto imaginológico predominantemente radiolúcido/hipodenso. Enquanto lesões em um estágio intermediário terão aspecto de densidade mista.

Por fim, podemos citar que as lesões mais antigas apresentam-se predominantemente radiopacas/hiperdensas.

A DCOP é autolimitante. Ou seja, este tipo de displasia, quando alcança seu estágio final de maturação não provocará aumento de volume expressivo de osso cortical.

Os dentes associados à DCOP respondem positivamente ao teste de vitalidade pulpar. Entretanto, eles podem sofrer alterações de acordo com o estado da doença, como iremos acompanhar mais adiante.

Fases da displasia cemento óssea periapical

Diversos autores classificam a anomalia em três fases distintas. Vamos acompanhar e entender um pouquinho mais sobre cada uma delas:

Fase 1 – Osteolítica

Trata-se do primeiro momento da doença. É durante essa fase que ocorre a lise óssea. Aqui, as características radiográficas são predominantemente radiolúcidas.

O curioso é que a lesão é radiograficamente idêntica a uma rarefação óssea periapical oriunda de um processo inflamatório.

O que difere as duas situações, clinicamente falando, é que durante a rarefação o elemento dental acometido não apresenta vitalidade pulpar.

Assim, podemos considerar a rarefação óssea periapical mais preocupante que a displasia. Entretanto, ambas devem ser tratadas o quanto antes e da melhor maneira possível.

Fase 2 – Cementoblástica

Este é o estágio intermediário da doença. Como já citamos anteriormente, ele é representado pela densidade mista da estrutura óssea afetada.

Isso, de certa maneira, indica que o osso está sendo substituído durante a aquisição da radiografia. A ação acontece de forma contínua, por meio do tecido fibroso do paciente.

Fase 3- Maturação

É considerado o estágio final da anomalia óssea. Aqui, a displasia cementária periapical apresenta o ápice da aposição do tecido fibroso do paciente acometido na região periapical.

A radiografia, neste caso, é predominantemente hiperdensa e envolta por um halo radiolúcido.

Diagnóstico e Tratamento

O diagnóstico diferencial de lesões radiolúcidas dos maxilares representa, habitualmente, um importante desafio para o dentista.

Com isso, a biópsia constitui uma valiosa ferramenta no estabelecimento do diagnóstico definitivo, essencial para a implementação de uma adequada estratégica terapêutica para o combate a displasia cemento óssea periapical.

Valdir de Oliveira

Valdir de Oliveira

Cirurgião-dentista graduado em Odontologia pela Universidade de Santo Amaro (UNISA). Pós-graduado em Ortodontia e Ortopedia dos Maxilares pela Sboom. Com especialização e mestrado em Implantodontia, habilitação em Harmonização Orofacial e Anatomia da Face. Professor nas áreas de Cirurgia Bucomaxilo Facial e Harmonização Orofacial. Voluntário há mais de 20 anos na Agência Adventista de Desenvolvimento e Recursos Assistenciais - ADRA Brasil.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sobre a Simpatio

Somos dedicados em criar conteúdo de qualidade e informativo. Nossa missão é informar pacientes, dentistas e clínicas provendo conteúdos altamente relevantes sobre odontologia e saúde bucal gratuitamente.

Agende uma consulta

Precisando de algum tipo de ajuda ou apoio relacionado a sua saúde ou estética bucal? Clique no botão abaixo!

Postagens Recentes

Receba Nossos Conteúdos

Preencha seu e-mail acima e receba conteúdos exclusivos gratuitamente!

© All rights reserved

Simpatio 2020

As informações contidas neste site têm como objetivo único informar. A Simpatio tem o compromisso de estimular, e nunca substituir, as relações entre dentistas e pacientes. Sempre deixamos isso muito claro nos textos e na comunicação com nossos leitores. É fundamental que o paciente, ao notar qualquer alteração em sua saúde bucal, consulte seu dentista de confiança. Cada indivíduo requer um tratamento personalizado.