Paciente com anemia falciforme requer tratamento diferenciado

Share on facebook
Compartilhe
Share on twitter
Tweet Isso
Share on linkedin
Compartilhe

Doença tem manifestações bucais, e dentistas precisam estar atentos aos sintomas dos pacientes

Existem diversas doenças que podem ser transmitidas geneticamente, é o caso da anemia falciforme. Apesar de ser hereditária, a doença só irá se manifestar se o gente for passado pelo pai e pela mãe.

Ainda assim, o portador do gene da anemia falciforme pode transmiti-lo mesmo que a doença não se manifeste. Ela recebe esse nome por conta da mudança nos glóbulos vermelhos do sangue, que lembram uma foice.

Anemia falciforme é uma doença hereditária caracterizada pela alteração dos glóbulos vermelhos do sangue. A membrana dessas células é alterada e acabam se rompendo com facilidade, causando então a anemia.

Como a Anemia Falciforme se manifesta?

As hemácias do sangue quando normais possuem um formato de disco, são flexíveis, e apresentam hemoglobina do tipo A, pigmentada.

Este pigmento, além de ser responsável pela cor vermelha dessas células e do nosso sangue, permite o transporte de oxigênio para as diversas regiões do corpo.

Assim, pessoas que apresentam a doença falciforme, possuem hemoglobina S ao invés de hemoglobina do tipo A.

Uma das suas principais características é se cristalizar quando a concentração de oxigênio diminui, fazendo com que as paredes das hemácias se rompam e mudem seu formato.

Logo, são gerados glóbulos vermelhos que duram menos e assim dificultam a passagem do sangue por alguns vasos sanguíneos menores, prejudicando então a oxigenação dos tecidos.

Principais Sintomas da Anemia Falciforme

A doença pode se manifestar de formas diferentes, variando de paciente para paciente. Uns com sintomas mais fortes e outros mais leves. Porém, em todos os casos, começam a aparecer no primeiro ano de vida da criança.

Seus principais sintomas são:

  • Dor forte provocada devido ao bloqueio do fluxo sanguíneo má oxigenação nos tecidos;
  • Dores articulares;
  • Fadiga intensa;
  • Palidez e icterícia, onde os olhos, pés e a pele ficam amarelados.
  • Atraso no crescimento;
  • Aparecimento de feridas nas pernas;
  • Pacientes ficam mais vulneráveis a infecções;
  • Cálculos biliares;
  • Problemas neurológicos, cardiovasculares, pulmonares e renais;

Seu diagnóstico é simples. Por meio da eletroforese de hemoglobina, o exame laboratorial específico para o diagnóstico da anemia falciforme, é possível identificar.

Alem disso, a presença da hemoglobina S pode ser detectada pelo teste do pezinho quando a criança nasce.

Manifestações Bucais da Doença Falciforme

Uma vez que a doença pode se manifestar em diferentes áreas do corpo e quaisquer tecidos podem ser afetados, com a cavidade bucal não é diferente.

Desse modo, os achados clínicos mais comuns que aparecem em um paciente portador da doença são:

  • Palidez da mucosa oral;
  • Língua lisa, sem cor e despapilada, resultante da anemia ou icterícia;
  • Atraso na erupção dentária;
  • Periodontite;
  • Hipoplasias e opacidades dentárias.

Por conta da deposição insuficiente de cálcio causada pela doença, é comum que ocorra assim uma hipo mineralização do esmalte e da dentina.

Além disso, é mais comum observar na saúde bucal em pacientes portadores da anemia falciforme que há a presença de doenças periodontais.

Protocolo de Atendimento para Anemia Falciforme

Existe ainda um protocolo para atender esses pacientes portadores da doença que envolve principalmente:

  1. Anamnese criteriosa;
  2. Avaliação médica;
  3. Realização do tratamento odontológico durante as fases crônicas da doença;
  4. Realização de consultas curtas;
  5. Evitar procedimentos longos e complicados;
  6. Manter níveis adequados de oxigenação e temperatura corporal;
  7. Usar medicamentos pré-anestésicos em pacientes ansiosos;
  8. Incentivar uma higiene bucal preventiva eficaz;
  9. Evitar infecções orais;
  10. Evitar realização de cirurgias eletivas em casos assintomáticos;
  11. As dores devem ser tratadas com paracetamol, dipirona ou codeína;
  12. Evitar a prescrição de barbitúricos;
  13. Realização de profilaxia antibiótica em procedimentos que sangram;
  14. Uso da técnica de óxido-nitroso com nível adequado de oxigenação ventilação adequada;
  15. Realização de sedação endovenosa e anestesia geral com precaução e acompanhamento médico.

Como observamos então, a anemia falciforme é uma doença comum e com tratamento. Assim como muitas outras, seu diagnóstico certeiro auxilia nesse momento.

Valdir de Oliveira

Valdir de Oliveira

Cirurgião-dentista graduado em Odontologia pela Universidade de Santo Amaro (UNISA). Pós-graduado em Ortodontia e Ortopedia dos Maxilares pela Sboom. Com especialização e mestrado em Implantodontia, habilitação em Harmonização Orofacial e Anatomia da Face. Professor nas áreas de Cirurgia Bucomaxilo Facial e Harmonização Orofacial. Voluntário há mais de 20 anos na Agência Adventista de Desenvolvimento e Recursos Assistenciais - ADRA Brasil.

Compartilhe sua opinião

Sobre a Simpatio

Somos dedicados em criar conteúdo de qualidade e informativo. Nossa missão é informar pacientes, dentistas e clínicas provendo conteúdos altamente relevantes sobre odontologia e saúde bucal gratuitamente.

Agende uma consulta

Precisando de algum tipo de ajuda ou apoio relacionado a sua saúde ou estética bucal? Clique no botão abaixo!

Postagens Recentes

Receba Nossos Conteúdos

Preencha seu e-mail acima e receba conteúdos exclusivos gratuitamente!