Ameloblastoma unicístico é recorrente na mandíbula

Share on facebook
Compartilhe
Share on twitter
Tweet Isso
Share on linkedin
Compartilhe

As causas do ameloblastoma unicístico podem ou não estar ligadas aos dentes que não se romperam

Tumores odontogênicos são lesões que se originam a partir dos tecidos epitelial e mesenquimal. Um deles, o ameloblastoma unicístico, que abordaremos no artigo, é derivado do epitélio.

O ameloblastoma unicístico apresenta três características radiográficas: regiões radiolúcidas, uniloculares e com margens bastante definidas. Na maioria das ocorrências, ele é encontrado na mandíbula, perto dos dentes molares.

O ameloblastoma unicístico é uma variação do ameloblastoma, um tipo de neoplasia odontogênica benigna que é bastante invasivo. Dessa forma, é importantíssimo retirá-lo totalmente.

Do contrário, existem grandes chances de haver reincidência.

A gravidade do ameloblastoma varia de acordo com seu padrão. O mais grave é o mural. O menos, o luminal. O intraluminal é o meio-termo de ambos.

Na metade dos casos, o problema é diagnosticado a partir dos 20 anos de idade.

Causas do Ameloblastoma Unicístico

As causas do ameloblastoma unicístico  de mandíbula não são muito exatas. Elas podem ou não estar ligadas a dentes inclusos, ou seja, aqueles que não conseguiram irromper das gengivas.

Aparentemente, é muito fácil confundi-lo com o cisto dentígero, que é um acúmulo de líquido no local onde não houve a erupção do dente.

Ou com ceratocisto odontogênico, um tumor de crescimento rápido e que invade os tecidos ao seu redor.

Tratamento do Ameloblastoma Unicístico

Existem dois tipos de tratamentos dos ameloblastomas: os que usam técnicas conservadoras e os que usam as radicais. Vamos dividi-los para entender melhor sobre eles.

Técnicas Conservadoras

O principal método conservador inicia-se por meio da marsupialização, abrindo uma fenda na região do cisto para que seja possível drenar o líquido que se encontra ali. Assim, a lesão é descomprimida.

Em seguida, o dentista faz uma manobra dupla, executando a enucleação e a curetagem.

A enucleação é uma cirurgia que remove totalmente o cisto. Ela é indicada quando a remoção não trará nenhuma consequência, como restar compostos do cisto no lugar.

Se o problema tiver acometido o osso, pode ser que o dentista tenha que fazer um enxerto ósseo, mas isso acontece em casos mais raros.

Por sua vez, a curetagem, que é recomendada para retirar a placa bacteriana e o tártaro acumulados nos dentes e na gengiva, serve para ajudar a extrair os resquícios do ameloblastoma.

Técnicas Radicais

Dentro das técnicas radicais destacam-se as ressecções segmentar e marginal.

A ressecção segmentar remove um pedaço do osso sem colocar um enxerto posteriormente, enquanto a marginal extrai a lesão deixando um estrutura de sustentação para o osso que não foi retirado.

Tratamento do Ameloblastoma Cístico em Crianças

O tratamento do ameloblastoma unicístico em criança age de uma maneira um pouco diferente. Ele procura sempre preservar o osso, sem que haja alterações na mandíbula, o que poderia prejudicar seu crescimento.

Embora prolongue o tratamento, por ser um método conservador, o profissional pode empregar a marsupialização, já que subtrai o tamanho do tumor.

Reincidência do Ameloblastoma

Não é muito comum a reincidência do ameloblastoma. Mas, para isso, é preciso que, em algum momento, ele seja integralmente extirpado.

É imprescindível que o paciente faça um acompanhamento médico durante os cinco primeiros anos após a cirurgia.

Outros Tipos de Ameloblastoma

Além do unicístico, existem outros dois ameloblastomas, o multicístico e o periférico. Vejamos como eles atuam:

  • Ameloblastoma multicístico: é o mais habitual. Divide-se em dois tipos, o folicular e o plexiforme. Normalmente aloca-se na mandíbula, próximo também aos dentes molares;
  • Ameloblastoma periférico: é o mais incomum. Ele afeta somente os tecidos, sem atingir os ossos.

Portanto, ao notar qualquer diferença na cavidade bucal, procure pelo dentista o mais breve possível. Quanto mais cedo o ameloblastoma unicístico for tratado, melhor será o prognóstico.

Ramiro Murad Saad Neto

Ramiro Murad Saad Neto

Cirurgião-dentista graduado em Odontologia pela UNIC. Gestor de clínicas odontológicas e franquias. Residente em Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial Facial no Sindicato dos Odontologistas de São Paulo (SOESP - SP). Habilitação em Harmonização Orofacial e integrante da equipe Bucomaxilofacial Dr. Carlos Eduardo Xavier na Clínica da Villa, em São Paulo. CRO - 118151

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sobre a Simpatio

Somos dedicados em criar conteúdo de qualidade e informativo. Nossa missão é informar pacientes, dentistas e clínicas provendo conteúdos altamente relevantes sobre odontologia e saúde bucal gratuitamente.

Agende uma consulta

Precisando de algum tipo de ajuda ou apoio relacionado a sua saúde ou estética bucal? Clique no botão abaixo!

Postagens Recentes

Receba Nossos Conteúdos

Preencha seu e-mail acima e receba conteúdos exclusivos gratuitamente!

© All rights reserved

Simpatio 2020

As informações contidas neste site têm como objetivo único informar. A Simpatio tem o compromisso de estimular, e nunca substituir, as relações entre dentistas e pacientes. Sempre deixamos isso muito claro nos textos e na comunicação com nossos leitores. É fundamental que o paciente, ao notar qualquer alteração em sua saúde bucal, consulte seu dentista de confiança. Cada indivíduo requer um tratamento personalizado.