Síndrome de Rett é uma desordem rara e afeta mulheres

Share on facebook
Compartilhe
Share on twitter
Tweet Isso
Share on linkedin
Compartilhe

Quase que exclusiva do sexo feminino, começa a apresentar sintomas nos primeiros meses de vida

Apesar de ser consequência de uma mutação genética, a Síndrome de Rett raramente é hereditária. Essa doença grave costuma se manifestar nos primeiros meses de vida e afeta predominantemente meninas.

Nos casos em que a Síndrome de Rett é encontrada em meninos, a ausência de cromossomos X não permite que sobrevivam por muito tempo.

Síndrome de Rett é uma desordem neurológica provocada por uma mutação genética. Dentre as características da doenças estão: alterações progressivas nas funções motoras e intelectual e distúrbios de comportamento.

Apesar de sua gravidade e raridade, algumas mulheres portadoras da mutação sobrevivem até setenta anos com os devidos cuidados médicos.

Como a Síndrome de Rett se manifesta?

O bebês portadores da síndrome se desenvolvem normalmente nos primeiros meses de vida. Os sintomas costumam surgir somente após os seis meses.

Os sinais estão ligados a problemas no desenvolvimento e dificuldades com movimentos, coordenação e comunicação. Geralmente, ocorre uma regressão dos ganhos psicomotores.

A criança passa a se isolar, deixa de responder e brincar. O crescimento craniano, até então normal, também apresenta clara tendência para o desenvolvimento mais lento, ocorrendo microcefalia adquirida.

Dessa forma, com o passar dos anos, muitos perdem a capacidade de usar as mãos, andar e de comunicar-se com outras pessoas.

Durante muito tempo a Síndrome de Rett foi diagnosticada de maneira equivocada como autismo, paralisia cerebral ou, até mesmo, como um problema de desenvolvimento sem maior conhecimento.

Com o passar dos anos e o avanço da tecnologia, novas informações sobre a doença surgiram. E apesar de ainda não apresentar uma cura, formas alternativas de tratamento vêm sendo estudadas e se mostrando eficaz.

Estágios da Síndrome de Rett

Conforme os sintomas da doença vão evoluindo, novas características e particularidades vão surgindo. Podemos dividi-la, então, em quatro estágios:

  1. Estágio I: ocorre do 6° ao 18° mês de vida. Nessa fase, os primeiros sintomas estão ainda surgindo, porém, muitas vezes acabam passando despercebidos pelos pais e até mesmo pelos médicos que não conhecem a doença. Os sinais mais apresentados por parte da criação são a falta de interação, dificuldades ao engatinhar, hiptonia, perdem o interesse por brinquedos e evitam contato com os olhos;
  2. Estágio II: de 2 a 4 anos de idade. Aqui, o que se observa é o início de perda da fala e do uso proposital das mãos. Ao invés disso, começam a realizar movimentos repetitivos e involuntários. Muitos apresentam também problemas respiratórios e distúrbios do sono, gritando ou tendo crises de riso durante a noite;
  3. Estágio III: dos 4 aos 10 anos de idade. Esse estágio pode durar por um longo tempo. A maioria dos problemas anteriores continuam, mas, problemas motores, crises convulsivas e escoliose se tornam muito marcantes. Porém, o contato visual, a comunicação e interação social, costumam melhorar.
  4. Estágio IV: dos 10 anos para frente. Na última fase, os sintomas característicos são a mobilidade reduzida, escoliose e muita fraqueza muscular. Na mesma proporção, esse estágio é muito complicado pois o risco de morte súbita é o mais alto.

Síndrome de Rett na Odontologia

O papel do profissional de odontologia, é observar algumas manifestações bucais que podem ocorrer nos estágio da doença. Entre elas podemos reparar:

  • Protrusão lingual;
  • Mordida aberta anterior;
  • Hipersalivação;
  • Palato ogival e maxila estreita;
  • Bruxismo e mastigação deficiente no segundo estágio da síndrome.

Além dessas características orais, é possível observar ainda certos hábitos, como por exemplo, morder as mãos, cuspir, babar, morder ou esfregar o dorso das mãos contra os dentes e os lábios.

Muitos costumam ainda levar objetos à boca com ajuda de ambas as mãos.

É importante que o profissional conheça a Síndrome de Rett e possa fazer a abordagem odontológica da forma mais adequada possível, mantendo o paciente confortável e sabendo lidar com o caso tão delicado.

O diagnóstico da doença é baseado na avaliação clínica de cada um dos pacientes e deve ser feito por um profissional habilitado como neurologistas e pediatras.

Com o devido acompanhamento profissional e interdisciplinar, mulheres portadoras da Síndrome de Rett conseguem passar dos 60 anos de idade, contendo o avanço dos sintomas.

Silmara Alves Rozo Ducatti

Silmara Alves Rozo Ducatti

Cirurgiã-dentista graduada pela Universidade do Oeste Paulista (UNOESTE) e especialista em Ortodontia pelo Sindicato dos Odontologistas de Mato Grosso do Sul (SIOMS).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sobre a Simpatio

Somos dedicados em criar conteúdo de qualidade e informativo. Nossa missão é informar pacientes, dentistas e clínicas provendo conteúdos altamente relevantes sobre odontologia e saúde bucal gratuitamente.

Agende uma consulta

Precisando de algum tipo de ajuda ou apoio relacionado a sua saúde ou estética bucal? Clique no botão abaixo!

Postagens Recentes

Receba Nossos Conteúdos

Preencha seu e-mail acima e receba conteúdos exclusivos gratuitamente!

© All rights reserved

Simpatio 2020

As informações contidas neste site têm como objetivo único informar. A Simpatio tem o compromisso de estimular, e nunca substituir, as relações entre dentistas e pacientes. Sempre deixamos isso muito claro nos textos e na comunicação com nossos leitores. É fundamental que o paciente, ao notar qualquer alteração em sua saúde bucal, consulte seu dentista de confiança. Cada indivíduo requer um tratamento personalizado.