Luva de Látex na odontologia: principais usos e riscos de alergia

Share on facebook
Compartilhe
Share on twitter
Tweet Isso
Share on linkedin
Compartilhe

Saiba qual a importância do uso da luva de látex na Odontologia

Uma diversidade enorme de acidentes podem acontecer em qualquer ambiente de trabalho. E nos consultórios odontológicos, não é diferente. Por isso, a luva de látex é tão importante!

O interessante é que este material não visa somente cuidar da saúde do dentista como também do paciente. Além disso, existem luvas de diversos materiais, como nitrilo e vinil. Entretanto, neste artigo, falaremos principalmente sobre a luva de látex.

Luva de látex é um material de proteção utilizado na odontologia e em outras diversas áreas da saúde. Elas protegem tanto o paciente quanto o profissional, evitando o contato entre eles.

Lembrando que durante os procedimentos realizados nas clínicas e consultórios, há troca de fluídos constante, o que pode gerar uma contaminação por microrganismos.

Sobre a Luva de Látex

Antes de qualquer coisa, é importante saber que a luva odontológica faz parte dos equipamentos de proteção individual (EPI), bastante utilizados na odontologia e em outras áreas da saúde.

Este grupo inclui todos os materiais de uso individual, utilizado pelo trabalhador, destinados à proteção de riscos e ameaças à segurança e à saúde no trabalho.

Nos consultórios odontológicos, esses equipamentos protegem dos riscos gerados pelo contato com o sangue e outros fluídos, que podem desencadear diversas doenças.

Mais adiante falaremos especificamente sobre as luvas. Mas agora, que tal entendermos um pouco mais sobre os outros EPI’s e suas particularidades?

Máscaras

Respirar sem a máscara deixa o profissional suscetível ao contato com os fluídos corporais e sangue. Isso pode desencadear a contaminação por vírus ou bactérias. Por isso, a máscara protege a região da boca e do nariz.

Além da proteção do dentista e seu auxiliar, as máscaras também protegem o paciente, que poderia ficar exposto quando o dentista se aproximasse ou conversasse perto da sua boca.

Óculos

Assim como a máscara, que protege a boca e o nariz, os óculos protegem os olhos de contaminações. Elas podem ser provocadas por microrganismos presentes no atendimento odontológico.

Também evitam que eventuais partículas maiores alcancem os olhos e causem qualquer tipo de trauma.

Exemplos de partículas sólidas que podem atingir os olhos são as extraídas durante os processos de remoção de restaurações e cimentos.

Touca ou Gorro

Toucas e gorros protegem o dentista e o paciente. Evitam que o cabelo entre em contato com os procedimentos e  também funciona como uma barreira física.

Eles impedem o contato de gotículas de saliva, de sangue e aerossóis, que possam estar em suspensão no consultório odontológico durante o atendimento.

Avental ou Jaleco

Também é um dos equipamentos de proteção que funciona como uma barreira física. Evita o contato do corpo com fontes de contaminação como gotículas de saliva, de sangue e aerossóis.

Deve possuir mangas longas, gola alta e comprimento suficiente para vestir até abaixo dos joelhos.

Protetor Para os Pés

O uso de sapatos fechados é essencial e previne o profissional de acidentes decorrentes da queda de instrumentos cortantes que podem machucar o pé e causar uma contaminação.

É imprescindível que o sapato esteja completamente fechado, sem detalhes ou pequenos furos. Ainda, de preferência, produzidos em couro sintético.

Os sapatos fechados completam os equipamentos de proteção individual do consultório odontológico. Eles devem ser usados apenas neste ambiente para evitar contaminações de terceiros ou outras dependências do local.

Para Que Serve a Luva de Látex?

As luvas são usadas pois evitam o contato direto da pele do dentista com os fluidos corporais do paciente.

Além disso, elas também protegem o profissional do contato com produtos químicos utilizados comumente em consultórios odontológicos.

Ainda, é importante destacar que existem dois tipos de luva. As de procedimentos cirúrgicos e as de procedimentos não cirúrgicos.

As de procedimentos não cirúrgico são usadas em processos simples.

Por não serem esterilizadas, seu uso é recomendado nas limpezas e colocações de resina em dentes quebrados, quando não há contato com sangue ou fluídos corporais.

Já as luvas de procedimento cirúrgico são esterilizadas. Por isso, devem ser usadas por dentistas nos tratamentos que envolvem contato com sangue e outros fluídos do corpo que podem causar infecções.

É imprescindível sua utilização, além de ser importante procurar por luvas com aprovação da ANVISA e do Ministério do Trabalho.

Qual o Motivo Para a Luva de Látex Ser Feita Desse Material?

É importante dizer que o tipo de material utilizado na luva do dentista é escolhido a partir da função que ela irá exercer. E essa avaliação depende de alguns fatores importantes, tais como:

  • Quem está em risco (paciente ou profissional);
  • Necessidade de luvas estéreis ou não estéreis;
  • Atividade a ser realizada (asséptica ou não asséptica);
  • Potencial de exposição a sangue ou fluidos corporais potencialmente contaminados;
  • Total de tempo de utilização da luva;
  • Sensibilidade do paciente ou do profissional de saúde ao material da luva. Ou seja, caso o paciente ou o profissional possuam hipersensibilidade à luvas de látex, o ideal é que elas não sejam utilizadas.

Fora isso, o preço do material é bastante acessível o que leva muitos profissionais a optarem por ele. As luvas feitas de látex ainda são extremamente confortáveis e oferecem uma barreira de proteção potente.

Alergia ao Látex

A alergia ou hipersensibilidade ao látex é um assunto bastante recorrente no meio odontológico e da saúde. Esta, pode provocar desde uma leve urticária até uma perigosa anafilaxia, uma reação grave e sistêmica.

Essas reações estão associadas à hipersensibilidade tipo I, que geralmente são causadas por anticorpos específicos para o látex que estão presentes em nossa circulação sanguínea.

Elas representam as únicas verdadeiras formas de reação alérgica ao látex.

Por isso é importante que você tenha autoconhecimento de seu corpo, para saber o que é saudável ou não para seu organismo. Vale lembrar que em caso de alergia, você deve procurar um especialista e nunca se automedicar.

A automedicação, seja em casos de alergia à luva de látex ou em qualquer outra ocasião, nunca é uma boa ideia. O consumo de medicamentos sem a prescrição de um dentista poderia acarretar em uma intoxicação ou até mesmo a criação de microrganismos mais resistentes e mais nocivos ao nosso organismo.

Valdir de Oliveira

Valdir de Oliveira

Cirurgião-dentista graduado em Odontologia pela Universidade de Santo Amaro (UNISA). Pós-graduado em Ortodontia e Ortopedia dos Maxilares pela Sboom. Com especialização e mestrado em Implantodontia, habilitação em Harmonização Orofacial e Anatomia da Face. Professor nas áreas de Cirurgia Bucomaxilo Facial e Harmonização Orofacial. Voluntário há mais de 20 anos na Agência Adventista de Desenvolvimento e Recursos Assistenciais - ADRA Brasil.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sobre a Simpatio

Somos dedicados em criar conteúdo de qualidade e informativo. Nossa missão é informar pacientes, dentistas e clínicas provendo conteúdos altamente relevantes sobre odontologia e saúde bucal gratuitamente.

Agende uma consulta

Precisando de algum tipo de ajuda ou apoio relacionado a sua saúde ou estética bucal? Clique no botão abaixo!

Postagens Recentes

Receba Nossos Conteúdos

Preencha seu e-mail acima e receba conteúdos exclusivos gratuitamente!

© All rights reserved

Simpatio 2020

As informações contidas neste site têm como objetivo único informar. A Simpatio tem o compromisso de estimular, e nunca substituir, as relações entre dentistas e pacientes. Sempre deixamos isso muito claro nos textos e na comunicação com nossos leitores. É fundamental que o paciente, ao notar qualquer alteração em sua saúde bucal, consulte seu dentista de confiança. Cada indivíduo requer um tratamento personalizado.