Disjunção palatina é uma técnica que expande o maxilar estreito

Share on facebook
Compartilhe
Share on twitter
Tweet Isso
Share on linkedin
Compartilhe

A disjunção palatina coloca um tipo de aparelho no céu da boca para realizar o processo de expansão

O palato, conhecido popularmente como céu da boca, separa a cavidade bucal da nasal. Divide-se em palato duro, que é a parte anterior dele, e mole, a posterior. Ele também pode ser acometido por algum distúrbio, normalmente congênito. Assim, é preciso realizar a disjunção palatina.

A disjunção palatina restabelece as funções orais, inibindo todos os problemas que eram estimulados anteriormente.

A disjunção palatina é usada somente na parte de cima da cavidade bucal, no osso maxilar. A expansão rápida da maxila é indicada para pessoas com o palato muito estreito ou que apresentam prognatismo.

Funcionamento da Disjunção Palatina

O dentista fixa bandas metálicas nos dentes molares, segurando o expansor palatino no céu da boca do paciente. Em seu centro há uma chave para que o profissional controle a separação do palato.

A força proporcionada separa a sutura palatina, a linha que diferencia as duas metades do osso maxilar. Isso faz com que a arcada dentária superior amplie.

É importante ressaltar que o tracionamento é contínuo, sem interrupções. Somente dessa maneira será possível expandir a maxila.

Quando os dois dentes incisivos centrais aparentarem um leve diastema, quer dizer que o palato foi alargado para a posição correta.

Posteriormente, o dentista poderá corrigir o problema estético do sorriso da pessoa, ou seja, a pequena abertura por meio de aparelhos ortodônticos.

Se não for tratada

A disjunção palatal reabilita a saúde bucal. O palato estreito provoca o aparecimento de alguns problemas para o paciente. Vejamos quais são:

  • Dor de cabeça;
  • Má oclusão (que gera dificuldades de mastigar);
  • Apneia do sono;
  • Ronco;
  • Inclinação dentária;
  • Retração gengival.

Quanto mais novo for o paciente, mais rápido será a expansão da maxila. Há a possibilidade do procedimento não ser efetivo em pessoas mais velhas. Assim, passaria a ser necessário intervir cirurgicamente.

Atenções durante o tratamento

Por estar unido ao seu da boca e aos dentes, torna-se mais fácil o acúmulo de placa bacteriana porque, agora, é difícil alcançar a região durante a higienização bucal.

Por isso, o paciente tem de se atentar ao fazer a limpeza, buscando remover o máximo de impureza que conseguir.

Ele pode utilizar a escova unitufo, que possui uma pequena cerda na ponta de uma das hastes. Seu formato cônico permite atingir lugares acanhados. Dessa forma, diminui os riscos de surgir cárie e doenças periodontais, por exemplo, que são causadas por conta da placa.

Vejamos como esses problemas atuam:

Cárie

A cárie é uma forma de deterioração dos dentes, representando uma lesão estrutural ocasionada por bactérias que perfuram o esmalte dental. Dependendo da gravidade, causam dor e desconforto ao paciente.

O tratamento é através da obturação. O dentista limpa a cavidade do dente e, em seguida, tapa-a com resina composta ou amálgama, dois tipos de materiais restauradores.

Doenças periodontais

As doenças periodontais afetam o tecido gengival. Elas dividem-se em duas: gengivite e periodontite.

  • Gengivite

É uma inflamação da gengiva acarretada pelo acúmulo de placa. Seus sintomas são dor, inchaço, vermelhidão e sangramento.

Para tratá-la, basta retirar a placa, pois a gengiva irá desinflamar.

  • Periodontite

É a evolução da gengivite. Ela compromete todos os tecidos de suporte ao redor do dente, principalmente ossos e ligamentos. Pode resultar na perda de dentes por fragilidade óssea adquirida.

Existem duas maneiras de fazer o tratamento, por recursos cirúrgicos ou não cirúrgicos. Os cirúrgicos aplicam matriz do do esmalte dental e fazem a regeneração tecidual guiada. Os não cirúrgicos removem a placa e efetuam a raspagem e o alisamento radicular.

Fique tranquilo. A disjunção palatina é uma técnica bastante tranquila e o resultado é compensador, já que melhora a qualidade de vida do paciente.

Ramiro Murad Saad Neto

Ramiro Murad Saad Neto

Cirurgião-dentista graduado em Odontologia pela UNIC. Gestor de clínicas odontológicas e franquias. Residente em Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial Facial no Sindicato dos Odontologistas de São Paulo (SOESP - SP). Habilitação em Harmonização Orofacial e integrante da equipe Bucomaxilofacial Dr. Carlos Eduardo Xavier na Clínica da Villa, em São Paulo. CRO - 118151

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sobre a Simpatio

Somos dedicados em criar conteúdo de qualidade e informativo. Nossa missão é informar pacientes, dentistas e clínicas provendo conteúdos altamente relevantes sobre odontologia e saúde bucal gratuitamente.

Agende uma consulta

Precisando de algum tipo de ajuda ou apoio relacionado a sua saúde ou estética bucal? Clique no botão abaixo!

Postagens Recentes

Receba Nossos Conteúdos

Preencha seu e-mail acima e receba conteúdos exclusivos gratuitamente!

© All rights reserved

Simpatio 2020

As informações contidas neste site têm como objetivo único informar. A Simpatio tem o compromisso de estimular, e nunca substituir, as relações entre dentistas e pacientes. Sempre deixamos isso muito claro nos textos e na comunicação com nossos leitores. É fundamental que o paciente, ao notar qualquer alteração em sua saúde bucal, consulte seu dentista de confiança. Cada indivíduo requer um tratamento personalizado.