Carcinoma epitelial-mioepitelial afeta produção de saliva

Share on facebook
Compartilhe
Share on twitter
Tweet Isso
Share on linkedin
Compartilhe

Descubra as características dessa doença bastante rara

A saliva é fundamental para a manutenção da saúde bucal. Assim, quando sua produção é interrompida ou sofre alguma interferência, como em casos de carcino epitelial-mioepitelial, a boca pode estar em grande perigo.

Apesar disso, não é preciso se desesperar. O carcinoma epitelial-miopitelial é uma doença extremamente rara. Mas claramente, é sempre bom ficar atento.

Carcinoma epitelial-mioepitelial ou CEM, é um tumor  com predileção para as glândulas salivares, predominantemente a glândula parótida.

Trata-se de uma anomalia de baixo grau de malignidade.

Apesar da sua tendência para a recidiva local e baixo potencial metastático, raros casos de tumor de glândula salivar podem apresentar um comportamento agressivo, com metastização à distância.

Características do carcinoma epitelial-mioepitelial

Como já dissemos, a doença é extremamente rara, representando apenas 1% de todos os casos de tumores nas glândulas salivares.

Seu pico de incidência ocorre em idosos, principalmente durante sétima década de vida das pessoas. Além disso, o tumor possui uma leve predileção pelo sexo feminino.

A maioria dos CEMs surge nas glândulas salivares major, principalmente na glândula parótida. Mas eles podem surgir na glândula submandibular, bem como no palato.

Ainda existem relatos clínicos de carcinomas epiteliais-mioepiteliais que apareceram em outras regiões extra-orais, como na cavidade lacrimal, glândulas nasais e até mesmo nos brônquios.

Agora iremos falar um pouco sobre as características clínicas do CEM. Clinicamente, ele geralmente se apresenta como uma massa volumosa e de crescimento lento, variando de dois a 12 cm em sua maior dimensão.

Sintomas do Carcinoma Epitelial-Mioepitelial

Alguns dos sintomas mais comuns do carcinoma epitelial-mioepitelial são:

  • Massa ou nódulo no rosto, pescoço ou boca;
  • Dor contínua no rosto, pescoço ou boca;
  • Diferença entre o tamanho ou forma de um dos lados do rosto ou pescoço, comparado com o lado contralateral;
  • Dormência em parte do rosto;
  • Fraqueza nos músculos do rosto;
  • Problemas para abrir a boca amplamente;
  • Drenagem de líquido à região auricular;
  • Dificuldade para engolir.

Tratamento para Carcinoma Epitelial-Mioepitelial

Atualmente ainda não existe um consenso sobre a melhor forma de tratar o problema.

Entretanto, diversos profissionais adotam a intervenção cirúrgica como a primeira linha de defesa. Ela deve ser combinada a outros tratamentos.

Contudo, existe uma elevada taxa de recidiva local, que se aproxima de 40% em algumas séries de estudos de glândulas salivares. Alguns fatores que podem indicar esta recidiva são:

  • Margens positivas;
  • Invasão angiolinfática;
  • Necrose tumoral;
  • Anaplasia mioepitelial.

Assim, alguns especialistas adotam a radioterapia como uma prevenção pós tratamento para o CEM.

Outro tumores raros que afetam as glândulas salivares

Existem ainda outros tipos de tumores que, assim como o carcinoma epitelial-mioepitelial, são extremamente raros e podem afetar as nossas glândulas salivares. Vamos conhecê-los:

  1. Carcinoma Espinocelular – esse tipo de tumor ocorre principalmente em homens mais velhos e pode se desenvolver após tratamento radioterápico para outros tipos de câncer na região. Este tipo de tumor tende a ter um prognóstico pior.
  2. Carcinoma Anaplásico de Pequenas Células – as células desses tumores têm características similares aos nervos. Eles são frequentemente encontrados nas glândulas salivares menores e tem crescimento rápido.
  3. Carcinomas Indiferenciados – este grupo de tumores inclui o carcinoma de pequenas células indiferenciadas, o carcinoma indiferenciado de grandes células e o carcinoma linfoepitelial. Eles são de alto grau e muitas vezes se disseminam. O carcinoma linfoepitelial é mais comum em esquimós e em indígenas.

Agora você já conhece mais sobre o carcinoma epitelial-mioepitelial. É essencial estar sempre muito atento e consultar um profissional adequado caso você identifique qualquer anormalidade na região das glândulas salivares.

Valdir de Oliveira

Valdir de Oliveira

Cirurgião-dentista graduado em Odontologia pela Universidade de Santo Amaro (UNISA). Pós-graduado em Ortodontia e Ortopedia dos Maxilares pela Sboom. Com especialização e mestrado em Implantodontia, habilitação em Harmonização Orofacial e Anatomia da Face. Professor nas áreas de Cirurgia Bucomaxilo Facial e Harmonização Orofacial. Voluntário há mais de 20 anos na Agência Adventista de Desenvolvimento e Recursos Assistenciais - ADRA Brasil.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sobre a Simpatio

Somos dedicados em criar conteúdo de qualidade e informativo. Nossa missão é informar pacientes, dentistas e clínicas provendo conteúdos altamente relevantes sobre odontologia e saúde bucal gratuitamente.

Agende uma consulta

Precisando de algum tipo de ajuda ou apoio relacionado a sua saúde ou estética bucal? Clique no botão abaixo!

Postagens Recentes

Receba Nossos Conteúdos

Preencha seu e-mail acima e receba conteúdos exclusivos gratuitamente!

© All rights reserved

Simpatio 2020

As informações contidas neste site têm como objetivo único informar. A Simpatio tem o compromisso de estimular, e nunca substituir, as relações entre dentistas e pacientes. Sempre deixamos isso muito claro nos textos e na comunicação com nossos leitores. É fundamental que o paciente, ao notar qualquer alteração em sua saúde bucal, consulte seu dentista de confiança. Cada indivíduo requer um tratamento personalizado.