ABCDE do Trauma auxilia no socorro de pacientes

Share on facebook
Compartilhe
Share on twitter
Tweet Isso
Share on linkedin
Compartilhe

Entenda o passo a passo dessa técnica tão importante

Traumas faciais podem ser extremamente prejudiciais à saúde dos pacientes. Por isso, requer uma série de cuidados por parte dos profissionais da saúde. Pensando nisso, foi criado o ABCDE do trauma.

Diferente do que muitos podem pensar, o ABCDE do trauma não é exclusividade dos profissionais da saúde, uma vez que não é necessário saber tudo sobre esse tipo de lesão para colocá-lo em prática.

ABCDE do trauma engloba uma série de precauções que visam proteger a integridade física e a vida do paciente em situações de extremo risco.

No decorrer deste artigo ensinaremos tudo o que você precisa saber sobre esta técnica. Então, fique bem atento e acompanhe até o final.

Origem do nome ABCDE do trauma

O termo surgiu em meados da década de 70, desenvolvido por um renomado cirurgião ortopédico chamado Jim Styner. A ideia surgiu depois que ele sofreu um acidente de carro com a família.

Na ocasião, ele percebeu que os procedimentos de emergência eram extremamente falhos. Assim, resolveu estudar e se aprofundar no assunto.

As constatações e informações obtidas por ele foram surpreendentes. Elas auxiliam, até hoje, diversos médicos e socorristas no Brasil e no mundo.

Mas você deve estar se perguntando: qual é a origem do nome ABCDE? A verdade é que trata-se de uma sigla em inglês para cada uma das etapas do processo de primeiro socorro.

E devido a credibilidade passada pelos estudos realizados por Styner, a nomeação ficou famosa e se tornou um padrão mundial no que diz respeito à primeiros-socorros.

Quais são as etapas do procedimento?

Você deve ter ficado curioso para saber qual o significado de cada letra da sigla, não é mesmo? Não se preocupe! Agora nós iremos explicar tudinho. Portanto, fique bem atento!

Letra A

A letra A da sigla ABCDE significa airway. Trata-se da parte que cuida das vias aéreas do paciente traumatizado.

Durante essa parte do processo, o profissional deve analisar a coluna cervical da pessoa, avaliando se existe algum dano na região. Geralmente, o procedimento é feito de forma tátil.

É um momento muito importante, uma vez que danos em nossa coluna podem ser extremamente preocupantes e podem causar sequelas irreversíveis.

Em seguida, antes de partir para o próximo passo, o médico deve observar se há algum tipo de obstrução nas vias nasais do paciente. Feito isso, é possível seguir para a próxima etapa.

Letra B

A letra B indica a palavra breathing, que traduzida para o português significa respiração. Assim, nessa fase é importante avaliar a respiração real da vítima.

Com isso, avalia-se a movimentação do tórax, para saber se é necessário algum tipo de procedimento na região, e em último caso, fazer métodos de ventilação mecânica.

É fundamental ressaltar que mesmo que exista a comprovação da desobstrução das vias nasais, o cuidado para manter a vítima respirando é tão delicado e importante quanto a etapa anterior.

Letra C

Essa etapa esta relacionada com a circulação do paciente. Não é a toa que a letra C significa circulation.

É extremamente importante para garantir que não existe um quadro hemorrágico devido ao trauma, o que pode levar inclusive a morte da vítima.

Por isso, é essencial avaliar tanto os locais de hematoma quanto possíveis locais de hemorragia, que geralmente são indicados por manchas de coloração avermelhada na pele, pressão arterial irregular e sudorese.

Além disso, é fundamental observar o nível de consciência da pessoa. Enquanto ela estiver consciente, significa que os sintomas hemorrágicos não se agravaram.

Isso permite aos profissionais de saúde realizarem os processos de salvamento com mais precisão e uma certa “tranquilidade”, por saberem que a vítima ainda está fora da zona de perigo.

E nessa hora ,mais importante do que identificar as hemorragias, é conseguir pará-las definitivamente, evitando que o indivíduo sofra consequências ainda mais graves.

Letra D

O D indica disability, ou incapacidade, quando traduzido para a nossa língua. O interessante é que esta etapa é realizada previamente a primeira.

Entretanto, após os cuidados iniciais é importante que o médico realize uma reavaliação. Nela, é avaliado o nível de consciência da vítima após o acidente.

Para isso, existe um processo bem específico, chamado de AVDI, o qual indica uma série de ações de alerta e estímulo da vítima. Isso serve para saber qual seu estado atual.

Esses estímulos podem variar de consciência e estímulos verbais, a dor, ou a falta de resposta, indicando inconsciência.

A resposta para eles, ou a falta completa de ação da vítima, é encaminhada para uma escala conhecida como Escala de Glasgow e registrada para avaliações médicas mais profundas quando chegam ao hospital.

Letra E

A parte final do processo significa exposure ou exposição. Trata-se de uma avaliação mais precisa e fundamental para um resultado satisfatório do processo.

Assim, é necessário que os socorristas retirem a roupa das vítimas, deixando-as expostas a temperatura ambiente.

Durante essa parte é necessário envolver o corpo em mantas térmicas, após avaliar a situação da vítima, para que ela não sofra os efeitos de hipotermia, o que poderia prejudicar bastante o seu estado.

Existem casos mais específicos onde a exposição aos efeitos externos dessa forma não é necessária quando as causas são rapidamente identificadas.

Entretanto, as mantas térmicas continuam sendo utilizadas para garantir que o corpo não perca temperatura. Todo tipo de precaução é válida nessas ocasiões.

E quem pode realizar o ABCDE do trauma?

Como dissemos, não é necessário ser um expert no assunto para realizar o procedimento. Basta possuir um treinamento prévio.

Além disso, a grande maioria dos profissionais da saúde também pode efetuar o tratamento. Além disso, é importante destacar que caso você não possua treinamento, o ideal é nem ao menos tocar na vítima.

Isso pode piorar a situação da pessoa. Portanto, a única coisa que você deve fazer é evitar aglomerações, não tocar no enfermo e passar todas as informações que o socorrista pedir.

Entretanto, os melhores cursos de primeiros-socorros, seja para leigos ou para outros profissionais de saúde, sempre oferecem o treinamento completo nesse aspecto.

O ABCDE do Trauma chegou ao Brasil por volta de 1992, e atualmente conta com diversos tipos de programas de treinamento para socorristas em todo o território nacional, ajudando a salvar e cuidar de muitas vidas.

Ramiro Murad Saad Neto

Ramiro Murad Saad Neto

Cirurgião-dentista graduado em Odontologia pela UNIC. Gestor de clínicas odontológicas e franquias. Residente em Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial Facial no Sindicato dos Odontologistas de São Paulo (SOESP - SP). Habilitação em Harmonização Orofacial e integrante da equipe Bucomaxilofacial Dr. Carlos Eduardo Xavier na Clínica da Villa, em São Paulo. CRO - 118151

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sobre a Simpatio

Somos dedicados em criar conteúdo de qualidade e informativo. Nossa missão é informar pacientes, dentistas e clínicas provendo conteúdos altamente relevantes sobre odontologia e saúde bucal gratuitamente.

Agende uma consulta

Precisando de algum tipo de ajuda ou apoio relacionado a sua saúde ou estética bucal? Clique no botão abaixo!

Postagens Recentes

Receba Nossos Conteúdos

Preencha seu e-mail acima e receba conteúdos exclusivos gratuitamente!

© All rights reserved

Simpatio 2020

As informações contidas neste site têm como objetivo único informar. A Simpatio tem o compromisso de estimular, e nunca substituir, as relações entre dentistas e pacientes. Sempre deixamos isso muito claro nos textos e na comunicação com nossos leitores. É fundamental que o paciente, ao notar qualquer alteração em sua saúde bucal, consulte seu dentista de confiança. Cada indivíduo requer um tratamento personalizado.