Síndrome do incisivo central solitário é anomalia rara

Share on facebook
Compartilhe
Share on twitter
Tweet Isso
Share on linkedin
Compartilhe

Apesar de muito incomum, se manifesta em sua maioria no gênero feminino

Com uma etiologia ainda desconhecida, a síndrome do incisivo central solitário pode ser associada a uma mutação missense. Além de também ser associada à deleções nos cromossomas.

Dessa forma, a síndrome do incisivo central solitário é causada por uma alteração no desenvolvimento da oclusão dentária. É caracterizada por más formações estruturais, principalmente na região de linha média do paciente.

Síndrome do Incisivo Central Solitário é uma anomalia complexa, caracterizada por falhas no processo normal de desenvolvimento de estruturas. Esses defeitos ocorrem entre o trigésimo quinto e trigésimo oitavo dias no útero.

Como a síndrome do incisivo central solitário se manifesta?

Uma vez que as falhas acontecem, ocorre um envolvimento das estruturas da linha média da cabeça do paciente, resultando em alterações:

  • Dos ossos cranianos, caso clínico conhecido como microcefalia;
  • Das cavidades orbitais, chamado de hipotelorismo;
  • Dos dentes, com a presença de apenas um incisivo central superior na linha média da maxila;
  • Ao nível da nasofaringe, causando uma estenose médio-nasal, atresia da abertura nasal posterior ou estenose congênita da abertura piriforme;
  • Em alguns casos, acaba afetando também o cérebro, ocasionando uma holoprosencefalia.

Dessa forma, em cerca de metade dos casos, os pacientes apresentam baixa estatura.

Isso é resultado de uma deficiência isolada nos hormônios do crescimento ou até mesmo de um hipopituitarismo, podendo ser necessária a terapia hormonal.

Diagnosticando a Síndrome do Incisivo Central Solitário

O diagnóstico da síndrome do incisivo central único é obtido por meio de um exame de ultrassonografia entre a décima oitava e vigésima segunda semana de desenvolvimento.

Em certos casos pode ser realizado ainda por meio de testes genéticos em casos familiares. Porém, é raramente feito no período pré-natal.

Ainda assim, embora o diagnóstico possa ser feito sem grandes problemas no nascimento, deve ser feito, no mínimo, nos 8 meses após a erupção do incisivo superior decíduo.

Durante a ultrassonografia realizada pelo obstetra em uma rotina pré-natal nas primeiras 18 semanas de gestação, é possível verificar uma dimensão do crânio reduzida e algumas alterações na posição das órbitas e do nariz.

Olhando com uma vista anterior da boca aberta, pode-se ainda verificar alterações das:

  • Estruturas da linha média;
  • Anatomia dos alvéolos maxilares;
  • Ossos palatinos;
  • No nariz;
  • Saliência nos alvéolos e a elevação do lábio superior.

Como na maioria dos casos, o diagnóstico precoce é de extrema importância, especialmente em casos de holoprosencefalia.

Uma vez que está frequentemente associado a esta anomalia no desenvolvimento do cérebro, conseguir detectar a síndrome pode facilitar o acompanhamento médico e social da criança.

Tratamento para Síndrome do Incisivo Central Solitário

Na maioria dos casos, o plano de tratamento ortodôntico envolve uma expansão rápida da maxila.

Assim como apoio e interação com as especialidades da Prótese Dentária, Odontopediatria e Cirurgia e Traumatologia Buco Maxilofacial.

Ao final do tratamento, é recomendado ainda realizar um procedimento ortodôntico corretivo fixo.

Além disso, é indicado ainda aos pacientes que passem por um atendimento de uma equipe multidisciplinar contando com médicos, geneticistas, fonoaudiólogo e psicólogo.

A síndrome do incisivo central solitário pode estar associada a outros problemas de desenvolvimento. Por isso, como já foi dito, o diagnóstico rápido é importante para o tratamento. Ao menor sinal, consulte seu dentista!

Rodrigo Venticinque

Rodrigo Venticinque

Graduado pela Universidade de Santo Amaro (UNISA) e especialista em Prótese e Reabilitação Oral Integrativa, Biofísica Quântica, Biorressonância Aplicada e Ortomolecular. Pós-graduado em Estética Dental e Reabilitação Oral, com certificação em Remoção Segura da Amálgama e Odontologia Biológica pela Academia Internacional de Medicina Oral e Toxicologia. Professor da pós-graduação em Biofísica e Ortobiomolecular da QuantumBio. Também atua nas áreas de Ozonioterapia, Odontologia Sistêmica, Sedação Consciente com Óxido Nitroso e Hipnose. Diretor da clínica Venticinque Odontologia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sobre a Simpatio

Somos dedicados em criar conteúdo de qualidade e informativo. Nossa missão é informar pacientes, dentistas e clínicas provendo conteúdos altamente relevantes sobre odontologia e saúde bucal gratuitamente.

Agende uma consulta

Precisando de algum tipo de ajuda ou apoio relacionado a sua saúde ou estética bucal? Clique no botão abaixo!

Postagens Recentes

Receba Nossos Conteúdos

Preencha seu e-mail acima e receba conteúdos exclusivos gratuitamente!