Sialoendoscopia ajuda a definir disfunções salivares

Share on facebook
Compartilhe
Share on twitter
Tweet Isso
Share on linkedin
Compartilhe

Entenda mais sobre as glândulas salivares e sobre como a técnica é realizada

É fato que a saliva é bastante importante para a nossa saúde bucal. Por isso, caso ela pare de ser produzida podemos enfrentar grandes complicações. Assim, pode ser necessária uma sialoendoscopia.

A sialoendoscopia foi desenvolvida na Suíça e na Alemanha. Relatos indicam que tenha se desenvoldido em meados da década de 90. Mas, afinal, que técnica é essa?

Sialoendoscopia é uma modalidade criada para tratar e examinar doenças benignas que possam acometer as glândulas salivares dos pacientes.

A verdade é que, inicialmente, ela foi bastante usada para o diagnóstico de cálculos obstrutivos.

Entretanto, com o passar do tempo, os especialistas começaram a entender a endoscopia salivar como um procedimento menos agressivo quando comparado à cirurgia de remoção de glândulas acometidas.

Desde então ela vem se popularizando e ganhando adeptos no mundo todo.

Agora iremos entender como essa técnica é realizada. Acompanhe!

Sobre as glândulas salivares

As glândulas salivares são glândulas exócrinas, que secretam saliva e outras substâncias. Elas podem ser separadas em dois grupos principais: as maiores e as menores.

Glândulas maiores

As glândulas maiores são três:

  1. Glândula Parótida: está localizada na parte posterior da boca, próxima as articulações temporomandibulares (ATM), mas seus ductos chegam até o meio das bochechas;
  2. Glândula Submandibular: está localizada abaixo do revestimento da mandíbula, portanto, só pode ser encontrada na parte inferior da boca;
  3. Glândula Sublingual: das três, essa é a mais visível e fácil de ser encontrada. Como o próprio nome aponta, ela está localizada embaixo da língua.

Glândulas menores

As glândulas menores são cinco e estão espalhadas por certos pontos da boca:

  1. Labial: pode ser encontrada na região dos lábios, tanto na porção superior quanto na inferior;
  2. Vestibular;
  3. Glossopalatina: localizadas na região do palato;
  4. Palatina: localizadas na região posterior do palato;
  5. Lingual: estão espalhadas por toda a língua, órgão que precisa estar constantemente úmido com saliva.

Como é feita a sialoendoscopia?

Como já dissemos, o procedimento é muito menos invasivo que uma cirurgia de remoção de glândulas. Entretanto, isso não significa que ele é necessariamente simples.

Trata-se de uma ação que pode ser diagnóstica ou cirúrgica. Nela, se usa um mini endoscópio, de 0,75 a 1,6 mm de espessura, que é introduzido no ducto das glândulas salivares. Esses ductos podem ser:

  1. Sublingual;
  2. Submandibular;
  3. Parótida.

Assim, além de conseguir um diagnóstico mais preciso, também é possível efetuar a irrigação e o tratamento de patologias e cálculos das glândulas salivares.

Para a realização do procedimentos são usados aparelhos bastante específicos. Eles recebem o nome de sialoendoscópios.

Esse é um método que promete revolucionar o tratamento de disfunções salivares, pois evita cirurgias maiores, preservando as glândulas e suas funções, sendo muito mais benéfico aos pacientes.

Como sei se preciso realizar uma sialoendoscopia?

Para saber se é necessária a realização dessa terapia, a única alternativa é consultar um profissional de confiança. Somente ele pode confirmar se a intervenção é necessária ou não.

Entretanto, existem alguns sintomas que podem indicar que há alguma coisa errada com as suas glândulas salivares e você precisa consultar um profissional da saúde. São eles:

  1. Dor na glândula afetada;
  2. Diminuição e/ou ausência de saliva na boca com perda da função da glândula;
  3. Aumento do tamanho das glândulas;
  4. Alteração da pele sobre as áreas inflamadas com vermelhidão;
  5. Risco de formação de abscesso;
  6. Febre com mal estar e fraqueza;
  7. Secreção purulenta ou muito viscosa

Esses são os principais sinais que o seu organismo pode dar caso haja inflamação, obstrutiva ou não, em suas glândulas salivares. Assim, pode ser necessária a realização de uma sialoendoscopia.

Ramiro Murad Saad Neto

Ramiro Murad Saad Neto

Cirurgião-dentista graduado em Odontologia pela UNIC. Gestor de clínicas odontológicas e franquias. Residente em Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial Facial no Sindicato dos Odontologistas de São Paulo (SOESP - SP). Habilitação em Harmonização Orofacial e integrante da equipe Bucomaxilofacial Dr. Carlos Eduardo Xavier na Clínica da Villa, em São Paulo. CRO - 118151

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sobre a Simpatio

Somos dedicados em criar conteúdo de qualidade e informativo. Nossa missão é informar pacientes, dentistas e clínicas provendo conteúdos altamente relevantes sobre odontologia e saúde bucal gratuitamente.

Agende uma consulta

Precisando de algum tipo de ajuda ou apoio relacionado a sua saúde ou estética bucal? Clique no botão abaixo!

Postagens Recentes

Receba Nossos Conteúdos

Preencha seu e-mail acima e receba conteúdos exclusivos gratuitamente!

© All rights reserved

Simpatio 2020

As informações contidas neste site têm como objetivo único informar. A Simpatio tem o compromisso de estimular, e nunca substituir, as relações entre dentistas e pacientes. Sempre deixamos isso muito claro nos textos e na comunicação com nossos leitores. É fundamental que o paciente, ao notar qualquer alteração em sua saúde bucal, consulte seu dentista de confiança. Cada indivíduo requer um tratamento personalizado.