Molares inferiores: tudo o que você precisa saber

Share on facebook
Compartilhe
Share on twitter
Tweet Isso
Share on linkedin
Compartilhe

Os molares inferiores, em conjunto com os superiores, têm uma função nobre: triturar os alimentos

Conhecer a anatomia dos dentes é um dos primeiros passos para se tornar um dentista. É fundamental saber quais são os elementos que compõem a cavidade bucal como os molares inferiores, assunto principal deste artigo.

Temos seis dentes molares inferiores. No entanto, é bastante comum a extração do terceiro molar, popularmente conhecidos como siso. Os motivos variam e pode ser tanto pelo apinhamento como pela falta de espaço.

Dentes molares inferiores (junto com os superiores) são os responsáveis por triturar os alimentos por conta de sua superfície oclusal maior e multicuspidada. Eles estão localizados na parte posterior da mandíbula.

No arco dental debaixo há uma característica notável. Nela encontra-se o maior dente da boca, o primeiro molar inferior.

Características dos molares inferiores

Vamos evidenciar as características do dente molar inferior.

Primeiro molar inferior

O primeiro molar é o sexto dente do arco inferior. Sua superfície é a mais complexa de todos os dentes, já que ela apresenta cinco cúspides.

É o dente com maior volume também. Por isso, torna-se muito importante para a oclusão. Seu alongamento aponta para a mésio-distal e achatamento para o vestíbulo-lingual.

Seu lado distal faz contato com o segundo pré-molar e seu lado mesial com o segundo molar. Na dentição decídua, surge entre 1 ano e 2 meses e 1 ano e 6 meses de vida da crianças. Na permanente, entre os 9 e 11 anos.

Face vestibular
  • Formato trapezoidal;
  • Alargamento mésio-distal;
  • Bossa vestibular;
  • Borda cervical;
  • Borda mesial e distal;
  • Inclinada para lingual.
Face lingual
  • Formato trapezoidal;
  • Bossa lingual;
  • Borda cervical;
  • Bordas mesial e distal;
  • Sulco lingual que divide as cúspides mésio-lingual e disto-lingual.
Faces mesial e distal (proximais)
  • Formato retangular;
  • Cúspides linguais maiores que os vestibulares;
  • Lado oclusal côncavo;
  • Lado cervical convexo voltado para a raiz.
Face oclusal
  • Formato retangular;
  • Sulcos principais;
  • Sulcos secundários;
  • Aresta longitudinal;
  • Vertentes;
  • Cristas marginais;
  • Fosseta mesial, central e distal;
  • Possui cinco cúspides (mésio-vestibular, mésio-lingual, disto-lingual, vestibular-mediana e disto-vestibular).
Raiz
  • Birradicular;
  • Raiz mesial e raiz distal;
  • Inclinado levemente para distal;
  • Achatadas em direção mesio-distal.

Segundo molar inferior

O segundo molar inferior é o sétimo dente da arcada inferior. Possui quatro cúspides.

Se o paciente tiver o terceiro molar normalmente na cavidade oral, ele encontra-se entre o primeiro e o terceiro. Caso contrário, só faz contato com o primeiro molar.

Na dentição de leite, erupcionam entre 2 anos e 2 anos e 5 meses. Na permanente, entre os 11 e 12 anos.

Face vestibular
  • Formato trapezoidal;
  • Alargamento mésio-distal;
  • Bossa vestibular;
  • Borda cervical;
  • Borda mesial e distal;
  • Inclinada para lingual.
Face lingual
  • Formato trapezoidal;
  • Sulco lingual que divide as cúspides mésio-lingual e disto-lingual;
  • Bossa lingual;
  • Borda cervical;
  • Bordas mesial e distal.
Faces mesial e distal (proximais)
  • Formato retangular;
  • Cúspides linguais maiores que os vestibulares;
  • Lado oclusal côncavo;
  • Lado cervical convexo voltado para a raiz;
  • Face mesial maior que a distal.
Face oclusal
  • Formato retangular;
  • Sulcos secundários;
  • Sulco central;
  • Cristas marginais mesial e distal;
  • Fossetas mesial, central e distal;
  • Sulcos vestíbulo-lingual e mésio-distal;
  • Possui quatro cúspides (mésio-vestibular, mésio-lingual, disto-vestibular, disto-lingual).
Raiz
  • Birradicular;
  • Raiz mesial e raiz distal;
  • Achatadas em direção mesio-distal;
  • Inclinado levemente para distal.

Terceiro molar inferior

O terceiro molar inferior surge entre os 17 e 21 anos de idade. Em algumas situações, possui cinco cúspides. Em outras, quatro. Há casos mais raros em que os pacientes têm até seis.

Frequentemente, o dente do siso precisa ser extraído. O formato da face oclusal depende da amplitude do ângulo vestíbulo-distal.

Sua superfície apresenta diversas irregularidades. A raiz pode ser uniraddicular, birradicular ou multirradicular. Em resumo, percebemos que os molares inferiores, assim como os superiores, são primordiais para a deglutição.

Dessa forma, devido sua importância, é importante realizarmos uma ótima higiene bucal, mantendo os dentes bonitos e saudáveis.

Silmara Alves Rozo Ducatti

Silmara Alves Rozo Ducatti

Cirurgiã-dentista graduada pela Universidade do Oeste Paulista (UNOESTE) e especialista em Ortodontia pelo Sindicato dos Odontologistas de Mato Grosso do Sul (SIOMS).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sobre a Simpatio

Somos dedicados em criar conteúdo de qualidade e informativo. Nossa missão é informar pacientes, dentistas e clínicas provendo conteúdos altamente relevantes sobre odontologia e saúde bucal gratuitamente.

Agende uma consulta

Precisando de algum tipo de ajuda ou apoio relacionado a sua saúde ou estética bucal? Clique no botão abaixo!

Postagens Recentes

Receba Nossos Conteúdos

Preencha seu e-mail acima e receba conteúdos exclusivos gratuitamente!

© All rights reserved

Simpatio 2020

As informações contidas neste site têm como objetivo único informar. A Simpatio tem o compromisso de estimular, e nunca substituir, as relações entre dentistas e pacientes. Sempre deixamos isso muito claro nos textos e na comunicação com nossos leitores. É fundamental que o paciente, ao notar qualquer alteração em sua saúde bucal, consulte seu dentista de confiança. Cada indivíduo requer um tratamento personalizado.