Tudo sobre a contaminação microbiana na odontologia

Share on facebook
Compartilhe
Share on twitter
Tweet Isso
Share on linkedin
Compartilhe

Conheça também outras áreas afetadas pela contaminação microbiana

Os microrganismos estão presentes em quase todos os ambientes e superfícies, e não é agradável que ocorra a contaminação microbiana a partir de muitos deles.

É bastante comum que instrumentos e materiais odontológicos, hospitalares,  e todos os utensílios usados nas clínicas e consultórios fiquem expostos e vulneráveis à contaminação microbiana.

Contaminação microbiana é algo perigoso que pode causar graves problemas à saúde. Portanto, o controle de microrganismos pode prevenir e controlar doenças de todos os tipos.

Existem diversas áreas que podem ser contaminadas. Entre as principais e mais vulneráveis, podemos citar então os casos:

Contaminação Microbiana na Odontologia

As práticas odontológicas abrangem uma grande variedade de procedimentos que expõem os profissionais e pacientes ao contato com secreções da cavidade bucal e sangue.

Portanto, aumentam as possibilidades de transmissão de micro-organismos patogênicos potencialmente causadores de problemas e doenças.

Dessa forma, os procedimentos de biossegurança contribuem para a melhoria da qualidade no atendimento, sendo extremamente eficiente o uso de barreiras protetoras na redução do contato com sangue e secreções.

Por isso, a utilização do equipamento de proteção individual se torna obrigatória durante o atendimento odontológico.

Diversas bactérias podem ser lançadas no ar a partir dos jatos de água utilizados nos procedimentos. Então, a inalação de gotículas pode causar uma possível infecção.

A contaminação microbiana nos instrumentos odontológicos também é muito comum. Por isso, os procedimentos de higienização, esterilização, reserva dos mesmos devem ser feitos de maneira efetiva.

Contaminação Microbiana do Leite

Na maioria das fazendas produtoras de leite, a qualidade microbiológica pode ser definida como a estimativa da contaminação do leite por microrganismos.

Essa contaminação está diretamente relacionada à saúde da glândula mamária do rebanho e às condições gerais de manejo e higiene do local.

Os principais microrganismos envolvidos com a contaminação do leite são as bactérias, uma vez que os vírus, fungos e leveduras têm participação reduzida nesses casos.

Ainda na etapa de produção primária, o leite pode ser contaminado por microrganismo, a partir de três principais origens:

  • O interior da glândula mamária infectada;
  • A pele do úbere e dos tetos;
  • A superfície interna do equipamento de ordenha e tanque de expansão.

Dessa forma, a contaminação microbiana do leite sofre impacto direto de vários aspectos.  Como a saúde da glândula mamária, a higiene de ordenha, o ambiente em que a vaca fica alojada, os procedimentos de limpeza do equipamento de ordenha, além da qualidade da água utilizada.

Além desses pontos, a temperatura e o tempo de armazenagem do leite são fatores que também devem ser levados em consideração, pois estão diretamente associados à velocidade de multiplicação das bactérias presentes no leite após a ordenha.

Contaminação Microbiana nos Alimentos

Diversos fatores podem influenciar na contaminação microbiológica alimentícia. Essas podem ser classificadas em  principais tipos:

  • Químicas;
  • Físicas;
  • Biológicas.

Uma das principais maneiras de ocorrer essa contaminação é conhecida por infecção cruzada. Nas cozinhas mundiais, é comum a utilização de diversos materiais na preparação.

Estes, quando mal higienizados, podem transferir micro-organismos de um tipo de alimento para outro, facilitando assim o desenvolvimento de patógenos.

É impossível eliminar 100% todos os micro-organismos dos alimentos. Inclusive, alguns são necessários e utilizados para criação de novos alimentos. Porém, quanto o menor contato, melhor.

Algumas dicas de como eliminar, e até mesmo prevenir a contaminação dos alimentos, são:

  • Evitar que os microrganismos tenham acesso ao alimentos;
  • Sempre higienizar de forma eficiente cada alimento;
  • Preocupar-se com datas de validade e condições dos alimentos;
  • Evitar que os microrganismos cresçam;
  • Destruir os microrganismos existentes.

Todos esses processos são extremamente importantes para nos proteger da contaminação microbiana.

Ramiro Murad Saad Neto

Ramiro Murad Saad Neto

Cirurgião-dentista graduado em Odontologia pela UNIC. Gestor de clínicas odontológicas e franquias. Residente em Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial Facial no Sindicato dos Odontologistas de São Paulo (SOESP - SP). Habilitação em Harmonização Orofacial e integrante da equipe Bucomaxilofacial Dr. Carlos Eduardo Xavier na Clínica da Villa, em São Paulo. CRO - 118151

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sobre a Simpatio

Somos dedicados em criar conteúdo de qualidade e informativo. Nossa missão é informar pacientes, dentistas e clínicas provendo conteúdos altamente relevantes sobre odontologia e saúde bucal gratuitamente.

Agende uma consulta

Precisando de algum tipo de ajuda ou apoio relacionado a sua saúde ou estética bucal? Clique no botão abaixo!

Postagens Recentes

Receba Nossos Conteúdos

Preencha seu e-mail acima e receba conteúdos exclusivos gratuitamente!

© All rights reserved

Simpatio 2018

As informações contidas neste site têm como objetivo único informar. A Simpatio tem o compromisso de estimular, e nunca substituir, as relações entre dentistas e pacientes. Sempre deixamos isso muito claro nos textos e na comunicação com nossos leitores. É fundamental que o paciente, ao notar qualquer alteração em sua saúde bucal, consulte seu dentista de confiança. Cada indivíduo requer um tratamento personalizado.