Classificação de Kennedy é estudada na Odontologia

Share on facebook
Compartilhe
Share on twitter
Tweet Isso
Share on linkedin
Compartilhe

Confira aqui o problema bucal que a classificação de Kennedy identifica

Dentro da área da odontologia, os profissionais estudam, como você deve imaginar, questões relacionadas à saúde bucal. Um método de estudo é pela análise da classificação de Kennedy.

Ela é discutida, principalmente, na área da implantodontia. Isso porque a classificação de Kennedy está relacionada com a colocação de próteses dentárias.

A classificação de Kennedy é um sistema que identifica as combinações das arcadas parcialmente desdentadas. A combinação é baseada na interação entre os dentes ainda presentes e os espaços protéticos.

Se você ficou interessado pelo assunto, então fique ligado neste artigo. Isso porque vamos tirar todas as suas dúvidas e mostrar curiosidades sobre a classificação de Kennedy. Vamos começar?

História da Classificação de Kennedy

A classificação das arcadas parcialmente desdentadas foi proposta na década de 20, mais especificamente em 1925. O responsável pelo sistema foi o Dr. Edward Kennedy.

Curiosidade: para nomear a classificação, foi adotado o nome do responsável pela mesma. Em outras palavras, o sobrenome do inventor da classificação – Kennedy- foi adotado para nomear o sistema.

Essa classificação é considerada topográfica. Isso porque ela estuda especificamente a distribuição dos dentes presentes, bem como os espaços que estão desdentados.

Dessa forma, é possível identificar o tipo de suporte necessário na região. O método é aceito de forma universal entre os profissionais da área da odontologia.

Como é a Divisão da Classificação de Kennedy?

A proposta de Kennedy inclui 4 diferentes tipos de classificações. Eles são:

  • Classe I: a arcada dentária apresenta o desdentamento bilateral, ou seja, dos dois lados. Além disso, a área atingida é a posterior aos dentes remanescentes;
  • Classe II: a arcada dentária apresenta o desdentamento unilateral, ou seja, em apenas um lado. Assim, como na classe I, a área afetada é a posterior aos dentes remanescentes;
  • Classe III: a arcada dentária apresenta o desdentamento unilateral. No entanto, a área desdentada é intercalada com dentes remanescentes. Ainda, pode acontecer tanto na parte posterior como na anterior; e
  • Classe IV: a arcada dentária apresenta o desdentamento bilateral. Além disso, atinge a parte anterior aos dentes remanescentes. Percebe-se que o desdentamento cruza a linha média.

Regras Aplicadas ao Sistema de Kennedy

Uma década depois, ou seja, em 1935, um outro estudioso, Applegate, sugeriu algumas regras para controlar a aplicação das classificações de Kennedy na área da odontologia. No total, são 8 regras que estabelecem:

  1. A área desdentada posterior é a responsável por determinar a classificação;
  2. Quando um paciente passa por qualquer extração dentária, a classificação deve ser determinada depois do procedimento;
  3. Nas situações em que há ausência do terceiro molar- e ele não é substituído- não é feito a inclusão dele durante a classificação;
  4. Nas situações em que há presença do terceiro molar e ele for utilizado como suporte, é feito a inclusão dele durante a determinação da classificação;
  5. Nas situações em que há ausência do segundo molar- e ele não é substituído- não é feito a inclusão dele durante a classificação;
  6. São consideradas modificações as áreas desdentadas que são adicionais. Neste caso, elas são subdivididas por números;
  7. As extensões dessas áreas de modificações não são consideradas durante a classificação; e
  8. A classe IV não considera as áreas de modificações.

Curiosidade: essa aplicação ficou conhecida como regras de Applegate.

Conhecendo Mais Sobre as Próteses Dentárias

A classificação de Kennedy está relacionada com as próteses dentárias. Por isso, vamos entender mais sobre elas.

As próteses dentárias são materiais usados com a finalidade de substituir dentes que estão ausentes.

Elas conseguem trazer uma aparência mais natural para o sorriso, assim como promover o conforto para os pacientes que as usam.

Mesmo não sendo iguais aos dentes originais, as próteses conseguem recuperar a funcionalidade e a estética dentária.

Entre os tipos de prótese está a prótese parcial removível (PPR).  Ela é um tipo de prótese que é recomendada em casos clínicos onde o paciente ainda tem uma boa parte dos dentes.

A sua instalação é feita a base de conectores e grampos que garantem a segurança e suporte. Eles garantem que a prótese dentária não caia com toda a movimentação natural da cavidade bucal do paciente.

Importante: com a colocação da prótese, alguns pacientes podem sentir um certo desconforto durante as primeiras semanas ou meses. Na maioria dos casos, o paciente pode sentir:

  • Sensação de dente solto ou saliente;
  • Aumento do fluxo salivar;
  • Irritações locais; e
  • Manifestação de ulcerações.

Por isso, é normal que o paciente leve algum tempo para se acostumar com a prótese. O ideal é praticar e não ter medo de fazer ações básicas, como comer e falar.

Além disso, o paciente deve saber que depois de um período, ele precisará restaurar, refazer ou recolocar a prótese dental. Isso porque ela vai se desgastando de forma natural.

Outro fator que altera a durabilidade é a mudança da boca do paciente. Mas, como assim? Bom, quando vamos envelhecendo, a nossa cavidade bucal vai se alterando de forma natural.

Dessa forma, as próteses não se adaptam ao novo formato da boca. Por isso, elas vão ficando soltas e precisam ser trocadas.

Cuidados Complementares

Você precisa manter uma higiene bucal adequada para garantir que as suas próteses durem por muito tempo. Por isso, o ideal é manter uma rotina básica de limpeza.

Os profissionais recomendam que os pacientes escovem os dentes 30 minutos depois das refeições, bem como antes de ir dormir. Escove os dentes e a língua com movimentos suaves e circulares.

Além disso, é aconselhável passar o fio dental pelo menos uma vez ao dia e completar a limpeza com o enxaguante bucal.

Ainda, manter uma alimentação balanceada é fundamental. Beber bastante água também é essencial.

Para evitar manchas ou desgaste na coloração das próteses, é bom evitar o consumo de alimentos que mancham, como os refrigerantes e café. Dica: evite o consumo de bebidas alcoólicas e evite fumar.

Agora que você já conhece mais sobre o assunto, marque uma consulta com o dentista de confiança.

Dessa forma, você entende qual a sua classificação de Kennedy e quais orientações para o uso da prótese dental são importantes.

Valdir de Oliveira

Valdir de Oliveira

Valdir de Oliveira é cirurgião-dentista graduado em Odontologia pela Universidade de Santo Amaro (UNISA) e pós-graduado em Ortodontia e Ortopedia dos Maxilares pela Sboom. Possui especialização e mestrado em Implantodontia, habilitação em Harmonização Orofacial e Anatomia da Face. Também é professor nas áreas de Cirurgia Bucomaxilofacial e Harmonização Orofacial e voluntário há mais de 20 anos na Agência Adventista de Desenvolvimento e Recursos Assistenciais (ADRA Brasil). Com o registro no Conselho Regional de Odontologia de São Paulo (CRO-SP) nº 52860, Valdir integra a equipe odontológica do Instituto Bernal e Oliveira, que está localizado na Avenida dos Imarés, 572A - Indianópolis, São Paulo - SP.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sobre a Simpatio

Somos dedicados em criar conteúdo de qualidade e informativo. Nossa missão é informar pacientes, dentistas e clínicas provendo conteúdos altamente relevantes sobre odontologia e saúde bucal gratuitamente.

Agende uma consulta

Precisando de algum tipo de ajuda ou apoio relacionado a sua saúde ou estética bucal? Clique no botão abaixo!

Postagens Recentes

Receba Nossos Conteúdos

Preencha seu e-mail acima e receba conteúdos exclusivos gratuitamente!

© All rights reserved

Simpatio 2020

As informações contidas neste site têm como objetivo único informar. A Simpatio tem o compromisso de estimular, e nunca substituir, as relações entre dentistas e pacientes. Sempre deixamos isso muito claro nos textos e na comunicação com nossos leitores. É fundamental que o paciente, ao notar qualquer alteração em sua saúde bucal, consulte seu dentista de confiança. Cada indivíduo requer um tratamento personalizado.

Os conteúdos da Simpatio são escritos por jornalistas e possuem a supervisão e a aprovação de dentistas e de profissionais de saúde parceiros.