Veja quais são as 10 boas práticas de fabricação

Share on facebook
Compartilhe
Share on twitter
Tweet Isso
Share on linkedin
Compartilhe

Um bom atendimento ao paciente garante uma melhora em sua saúde bucal, e isso pode ser considerado como um dos pontos das boas práticas de fabricação.

Isso acontece porque uma das premissas básicas das boas práticas de fabricação é garantir que as condições básicas da higiene da boca sejam alcançadas.

As boas práticas de fabricação são hábitos imprescindíveis e conhecidos nos meios de produção ao redor do mundo, seguindo legislações e normas específicas.

A finalidade desse processo se dá principalmente por ter como objetivo garantir a qualidade das condições sanitárias das indústrias e também uma concordância, principalmente alimentícia, com as regras técnicas estabelecidas.

Para isso, elas abordam pontos como a produção ou a manutenção de:

  • Alimentos;
  • Remédios;
  • Produtos de higiene pessoal;
  • Instrumentos e ferramentas utilizados nas diversas áreas da medicina.

Conhecidas também como uma coleção de programas de pré-requisitos pelos profissionais, as BPF asseguram a saúde do consumidor, seja consumindo alimentos ou tomando medicamentos.

Mas quando falamos em produtos da área da saúde, como cosméticos, alimentos e medicamentos, a supervisão do comprimento das leis fica sob responsabilidade da Anvisa.

Então, cabe a agência analisar se as empresas estão seguindo as normas. Se isso não estiver acontecendo, ela pode pedir o fechamento dos laboratórios e dos consultórios odontológicos irregulares.

Quais são os princípios básicos seguidos pelas boas práticas de fabricação?

As boas práticas de fabricação podem ser explicadas por 10 conceitos, que são:

  1. Definir quais são os passos de produção da mercadoria, seguindo práticas e controles conforme as BPF;
  2. Seguir as condutas descritas de forma cuidadosa para evitar combinações erradas, erros na produção ou eventuais infecções causadas pelos produtos;
  3. Registrar o procedimento de produção para existir uma forma de realizá-lo de modo a evitar complicações;
  4. Analisar se o regulamento está sendo seguido de fato;
  5. Dispor de bons dispositivos e máquinas para realização de um produto com qualidade e garantir também a segurança do trabalhador;
  6. Realizar manutenção dos equipamentos e a limpeza do local de trabalho;
  7. Estabelecer, aprimorar e apresentar com clareza a maneira correta de realizar os procedimentos;
  8. Assegurar a proteção das mercadorias produzidas contra eventuais contaminações por meio da aplicação de práticas higiênicas;
  9. Administrar o processo de desenvolvimento da mercadoria a fim de alcançar a qualidade no procedimento de produção, empacotamento, etiquetamento, testes, distribuição e marketing do produto;
  10. Analisar se os métodos de produção estão sendo efetivos em questão de harmonia e desempenho da equipe.

Essas são consideradas as pilastras que garantem o controle de uma boa produção em uma indústria, as quais devem ser seguidas pelos respectivos donos.

Além disso, existe um manual de boas práticas de fabricação, disponibilizado pela própria Anvisa, que faz uma apresentação de quais são os hábitos.

No entanto, é comum também que as empresas criem os seus próprios manuais, mas sempre respeitando os 10 preceitos apresentados aqui anteriormente.

Por que as boas práticas de fabricação são importantes?

Sabendo agora o que são as boas práticas de fabricação, é necessário falar sobre qual a importância das boas práticas de fabricação.

Como citado anteriormente, a intenção dessas práticas é reduzir riscos de contaminação ou que os produtos sejam feitos da maneira errada.

Elas exercem uma grande importância no país por se tratar da garantia da qualidade das práticas da empresa, proporcionando um respeito e um cuidado maior com o consumidor também.

Tendo isso em vista, podemos dizer que são normas as quais todas as empresas devem aderir para poder promover segurança sobre o que está sendo comprado e consumido pelas pessoas, além da qualidade do produto.

Quando o ponto de vista é o atendimento na área da saúde, a importância dessas práticas se dá no âmbito de garantir ao paciente que ele receberá o melhor suporte possível, visando a higiene e o bem estar acima de tudo.

Isso também se aplica quando falamos sobre os materiais utilizados.

Mas, por outro lado, aqui se torna uma responsabilidade dupla, uma vez que as empresas devem produzir as melhores ferramentas, desde a matéria-prima até o produto final, e os profissionais precisam procurar as mais qualificadas.

Como isso se relaciona com a odontologia?

O que resta agora é saber como as boas práticas de fabrico têm influência sobre a área da odontologia.

Segundo as leis vigentes no país, tanto os medicamentos quantos os utensílios que são utilizados na área da saúde devem possuir um registro na Anvisa

Estes, por sua vez, podem ter classificação entre quatro categorias conforme o grau de risco que o controle representa, sendo I aqueles de menor risco e IV os de maior risco.

Contudo, esse risco do produto diz respeito à complexidade das condições que têm relação com o processo de produção e comercialização do produto.

Mas isso se dá principalmente para garantir o objetivo anteriormente citado, que é a segurança do paciente e a qualidade no produto final.

É necessário que as empresas que produzem as mercadorias utilizadas nos consultórios odontológicos precisam da certificação de boas práticas de fabricação assinada pela Anvisa, que garante os pontos antes citados.

Além disso, cabe ao profissional responsável pelo consultório seguir as normas que regulam as condições higiênico-sanitárias.

Também cabe o cuidado com a gestão dos trabalhadores, sendo aconselhado sempre dar instruções sobre o cuidado com a limpeza do local de trabalho.

Fora isso, a higienização das mãos, uniformes e equipamentos é imprescindível.

Dessa forma, existe a relação entre ambos os pontos, gerando uma melhora no(a):

  • Atendimento ao cliente;
  • Preocupação com a escolha de equipamentos de qualidade;
  • Cuidado com a higiene do paciente, que deve ser sempre o foco do profissional da saúde;
  • Gestão do consultório.

Portanto, a recomendação é que sempre seja buscado seguir as boas práticas de fabricação para nortear todo o cuidado com o consultório e também com os utensílios que serão usados nos procedimentos odontológicos.

Ramiro Murad

Ramiro Murad

Cirurgião-dentista graduado em Odontologia pela UNIC. Gestor de clínicas odontológicas e franquias. Residente em Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial Facial no Sindicato dos Odontologistas de São Paulo (SOESP - SP). Habilitação em Harmonização Orofacial e integrante da equipe Bucomaxilofacial Dr. Carlos Eduardo Xavier na Clínica da Villa, em São Paulo. CRO - 118151

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sobre a Simpatio

Somos dedicados em criar conteúdo de qualidade e informativo. Nossa missão é informar pacientes, dentistas e clínicas provendo conteúdos altamente relevantes sobre odontologia e saúde bucal gratuitamente.

Agende uma consulta

Precisando de algum tipo de ajuda ou apoio relacionado a sua saúde ou estética bucal? Clique no botão abaixo!

Postagens Recentes

Receba Nossos Conteúdos

Preencha seu e-mail acima e receba conteúdos exclusivos gratuitamente!

© All rights reserved

Simpatio 2020

As informações contidas neste site têm como objetivo único informar. A Simpatio tem o compromisso de estimular, e nunca substituir, as relações entre dentistas e pacientes. Sempre deixamos isso muito claro nos textos e na comunicação com nossos leitores. É fundamental que o paciente, ao notar qualquer alteração em sua saúde bucal, consulte seu dentista de confiança. Cada indivíduo requer um tratamento personalizado.

Os conteúdos da Simpatio são escritos por jornalistas e possuem a supervisão e a aprovação de dentistas e de profissionais de saúde parceiros.