Vacina e odontologia: o dentista deve se imunizar?

Share on facebook
Compartilhe
Share on twitter
Tweet Isso
Share on linkedin
Compartilhe

O profissional da saúde deve estar sempre protegido para oferecer maior segurança aos seus pacientes

O tempo todos nós conversamos sobre o paciente. No entanto, há outro grupo que precisa da nossa atenção no consultório odontológico: o dentista e sua equipe! E é por isso que hoje trouxemos um assunto muito importante: você sabe que vacina deve tomar?

A proteção do dentista e sua equipe é tão importante quanto a do paciente. Na verdade, um não existe sem o outro. Por isso, para trabalhar com seus pacientes, você precisa estar com a vacina em dia!

A vacina é uma substância criada a partir de um vírus ou bactéria para criar imunidade no corpo humano ou animal. Sendo assim, pessoas vacinadas estão protegidas dos vírus e bactérias que deram origens as determinadas vacinas.

Isso impede que a maior parte da população caia doente por uma série de doenças. Além disso, ela permite que profissionais da saúde trabalhem diretamente com seus pacientes sem serem infectados.

Se a vacina já é importante para pessoas comuns, para os profissionais da saúde sua importância dobra! É por isso que, para atuar em todas as áreas da saúde, o profissional deve ter a carteira de vacinação em dia.

Essa exigência é feita pelos órgãos regulatórios e você pode perder sua permissão de atuação caso não cumpra a ordem.

Quais são as vacinas exigidas?

Em todo Brasil, são oito vacinas exigidas e recomendadas para a atuação na saúde. No entanto, algumas regiões podem ter mais algumas vacinas exigidas, no caso de áreas de risco.

Reunimos aqui as oito tipos de vacina exigidas e suas especificações. Acrescentamos a vacina de Febre Amarela, pois ela é exigida em diversas partes do país, como no Amazonas. Confira:

Influenza (Gripe):

Essa vacina é aplicada uma vez ao ano, via intramuscular. Apesar de muitos burburinhos sobre sua eficácia, ela de fato protege contra a influenza e ameniza os efeitos do vírus nos casos mais graves.

Por ser uma doença comum e facilmente transmitida, o dentista e equipe odontológica devem se vacinar todos os anos.

Hepatite A:

São aplicadas duas doses, com intervalo de até 6 meses, via intramuscular. Elas são exigidas, principalmente, para profissionais que trabalham diretamente com crianças, como odontopediatras.

No entanto, são amplamente recomendadas para todos os profissionais da saúde e, em algumas regiões, exigidas independentemente da área de atuação.

Hepatite B:

São aplicadas três doses, dividas em 6 meses, via intramuscular. Essa vacina é exigida em todo o país e, além da aplicação, é exigido que se faça um teste de imunização.

O teste é chamado Anti-HBs e é realizado entre o 7º e 13º mês pós-aplicação para documentar a viragem sorológica e a cada 3 anos para ratificar a imunidade para a Hepatite B.

Rubéola, Sarampo e Caxumba (MMR Tríplice Viral):

É aplicada em dose única, via subcutânea. Para maior proteção, indica-se uma segunda dose dentro de trinta dias após a primeira aplicação.

No entanto, fique atento: gestantes e alérgicos a ovo e neomicina não devem tomar essa vacina! Se você é mulher, o recomendado é que não tente engravidar logo após tomar a vacina.

Tríplice Bacteriana para adultos (Coqueluche, Tétano e Difteria):

É administrada via intramuscular como 3º reforço, já que tomamos duas doses na infância. Os dentistas e equipe que trabalham com crianças, pacientes com baixa imunidade ou em hospitais devem redobrar sua atenção nesse caso!

Tuberculose (BCG):

Sim, a vacina contra tuberculose existe! Ela pode ser tomada como reforço, já que, normalmente, a primeira dose é aplicada na infância.

Varicela:

É aplicada via subcutânea em duas doses, com intervalo de 4 a 8 semanas. Assim como na Tríplice Viral, não se recomenda a gravidez após tomar essa vacina!

Tétano e Difteria (dT adulto ou toxoide tetânico)

São aplicadas três doses, via intramuscular, no intervalo de doze meses. O reforço deve ser feito em dose única a cada 10 anos. Essa vacina é exigida em todo território nacional.

Febre Amarela

Todos os adultos devem tomar um único reforço. Em 2017, a febre amarela afetou diversas partes do Brasil, exigindo a vacinação urgente de diversos profissionais. Não deixe isso acontecer! Mantenha sua vacinação em dia, mesmo que a vacina não seja exigida na sua região.

Vacina gratuita

O preço das vacinas não deve ser uma preocupação! O governo disponibiliza vacinas gratuitas para os profissionais da saúde.

Por isso, você pode – e deve – exigir a vacinação da sua equipe odontológica. E, claro, não deve descuidar da sua própria vacinação.

Então, já tomou sua vacina? Proteja-se!

Juliana Peres

Juliana Peres

Graduada em Odontologia pela Universidade Cidade de São Paulo. Pós-graduada em Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial pelo programa de residência profissional do Complexo Hospitalar Padre Bento de Guarulhos. Conhecimento na área de cirurgia oral menor e maior. Residente em cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial no Complexo Hospitalar Padre Bento durante 3 anos e responsável pelo atendimento de pacientes na área de clínico geral, cirurgias orais e harmonização orofacial em diferentes clínicas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sobre a Simpatio

Somos dedicados em criar conteúdo de qualidade e informativo. Nossa missão é informar pacientes, dentistas e clínicas provendo conteúdos altamente relevantes sobre odontologia e saúde bucal gratuitamente.

Agende uma consulta

Precisando de algum tipo de ajuda ou apoio relacionado a sua saúde ou estética bucal? Clique no botão abaixo!

Postagens Recentes

Receba Nossos Conteúdos

Preencha seu e-mail acima e receba conteúdos exclusivos gratuitamente!

© All rights reserved

Simpatio 2020

As informações contidas neste site têm como objetivo único informar. A Simpatio tem o compromisso de estimular, e nunca substituir, as relações entre dentistas e pacientes. Sempre deixamos isso muito claro nos textos e na comunicação com nossos leitores. É fundamental que o paciente, ao notar qualquer alteração em sua saúde bucal, consulte seu dentista de confiança. Cada indivíduo requer um tratamento personalizado.